Pular para o conteúdo principal

São João e as fogueiras do Brasil

João, o batizador de Jesus, segundo a tradição cristã, é uma das figuras mais presentes e referenciais da cristandade. Mais do que o santo católico e, para os brasileiros, um dos santos juninos, trata-se de um personagem relacionado a uma série de outras tradições e realidades culturais. Criado sob a influência da intensa religiosidade praticada pelos pais, João não demorou a se inclinar para as questões de natureza mística, sendo levado ao nazirato, costume típico de famílias religiosas judaicas, que colocavam seus filhos para fazer votos que lhes predispunham a práticas ascéticas. Superficialmente falando, os nazireus eram caracterizados pela barba (quando havia) e pelos cabelos cumpridos, e ainda por hábitos como a abstenção de bebidas alcoólicas e a proibição de tocar em cadáveres, sendo a partir de toda a disciplina introduzidos em conceitos e problemáticas religiosas de nível mais elevado, aproximando-se assim das atividades sacerdotais e rabínicas. Esses ascetas vinham de linhas filosóficas diversas, de modo que João, não demorando a entrosar-se com outros religiosos, pôde desfrutar de um considerável acervo de visões, o que provavelmente influiu em sua busca pessoal. Alguns historiadores de João trabalham com a hipótese de que ele teria exercido a tarefa de mestre, já que há registros de que tinha discípulos que o seguiam costumeiramente, recebendo e vivenciando ensinamentos. Certas tradições afirmam inclusive que André e João, o Evangelista, dois dos discípulos diretos do Cristo, eram antes seguidores de João.

Já como São João Batista é cultuado desde os primeiros anos da cristandade, afinal, ao longo dos Evangelhos canônicos, ele aparece sempre muito bem referenciado, a começar pelo próprio Cristo, que não lhe poupa boas indicações, sendo muito conhecida no discurso cristão a frase “Entre os nascidos de mulher, não há maior profeta que João Batista” (Lucas, 7:28). Como o profeta desde o início afirmou a titularidade do Messias, enfatizando sempre que diante dele era alguém sem importância, os seus admiradores naturalmente passaram a ser seguidores de Jesus, de modo que os chamados cristãos primitivos levaram, desde cedo, a imagem de João Batista com uma grande referência. Assim, desde as mais primitivas manifestações de cultura cristã a figura de João se faz presente. Evidências sugerem que, ainda em período anterior à ocupação árabe na Europa, o profeta já era cultuado. Aliás, aí a devoção a São João teria se firmado a partir da uma influência cristã em certas celebrações religiosas muito antigas, com registro já em tempos pré-cristãos, que reverenciava os solstícios. A Idade Média, período em que a temática religiosa ocupa um grande espaço na sociedade europeia, é extremamente rica em referências a São João. Pródiga também nas expansões do imaginário, ganha destaque a singular figura do rei Preste João, nos séculos XII e XIII, cuja existência flutua entre o mito, as lendas medievais e a religiosidade cristã. Teria sido um monarca que governava um reino localizado no continente africano, convertido ao cristianismo, sendo portanto opositor do islamismo que naquele período dominava a região. O fato de manter-se cristão num momento de grande poder militar dos muçulmanos atestava a força desse reino, o que teria chamado a atenção de outros monarcas cristãos que, inconformados com aquela situação, articulavam com o Papa Eugenio III a possibilidade de que fosse organizada uma nova cruzada para que a tradição cristã não ficasse submetida ao inimigo islâmico.
"O batismo de Cristo (1505)", do italiano Pietro Perugino (1445 - 1523)

As notícias desse reino e de seu monarca chegam à Europa, e junto com elas uma suposta carta em que o rei se oferecia para colocar o seu poder a favor das empreitadas cruzadas. Dentro desse enredo figura a lenda ou mito da árvore da vida que, segundo se cria, ficava a poucos metros do paraíso, em local de difícil acesso porque era vigiada por um ser quimérico representado por uma enorme serpente de duas asas e nove cabeças. São João entra nessa história porque o dia a ele consagrado era o único período em que a serpente descuidava de seu objeto de guarda, quando então era possível recolher da árvore um bálsamo, com o qual se obtinha um óleo milagroso, um passaporte para o paraíso. Mesmo tratando-se obviamente de uma lenda, a história, no entender de estudiosos da cultura medieval, revela uma profunda veneração pela figura de São João, pois ele é apontado como um símbolo de força e combatividade, contra o qual nem mesmo a vigorosa e temida serpente poderia ir. Outra referência religiosa medieval, os templários eram conhecidos também como “cavaleiros solares” e, pelo seu ofício de cavalaria, acabavam se relacionando ao deus de duas faces romano Janus, uma entidade pagã que, no sincretismo que a Igreja Católica vem a promover, acaba se identificando com os “santos joões”, os dois santos de nome João.

Ao avançar sobre povos de cultura pagã, a doutrina cristã encontrou cultos antigos, bem sedimentados em celebrações de grande cunho popular. Uma dessas festividades ocorria durante o solstício de verão na Europa, que acontece em torno do dia 23 de junho (o dia em que se honra São João é o 24). Vale dizer que nada há na biografia do santo que remeta a essa data, o que significa que a data da festa pagã é que foi determinante para que se esboçasse a forma cristã de celebrá-lo. O significado místico da celebração seria que, durante o solstício, o sol se posiciona na maior distância angular em relação ao globo terrestre, isto é, sua declinação é a maior possível, e isso era objeto de importante culto para os antigos. Na festividade as pessoas acendiam grandes fogueiras, o que faz com que a festa se enquadre na categoria dos cultos antigos relacionados ao fogo. Em torno dessas fogueiras eram entoados cânticos e os participantes a rodeavam enquanto cantavam. Havia também um costume de saltar sobre as fogueiras que, segundo diziam, conferia a quem o praticasse maior proteção contra doenças e outros males. As atividades divinatórias, muito valorizadas nas culturas antigas, também eram praticadas, com os participantes do culto aproveitando a suposta presença de seus deuses de devoção – em especial Apolo, o deus da mântica ou artes de adivinhação – para conhecer seu futuro. Até aí a coincidência não é uma mera semelhança com as práticas da festa brasileira de São João. O culto ao solstício ou o Solis Invictus, muito praticado por gregos, egípcios e romanos, recebe então um tom cristão e é o símbolo de força e combatividade de São João que vai representar essa antiga celebração.

O Islamismo também reserva a João uma posição importante. Primeiramente porque, sendo uma das chamadas três grandes religiões monoteístas (a mais recente delas), as tradições hebraica e cristã formam a sua base histórica. Dessa forma, João, sendo considerado o último dos grandes profetas judeus, figura no rol dos maiores enviados por Allah, sendo chamado de Yahya. Inclusive ainda hoje, na mesquita de Omeya, na Síria, uma das mais importantes do mundo muçulmano, persiste uma interessante relação com João Batista. Isso porque o templo, que tem cerca de três milênios, já pertenceu e serviu a inúmeras fases históricas e religiosas. Foi construído pelo povo arameu, serviu de templo pagão dedicado a Júpiter, catedral bizantina em honra a São João, passando então para o domínio muçulmano sendo transformado em mesquita. Do período em que pertenceu à Igreja Católica resta ainda justamente o túmulo de São João onde, segundo afirmam certas tradições, estaria sepultada a cabeça do santo, sua principal relíquia. Outra expressão religiosa onde São João aparece com grande destaque é na pouco conhecida e misteriosa seita chamada Mandeísmo. Muitas e variadas são as hipóteses que os historiadores levantaram para explicar o passado dessa minoria, que vive espalhada em pequenas comunidades, em várias partes do continente asiático, principalmente no Iraque, onde se encontram em razoável número. Dentre as hipóteses há a ideia de que já existiam em período pré-cristão, sendo ligados a grupos judaicos ou siríacos. Há historiadores que afirmam a origem do culto justamente entre os seguidores diretos de João, numa crença que chega ao ponto de negar a própria supremacia do Cristo, acreditando que a orientação maior se detém em João. Cultuado como um dos santos mais populares do Brasil traz consigo um vasto acervo de cultura, religiosidade, lenda e história, que de algum modo fica impresso na alma do povo e se atualiza a cada celebração, mesmo que a riqueza do personagem escape à percepção da maior parte das pessoas.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …