Pular para o conteúdo principal

Especial Olimpíadas - Nomes que se destacaram nos jogos






Uma das dinâmicas mais bacanas para trabalhar em sala de aula quando o assunto é Jogos Olímpicos é poder apresentar os protagonistas dessas proezas que levaram o Brasil ao reconhecimento mundial. Neste terceiro post da série vamos citar alguns deles e explicar por que cada atleta teve destaque nas competições.

1. Guilherme Paraense
Foi o primeiro atleta brasileiro a conquistar uma medalha de ouro olímpica, em 1920. Na ocasião, Paraense, do tiro, competia com um revólver emprestado da delegação americana, porque um vendaval encheu sua arma de areia e a estragou.
Outros nomes:
• Afrânio da Costa
 Dário Barbosa

2. Maria Lenk
Foi a primeira mulher brasileira a participar de uma Olimpíada. Mais do que isso: foi a primeira atleta sul-americana na competição. Tinha apenas 17 anos e participou dos Jogos realizados em Los Angeles. Chegou às semifinais da natação, na modalidade 200m peito.



3. João do Pulo
João Carlos de Oliveira (João do Pulo) foi um dos grandes nomes do salto brasileiro. Nunca levou o ouro olímpico, mas foi um atleta que impulsionou a modalidade e serviu de exemplo para outros competidores brasileiros.


4. Torben Grael
Brasileiro que coleciona medalhas olímpicas de todas as cores. O iatista, apelidado de Turbina, conquistou cinco medalhas olímpicas, sendo duas de ouro. A paixão pela vela está na família: Grael aprendeu a velejar com o avô aos cinco anos de idade e iniciou a carreira ao lado do irmão Lars Grael, também medalhista olímpico.

Outros nomes:
Robert Scheidt

5. Oscar Schmidt
É um dos maiores atletas do basquete brasileiro de todos os tempos. Nunca levou uma medalha de ouro para a casa, mas participou de cinco Olimpíadas: Moscou, Los Angeles, Seul, Barcelona e Atlanta. Embora nunca tenha subido no lugar mais alto do pódio, é o atleta com o maior número de pontos no basquete olímpico: 1.093.



6. Joaquim Cruz
O único atleta brasileiro a vencer uma prova de pista em uma Olimpíada. Desembarcou em Los Angeles como uma das grandes promessas para a competição. Nos Jogos, foi melhorando o tempo a cada corrida e, na última competição do 800m, bateu o recorde mundial, chegando 3 metros à frente do britânico Sebastian Coe.


7. Gustavo Borges
Referência na natação nacional e exemplo para uma linhagem de atletas olímpicos que hoje arrasam nas piscinas. A primeira medalha, de prata, viria em Barcelona, mas foi em Atlanta que Gustavo se consagrou: além de uma medalha de prata e outra de bronze, dividiu o pódio com o brasileiro Fernando Scherer (Xuxa), com quem competiu no revezamento 4 x 100m livre.


8. Diego Hypólito
Sua primeira aparição foi nos Jogos Olímpicos de Pequim, na China. No evento, Diego se apresentou em dois aparelhos durante a fase qualificatória: salto e solo. No salto, só executou o primeiro e não pôde ir à final. Já no solo obteve 15.950 pontos e classificou-se na primeira posição.


9. Daiane dos Santos
Daiane fez parte da primeira seleção brasileira completa a disputar uma edição olímpica, nos Jogos de Atenas, repetindo a presença nas edições seguintes, nas Olimpíadas de Pequim e Londres.


10. Maurren Maggi
Oito anos depois de entrar como uma das favoritas em Sydney 2000, a saltadora e velocista brasileira tornou-se o maior nome da história do atletismo feminino do Brasil ao ganhar a medalha de ouro no salto em distância dos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, saltando 7,04 metros.


11. César Cielo Filho
Em Pequim ganhou a primeira medalha de bronze na prova dos 100 metros livre. Já nos 50 metros livre, conquistou a medalha de ouro, quebrando o recorde olímpico com o tempo de 21s30, ficando a dois centésimos do recorde mundial (21s28), e se tornou o primeiro brasileiro campeão olímpico na natação.


12. Hortência
A ex-jogadora de basquete brasileira é considerada uma das maiores atletas de basquetebol de todos os tempos. Na modalidade feminina, a equipe do Brasil conquistou uma inédita prata olímpica ao perder a final para a tradicional equipe dos Estados Unidos.

13. Robson Caetano
Especializado em corridas de curta distância, participou de quatro Jogos Olímpicos, ganhando duas medalhas de bronze, uma nos 200 metros rasos, em Seul 1988, e outra no revezamento 4x100 m, em Atlanta 1996.


14. Márcia Narloch
Considerada a melhor do país no atletismo feminino brasileiro, Márcia participou de 3 Olimpíadas: Barcelona, Atlanta e Atenas. Atualmente é coordenadora dos Polos de Corrida do Benefício Caminhadas & Corridas da Appai.


15. Giba
Um dos maiores nomes do vôlei na história, Giba participou de 3 Olimpíadas. Em 2004, conquistou medalha de ouro em Atenas. Já em 2008, em Pequim, e 2012, em Londres, levou a medalha de prata.


Outros nomes:
Bernard Rajzman
Bernardinho

16. Guga
Gustavo Kuerten é considerado o maior tenista da história do Brasil e um dos maiores da história mundial desse esporte. Guga participou das Olimpíadas de Sidney e de Atenas.






Outro nome:
Maria Esther Bueno

17. Tiago Camilo
Medalhista olímpico de prata com apenas 18 anos, nos Jogos de Sydney, Tiago Camilo repetiu o feito em 2008, nos Jogos de Pequim, dessa vez conquistando a medalha de bronze.



Outros nomes:

Lembrando que os posts serão publicados durante o mês de fevereiro. O próximo apresentará todas as novidades sobre os Jogos Olímpicos 2016, que serão realizados no Rio de Janeiro. Até lá!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…