Pular para o conteúdo principal

O que é a Base Nacional Curricular?

Para os críticos, uma medida centralizadora, autoritária, castradora da liberdade de ensino e da autonomia do professor. Para os defensores, uma forma de garantir uma coerência e frear o mercantilismo do chamado “ensino de resultado imediato”, mais voltados para desempenhos em ações como Enad, Enem, vestibulares e concursos públicos em detrimento da formação do cidadão. Para o Ministério da Educação, “uma oportunidade de estabelecer conhecimentos e habilidades essenciais que todos os estudantes brasileiros devem aprender em sua trajetória na educação básica, desde a educação infantil até o ensino médio”.

Independente das versões defendidas por cada cidadão, a verdade é que servirá de norte para os professores em sala de aula e consequentemente para a formação dos alunos e do futuro mercado de trabalho. Por isso, não se pode fugir à discussão. E todos podem participar através do envio de sugestões.


Recorde

Antes mesmo de ser batido o martelo e entrar em vigor, a BNC já é recordista. Desde setembro de 2015, já é o maior documento a receber sugestões da sociedade. No último balanço divulgado, em 6 de janeiro, já eram mais de 9,8 milhões de contribuições de mais de 34 mil escolas e 200 mil pessoas, das quais 166 mil são professores, 3,1 mil estudantes, 1,6 mil pais, 1,8 mil organizações da sociedade civil, e pesquisadores que se cadastraram para participar. Números que devem aumentar muito mais, já que as observações podem continuar a ser enviadas até 15 de março.

A próxima etapa, a ser apresentada em abril deste ano, será avaliada por um grupo de leitores críticos (especialistas) de diversas áreas do conhecimento e também será discutida em seminários realizados pelas secretarias estaduais de educação e pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).


Velha Discussão

Na verdade, a proposta não tem nada de inovadora. Essa discussão é bem antiga. Se arrasta há quase três décadas. Sua criação está sugerida na Constituição Federal de 1988, que determina como dever do Estado fixar “conteúdos mínimos para o Ensino Fundamental, de maneira a assegurar a formação básica comum e o respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais” (artigo 210).

Porém, o que pressionou para que saísse finalmente do papel foi uma exigência prevista no Plano Nacional de Educação (PNE), em vigor desde 2014, que previa a elaboração de um documento contendo objetivos de aprendizado a serem considerados pelos professores e coordenadores na hora de elaboração do projeto pedagógico da escola.

Mais autônomo do que as demais esferas, o ensino superior rapidamente conseguiu se ver livre das “amarras” da nova medida. Após muita resistência e articulações, eximiram o ensino superior de seguir a mesma cartilha, ficando as normas do BNC restritas aos ensinos infantil, fundamental e médio.


Resistências

As resistências não foram poucas... A primeira foi a crítica de pasteurização do ensino, sufocando as diversidades e culturas regionais onde predominaria a visão dos estados mais ricos e consequentemente mais influentes. Para contornar essa questão, ficou negociado que a BNC terá espaço para o que chamam de “base diferenciada”, que são janelas para inclusão de particularidades regionais ou conteúdos defendidos por linhas de ensino adotadas pelas instituições.

A Base Nacional vai definir cerca de 60% dos componentes curriculares a serem seguidos em todo o país. Quanto aos outros 40%, caberão às redes municipais e estaduais abrir discussões locais para elaboração desse conteúdo.


Acusação de ideologia no conteúdo


A discussão da Base não conseguiu se blindar da politização acalorada que vem tomando conta das discussões no país, polarizado entre governo e oposição. Nesse embate que vem se acirrando não demorou para que a proposta educacional fosse acusada de estar sendo manipulada para fins políticos. Até por sua aderência social, não foi à toa que a metralhadora mirou na disciplina de História.

Um dos primeiros tiros foi dado pelo ex-ministro da Educação e filósofo Renato Janine, através de uma de suas páginas nas mídias sociais, espaço que vem se transformando num ringue político. “O PNC deve conter o ensinamento crítico, mas sem descambar para a ideologia” postou Janine.

A opinião do ex-titular do MEC serviu como combustível para outras trincheiras levantadas. Uma delas atingiu em cheio a proposta do novo conteúdo em romper com a cronologia ortodoxa e a divisão quadripartite da História em Antiga, Média, Moderna e Contemporânea, o que para muitos professores é um forte rompimento de paradigma.

Uma nova visão da colonização também deixou de cabelo em pé os mais conservadores: a diminuição do espaço dado à influência europeia equilibrando com o protagonismo da contribuição indígena e africana na cultura brasileira.

Misturando fatos com boatos não demorou para que aparecessem factoides. Um deles, jogado no meio da polêmica, foi de que o mártir Tiradentes perderia status de grande herói nacional. Aí, viu-se uma fogueira queimando as discussões do BNC da mesma forma que aconteceu com os antigos livros destruídos na Idade Média.

Para evitar que a Base fosse chamuscada, o MEC ainda tentou apagar o fogo retirando a cadeira de História da primeira versão do BNC apresentada à sociedade. Foi o tiro que não mudou a história, na verdade saiu pela culatra. Começou a circular o boato de que o MEC substituiria a disciplina por ensino religioso. Ou seja, foi-se da caça às bruxas à Guerra Santa.

Rapidamente foi convocado pela brigada de incêndio o próprio então Ministro da Educação. "O componente curricular de História não consta ainda, pois diversas excelentes sugestões foram dadas e o MEC considerou importante incorporá-las, o que demanda mais alguns dias. Em breve, estará disponível no documento. Algumas pessoas chegaram a pensar que o MEC tinha eliminado a História do currículo. Não procede, seria o cúmulo da loucura", diz a nota assinada por Janine Ribeiro.


Pá de cal nos boatos

Diante da acusação de que o PT estivesse politizando o ensino da disciplina, o MEC pediu socorro à Associação Nacional de História, como forma de reverter a situação. “Diante das controvérsias no debate sobre a proposta do componente curricular de História para a Base Nacional Comum Curricular, a Anpuh certamente vai ser uma mediadora importante para encontrarmos uma solução de entendimento entre as diferentes abordagens possíveis na área do ensino”, afirma o secretário de educação básica do MEC Manuel Palacios.

Ficou acordado ainda que a Anpuh vai contribuir com a indicação de especialistas para o grupo dos leitores críticos, em que cada colaborador deverá apresentar considerações finais sobre a proposta preliminar. “Tivemos uma reunião muito produtiva e positiva, e a Anpuh participará desse processo, revisando a proposta preliminar da área de História. A Anpuh também deverá encaminhar uma lista de historiadores que devem ser trazidos para esse processo de elaboração por meio da função de leitor crítico”, justifica o secretário.

Para a presidente da Anpuh, Maria Helena Rolim Capelato, a associação tem muito a oferecer para a discussão dos conteúdos. “Nós vamos fazer uma série de reuniões com as regionais até o final de fevereiro e vamos apresentar uma proposta para a Base Nacional Comum Curricular. É importante a existência de uma base comum, cuja proposta é estabelecer os parâmetros para como discutir determinadas questões importantes no estudo da História”, concluiu.


Ciências

Temendo que o fenômeno História contamine também o andamento da disciplina de Ciências, o MEC já se antecipa às polêmicas e acaba de convidar entidades representativas para darem suporte às discussões.

Entre as participantes, a Associação Brasileira de Ensino de Biologia (Sbenbio), a Sociedade Brasileira de Física (SBF), a Sociedade Brasileira de Química (SBQ), a Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (Abrapec) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).


Ainda dá tempo de participar

O prazo final para que o documento esteja pronto é junho de 2016. Há dois tipos de contribuições a serem incorporadas à proposta preliminar: as enviadas pelo portal por qualquer pessoa que quiser fazer o cadastro e as avaliações produzidas por "leitores críticos", um grupo de profissionais e especialistas nas áreas do conhecimento da Base, que foram convidados pelo MEC para ler a proposta.

Até 15 de março a consulta pública continua. Qualquer cidadão pode participar após se cadastrar no site  oficial da Base Nacional Comum.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…