Pular para o conteúdo principal

Primeira Infância: um conto da realidade brasileira



















Foram mais de sete horas refletindo e ouvindo as mais diversas opiniões e experiências acerca da Educação infantil e, sobretudo, da necessidade de universalização desse segmento em prol da qualidade, como garantia de uma base segura no desenvolvimento da primeira infância e nos resultados no rendimento escolar. Esse foi o cenário do seminário “Educação 360 Infância”, realizado em junho, com o apoio da TV Globo e do Canal Futura.

Na abertura do evento, a Chefe da Divisão de Educação do BID, em Washington, Emiliana Vegas atestou que os investimentos realizados na primeira infância devem ser o centro da estratégia de desenvolvimento de um país. Segundo Vegas, a parceria entre o ambiente familiar e atores do Governo federal, estadual e municipal é a base de um dos principais vieses para se chegar a bons resultados no desenvolvimento cognitivo e social na vida da criança de hoje e do adulto de amanhã.

Mas o que fazer quando nos deparamos com uma realidade brasileira em que apenas 10% das creches do país tem um padrão considerado bom e mais de 50% são tidas como de qualidade inadequada? “Podemos melhorar, selecionando bem os nossos profissionais; treinando melhor os mais novos; pagar melhor dependendo do desempenho que têm. E, por final, ter um sistema em que se precisar demita os professores ruins”, garantiu Vegas ao acrescentar que o olhar daquilo que está acontecendo em sala de aula é um fator determinante nessa busca qualitativa. “Não apenas avaliar o comportamento, mas também se a criança está confortável em seu aprendizado, medir como elas estão aprendendo para que se possa a partir dali alavancar subsídios para uma futura avaliação e acompanhamento de onde se pode melhorar”.

Já Daniel Santos, Professor Doutor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, questionou o ganho de quem faz a pré-escola versus aqueles que não a frequentam, ao falar que a educação infantil amplifica, em vez de diminuir, a lacuna da desigualdade social entre pobres e ricos. “Se os vulneráveis e os não vulneráveis se matriculassem na mesma creche, na mesma proporção o índice de desvio de padrão cairia em até 18%”. Essa responsabilidade, segundo Daniel, está também na qualidade das creches, no trabalho de formação e, sobretudo, na constante rotatividade que serve como barreira para o alicerçamento do vínculo necessário na Educação infantil.

“Crianças deveriam entrar nas creches a partir de 1 ano de vida”. Essa afirmativa feita pela Diretora Global de Educação Mundial e ex-secretária Municipal de Educação Claudia Costin trouxe à tona questionamentos não tão atuais sobre os desafios da Educação Infantil no Brasil. Para ela, precisa-se de uma política pedagógica clara, objetiva para as crianças da primeira infância.

Isto significa, segundo Costin, universalizar esse currículo e avaliar o desenvolvimento dos bebês numa visão integrada de saúde e educação, com detecção precoce de indicadores de autismo, por exemplo, feita até 2 anos de idade. “Um outro aspecto preponderante é capacitar os profissionais da Educação Infantil, uma vez que uma educação de qualidade custa caro”, disse a diretora lembrando que o professor tem que ser bem pago, não apenas por uma questão social, mas para atrair talentos.

Em sua fala o ex-secretário de educação do Ceará, Maurício de Holanda, afirmou que o desenvolvimento infantil, em especial das crianças de 0 a 3 anos, é uma grande oportunidade para rompermos o círculo da exclusão, empoderar famílias e agentes comunitários. Essa mesma visão foi compartilhada por Julia Ribeiro, da Unicef, que também acredita no fortalecimento dos municípios e gestores para mudar essa realidade atual da exclusão escolar no Brasil. “Atualmente são mais de 3 milhões de crianças e adolescentes fora da escola, com grande número de negros e indígenas, famílias de baixa renda e que vivem em zonas rurais. Qualidade é condição para a universalização do acesso”, garantiu Julia.

César Callegari, do Sesi-SP, também justificou seu discurso em prol de uma educação de qualidade destacando que não há educação de qualidade sem considerá-la prioridade em investimento. “Pois em um país em que 50% das crianças não estão alfabetizadas tem alguma coisa errada”, frisou Callegari em consonância com Larry Schweinhart, ao frisar que é possível produzir alunos melhores no início de suas vidas, com reflexo a longo prazo.

A sensação absorvida ao final do evento foi a de que, mesmo com 89% das crianças de 4 e 5 anos atendidas, segundo números mostrados pelos participantes, a meta de universalização da Pré-escola até 2016 ainda se mostra uma realidade distante para o país. Principalmente quando traduzimos em números essa porcentagem restante de 11%, ou seja, mais de 690 mil crianças não atendidas na pré-escola em diferentes situações regionais. Se a situação delas na faixa etária de 4 e 5 anos não é nada confortável, imagine a situação dos pequenos de 0 a 3 anos, em que apenas 30% conseguiram uma vaga em uma creche pública este ano.

A conclusão extraída dos números nos mostra que estamos cada vez mais longe de cumprir a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) e quiçá conquistar a garantia da universalização desse segmento em prol da qualidade no desenvolvimento da primeira infância e nos resultados do rendimento escolar. Mas continuamos acreditando sempre, pois educação é um direito de todos!

Por: Antônia Lúcia Figueiredo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custo Para os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…