Pular para o conteúdo principal

'Atleta' brasileira na Argentina passa em Harvard e mais 5 universidades

Daniela Brighenti, de 17 anos, é paulistana e mora em Buenos Aires.
Prática de vários esportes foi diferencial da candidatura às vagas.


A estudante Daniela Rodrigues Faria Brighenti, de 17 anos, nada, corre, pedala. Ama esporte. Quando morou em Santos, no litoral de São Paulo, integrou a equipe de triatlo da Prefeitura e participou de várias competições. Também joga basquete e pratica 'ultimate frisbee' (lançamento de disco) e ioga - nenhum deles como profissional. Paulistana, Daniela já morou nos Estados Unidos na infância, passou uma temporada em Santos, e desde o final de 2012, vive em Buenos Aires, na Argentina. Tudo por conta do pai que é engenheiro de uma montadora e precisa ser transferido de unidade.

Agora, Dani, como é chamada pelos amigos, vai seguir um novo rumo. Ela vai voltar a morar nos Estados Unidos, pois foi admitida por importantes universidades americanas como Harvard, Yale, Brown, Georgetown, George Washington e Lafayette para fazer graduação. Ela ainda não se decidiu onde estudar. A brasileira pretende continuar a praticar esportes, mas como estilo de vida, sem pretensão de ser tornar atleta profissional. A carreira que pretende seguir ela ainda não decidiu, pois gosta de áreas diferentes como relações internacionais e física.

"Mostrar que eu consigo gerenciar vários esportes rigorosos e ainda assim manter notas altíssimas na escola fez parte do meu diferencial. Eu amo esportes, e eles são, para mim, um divertimento. É onde mais sou feliz" - Dani Brighenti, aprovada em seis universidades americanas.

Em Buenos Aires, Dani estuda em escola americana, onde vai concluir o ensino médio no mês de junho. Seus pais optaram por um colégio americano por conta do calendário que é diferente das escolas regulares argentinas e foi compatível com a data da mudança da família - ela e o irmão Caio, de 15 anos, começaram a estudar em novembro. Outra vantagem foi o idioma. Os brasileiros não tinham domínio do espanhol e já eram fluentes no inglês.

A vontade de fazer faculdade nos Estados Unidos foi despertada quando, aos 9 anos, Dani passou a frequentar a escola norte-americana, na primeira mudança de país da família, e experimentou outro modelo de ensino. "Fiquei encantada. Quando voltei ao Brasil vi que as minhas aulas não rendiam muito e que o sistema de ensino americano me motivava mais. Fazer universidade nos Estados Unidos passou a ser meu maior sonho."

A determinação para os estudos, Dani também tem nos esportes. Em Santos, era membro da equipe de triatlo da Prefeitura. "Levava muito a sério, o nível do treino era altíssimo, mas quando me mudei pra Argentina passei a ter que treinar sozinha pois o esporte não é popular aqui e as provas são pouquíssimas."

Esporte foi diferencial


O envolvimento com os esportes, além do excelente desempenho acadêmico, foi para Dani seu diferencial da candidatura às vagas nas universidades americanas que têm seleções muito rigorosas. Em Harvard, por exemplo, cujo resultado foi anunciado no dia 27 de março, só 5,9% do total dos aplicantes foram aceitos - entre eles, quatro são brasileiros.

"Acho que isso fez parte do meu diferencial, por mostrar que eu consigo gerenciar vários esportes rigorosos e ainda assim manter notas altíssimas na escola. Eu amo esportes, e eles são, para mim, um divertimento. É onde mais sou feliz", afirma Dani, que voltou de uma competição de basquete no Chile no último domingo (6).

Outro ponto das atividades extracurriculares da brasileira, muito valorizadas pelas universidades americanas, é que ela toca violino. Começou quando morava nos Estados Unidos, na volta ao Brasil entrou para a orquestra do Grupo Pão de Açúcar, projeto que tenta difundir a música clássica entre as comunidades de baixa renda. "Eu gostava muito desse projeto por unir meu instrumento e também serviço comunitário. Quando me mudei para a Argentina, de novo não tive onde praticar. Hoje mantenho o violino como hobby, mas pretendo voltar a tocar no 'college'."

Nos Estados Unidos, Dani ainda não sabe o que vai cursar. Lá, o aluno tem até dois anos para definir o curso, neste período pode optar por disciplinas de diversas áreas do conhecimento. A estudante diz que cogita o curso de relações internacionais, mas também gosta muito de física. Para depois da graduação, não há planos. Lição que aprendeu com o esporte, a música e a própria história de vida. "Aprendi que não adianta fazer planos muito distantes, porque você nunca sabe para que lado a vida vai te levar. Sei que quero continuar viajando e explorando o mundo, mas não sei exatamente para onde vou voltar."


Fonte: 
http://g1.globo.com/educacao/noticia/2014/04/atleta-brasileira-na-argentina-passa-em-harvard-e-mais-5-universidades.html


Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …