Pular para o conteúdo principal

Entre perseguições e degredos, povo cigano deixou sua contribuição para a formação da cultura brasileira

A pintura que ilustra a postagem, de autoria de Debret, é intitulada “Interior de casa cigana”, de 1820
Muitas pessoas, habituadas a ver grupos ciganos como figuras misteriosas ou exóticas, sequer imaginam que esse povo originário provavelmente da Índia participa da vida brasileira desde os primeiros tempos da colonização. Isso porque muitos ciganos que viviam na península Ibérica seriam mandados para as terras da América, a partir de 1560 ou 70, seja por degredo ou interessados em que esse povo de cultura predominantemente nômade se espalhasse pelo país, promovendo a ocupação do território e aumentando a população da colônia.

Nos séculos seguintes essas migrações continuariam ocorrendo e a presença de ciganos começaria a se notabilizar já na Bahia do século XVII, então a região mais rica e importante da colônia brasileira. Menos de cem anos depois muitos grupos iniciariam uma importante migração em direção ao Sudeste, principalmente atraídos pelo Ciclo do Ouro das Minas Gerais, já que tradicionalmente grupos ciganos se ocupavam de atividades como a caldeiraria, produzindo objetos como correntes e bijuterias, além, é claro, de poderem tentar na promissora atividade de mineração atingir o enriquecimento. A grande circulação de ciganos pelo território do Brasil colonial também ocorreu devido a muitos degredos internos. É que, persistindo na América a visão negativa que sobre eles pesava na Europa, frequentemente ficavam associados a desordens públicas ou crimes, o que lhes ocasionariam algumas punições, como a condenação a viver em áreas tidas como selvagens ou inóspitas na época, como a Amazônia e as terras do atual Centro-Oeste brasileiro.

Um dos momentos mais marcantes para a cultura cigana no Brasil foi a chegada de um grupo junto com a família real de Portugal no início do século XIX. Alguns historiadores fazem menção a uma certa simpatia de Dom João por esse povo, principalmente pela alegria que proporcionavam devido a seus costumes muito fincados em festas, danças, músicas e celebrações de felicidade. No Rio de Janeiro, capital brasileira de então, acabariam por estabelecer algumas raízes relevantes e se destacarem no cotidiano da cidade. Inicialmente os ciganos se instalariam em áreas desvalorizadas do centro da capital por serem formadas por terrenos pantanosos ou charcos, que por isso eram desprezados pelos proprietários. Um desses locais se tornaria bastante conhecido algumas décadas mais tarde. O “campo dos ciganos” anos mais tarde ficaria conhecido como “Campo de Santana” e seria palco da Proclamação da República. Nas ruas próximas a esse local, muitos ciganos moravam e agitavam as noites regadas a muito vinho, música e danças. Não tardou para que esses locais fossem procurados por todo tipo de gente interessada em bebida e diversão, pois muitos bordéis e botequins passariam com o tempo a funcionar nessa região, que destoava de outras localidades em geral muito carolas e tradicionais. A cultura da boemia carioca tinha assim seu início nas áreas de grande concentração de ciganos, que eram também conhecidos por “raça boêmia”, em virtude de muitos grupos habitarem e serem provenientes dessa região da atual República Tcheca.

Muitos ciganos conseguiriam enriquecer durante o período posterior à chegada da corte portuguesa, sendo a atividade do tráfico de escravos uma das que mais propiciariam essa ascensão social de alguns indivíduos de origem cigana. A pele amorenada, em geral um empecilho para as oportunidades no Brasil daquele período, em grande parte das vezes não era problema para os ciganos, pois muitos dos que chegavam da Europa eram brancos, resultante de cruzamento de ciganos tradicionais com caucasianos, já que ser cigano não é algo que dependa do sangue ou da raça, bastando adotar os costumes desse povo para ser aceito entre eles.

Outros indivíduos de origem cigana conseguiriam viver em condições relativamente dignas, destoando da maioria de seus irmãos, que, sempre muito perseguidos, viviam quase sempre em situação de vida precária. A atividade de meirinho, que corresponde mais ou menos ao que hoje entendemos por “oficiais de justiça”, acabou sendo muito praticada por ciganos. Num tempo em que muito dificilmente alguém desse povo conseguiria uma vaga num dos disputadíssimos postos de trabalho do funcionalismo público, a carreira de meirinho acabava sendo a porta de entrada para muitos ciganos. Primeiro, porque essa era considerada uma atividade muito mal vista pela população, pois a esses funcionários cabia executar atividades muito impopulares como anunciar decretos de prisão ou cumprir decretos de autoridades que determinavam confisco de bens. Assim, em geral ninguém se importava com o fato de essa função pública ser realizada por um cigano. Pra completar, tratava-se de um cargo vitalício, que era herdado pelos descendentes, o que colaboraria para criar uma verdadeira dinastia cigana nesse ramo do funcionalismo. Mas a maioria dos indivíduos de origem cigana vivia em situação de grande penúria social no Brasil, muitas vezes porque só conseguiam viver em paz, escapando a perseguições, em áreas muito afastadas dos grandes centros, o que explica a grande incidência de ciganos na região Nordeste. Na cidade de Sousa, por exemplo, em pleno sertão paraibano, está instalada uma das maiores comunidades ciganas do país, estimada em mais de duzentas famílias.

Só recentemente a situação dos ciganos no Brasil começou a receber reconhecimento por parte das políticas de estado. A constituição promulgada em 1888 consagrou ou ciganos como uma das minorias étnicas do país e, a partir de 2002, começaram a se beneficiar com direitos de cidadania conferidos a toda a população brasileira. Suas tradições também tiveram reconhecimento, com a instituição do Dia Nacional do Cigano no dia 24 de maio, quando esse povo celebra sua padroeira, Santa Sara Kali. É verdade que entre nós a imagem negativa que a eles foi relegada através dos tempos, principalmente de sua instalação no continente europeu, não deixaria de existir, mas algumas manifestações importantes, como a popularidade de grupos dedicados a danças e músicas ciganas e a ocorrência de personagens desse povo em livros e novelas são sinais de que suas contribuições estão entre aquelas legitimadas pela maioria do povo brasileiro.

Se você gostou desse texto, curta a página: facebook.com/arteseletras2016


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…