Pular para o conteúdo principal

Colégios criam aulões e acabam com as disciplinas






















Escolas acabam com o ensino dividido por matérias. Como agora não vai mais ter matemática, português, química? Na verdade, estamos falando de uma evolução da interdisciplinaridade que já discutimos aqui no Brasil há muito tempo, ou seja, a relação entre as disciplinas. Por esse conceito, um tema não fica delimitado ao ensino das matérias, mas interage com visões complementares ou mesmo divergentes sob o ponto de vista de outras ciências.

Só que agora a experiência fica ainda mais radical. Falamos da transdisciplinaridade, ou seja, o fim da divisão tradicional do conteúdo. Não é à toa que o pioneirismo vem da Finlândia, considerada a melhor educação do mundo.

O tema gerou tanta polêmica, que rapidamente as autoridades educacionais daquele país emitiram uma nota contestando o tradicional jornal “The Independente”, corrigindo alguns pontos, entre eles o de que essa reforma educacional abrangeria de imediato todos os colégios e ocorreria em todas as séries.

Porém, essa queda do muro divisório dos conteúdos já é uma realidade em escolas da capital Helsinki, experiência que, agora, vai sendo expandida de forma mais gradativa. Aos poucos as Matérias vão sendo substituídas por Fenômenos que envolvem conceitos múltiplos na mesma aula.

Trazendo o exemplo aqui para o Brasil, é como se a Educação Física não ficasse restrita às práticas esportivas. Durante as aulas seriam passados conceitos de Meio Ambiente (sobre os lugares de prática), Biologia (o bem-estar causado), Anatomia (as mudanças musculares no atleta), Física (com fórmulas de cálculo de tempo de deslocamento), Matemática (a conta dos passos baseadas em medidas da quadra), História (sobre o início dessa prática), Geografia (a respeito dos fenômenos geográficos da área em que se encontra o campo ou a quadra), e por aí vai…

Viram, não é tão complicado assim. Aqui no Brasil já existem experiências isoladas nesse sentido por escolas que buscam um modelo alternativo. No entanto, esbarram na legislação e, na hora do lançamento de notas, têm que recorrer à tradicional divisão por matérias.

Na verdade o bicho de sete cabeças é a mudança de paradigma. Quem daria essa aula? O professor de educação física, de ciências, de física, de história, de geografia, de matemática, de ecologia ou outro?

E se for um só? Quem se sentiria confortável em abordar todos esses assuntos tão diversos? Entram como complicador ainda as questões trabalhistas com mudanças de leis, legislação e negociações sindicais. Certamente esbarrariam em especulações sobre o aumento da carga de trabalho, falta de qualificação e se as medidas não estariam sendo tomadas com a intenção de demitir professores.

Essas dúvidas que vêm imediatamente à nossa cabeça também foram questionadas pelos colegas finlandeses. Afinal, nós professores, independente da nacionalidade, passamos as nossas vidas nos especializando para ensinarmos matérias específicas e agora nos dizem o contrário?

Lá foi resolvido com treinamentos para essa nova abordagem acompanhados de incentivos financeiros a quem aderisse. Conclusão: cerca de 70% dos professores da capital já ensinam sob essa nova ótica. Mas nem temos como comparar o peso da educação nas políticas públicas da Finlândia com o dado que temos no Brasil.

A verdade é que, embora aquele seja um país progressista no campo do ensino, diga-se de passagem com invejáveis resultados, o que move mesmo a mudança no conceito estabelecido é a concorrência que a escola tradicional sofre da internet e das mídias sociais, espaços altamente transdisciplinares, que não respeitam nenhum tipo de fronteira ou limitação de tempo ou espaço.

Fatores estes que forçam os colégios a terem que encontrar novas formas que alterem os rumos dos já enraizados modelos, sob pena, se não se moverem neste sentido, de aumentar ainda mais o abismo entre o aprendizado oficial e o informal. Por sinal, essa é uma das razões apontadas por estudiosos para aspectos como o agravamento das evasões, a queda no desempenho e a falta de interesse que os alunos atuais demonstram.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…