Pular para o conteúdo principal

A Escola do Futuro


É possível imaginar a escola do futuro ao pensarmos na que temos nos dias atuais? Essa foi uma das primeiras indagações do palestrante António Nóvoa no Congresso Internacional de Educação de Gramado, realizado no Rio Grande do Sul: “A escola tem futuro sim, mas não será essa que vemos nos dias de hoje”, afirma o educador, ao explicar que o que nós, hoje, chamamos de escola é uma instituição centenária do ponto de vista dos encaminhamentos e da pedagogia, e que praticamente se manteve inalterada até os dias atuais. E, para contar a história da escola, ele recorre ao objeto que, simbolicamente, melhor a caracteriza: o “quadro-negro” ou, para nós do Brasil, o quadro verde. Pois, segundo o catedrático, com esse elemento surgem também as escolas “Normais”, de formação dos professores, dedicadas a “normalizar” a didática, a sala de aula, as turmas, os horários e a progressão dos estudos.
Ele aponta que as escolas Normais conduziram enormes avanços no século XX, mas para o XXI, para hoje, necessitamos de outro tipo de instituição, nós precisamos é da “Desnormalização”. “Devemos romper com a estrutura excessivamente rígida e normalizada da pedagogia, dos horários, do espaço, das aprendizagens e, por isso, carecemos de um novo tipo de escola”, ressaltou. Para descobri-la, Nóvoa sugere a transição da metáfora do quadro-negro para uma outra, a do “Tablet”. Ele defende que a escolha dessa figura de linguagem não se dá por razões tecnológicas, mas pela maneira como hoje as tecnologias estão mudando a nossa forma de pensar, nesse momento de revolução digital.
No lugar em que havia uma estrutura vazia do quadro-negro, temos agora (com o tablet) uma outra cheia de todos os conhecimentos do mundo, sejam bons ou maus, ao alcance de um toque da nossa mão. Onde havia um objeto de estrutura de comunicação vertical, dispomos hoje de materiais que dão suporte a uma comunicação horizontal, com grande capacidade de abrangência. Em sala de aula o aluno pode se comunicar com os pares e pessoas fora daquele ambiente, constituindo uma relação horizontal. Onde havia uma estrutura fixa, temos por definição uma realidade móvel, e esses objetos andam conosco, colados ao corpo, à pele, enfatiza Nóvoa, esclarecendo que, quando se observam essas transposições que vão de uma estrutura de dentro para fora, do individual para o coletivo, conseguimos entender o que são as mudanças estruturais da escola. E são essas transformações que vão trazer uma nova realidade no interior do trabalho dos professores.
Segundo António Nóvoa, as variações ocorrerão, terão que acontecer, é um caminho sem volta. “Nas próximas décadas, as estruturas mudarão a escola, a arrumação dos alunos num determinado espaço terá que se alterar substancialmente e é para essa nova realidade que os professores terão que estar preparados”, completa o especialista lembrando que essa mutação já é observada em algumas escolas no Brasil, em Portugal e mundo a fora. Não é, portanto, mero discurso utópico, mas sim uma realidade.
E na sua escola, o que já vem mudando? Deixe o seu comentário aqui.
Até a próxima semana!


Comentários

  1. Muito bom e esclarecedor.

    ResponderExcluir
  2. Nossa excelente texto e reflexão .

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! Nós, nas salas de aula, já sentimos essa dificuldade há algum tempo. O que precisamos é que os gerenciadores do sistema percebam e invistam numa estrutura pertinente.Tantas escolas funcionando sem as mínimas condições, mesmo das mais obsoletas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, as suas observações são muito pertinentes.

      Excluir
  4. Compreendemos, profa turqueza, a questão é séria e demanda investimento e criatividade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…