Pular para o conteúdo principal

A renovação das escolas e da pedagogia






























Existem determinados lugares no mundo em que essa transição está em curso, e por isso essa reflexão é tão necessária. Não é fácil, certamente não é, porém vai levar menos tempo do que imaginamos para ocorrer. Um novo tipo de educação escolar vai ser implementada e concretizada (Nóvoa acredita em algo em torno de 20 a 25 anos para que seja concretizada). Ele diz que isso acontecerá, certamente, por uma simples razão: porque as mudanças não vão vir de cima, de uma lei, de uma reforma, de uma teoria pedagógica, mas de nossos alunos, isto é, vão ser exigidas pelos nossos estudantes, será reivindicada por eles, essa nova geração que vai obrigar professores e escolas a mudar suas formas de trabalhar. Sim, será uma revolução que não tem paralelo com nada que conhecemos em 200 anos de história. Nóvoa citou o filósofo francês Michel Serres, que aponta que essa revolução é grandiosa e que só temos uma parecida com ela, aquela que ocorreu há 500 anos, a revolução que aconteceu com a invenção do livro... “Se não compreendermos a necessidade dessa mudança, a escola, e sobretudo a escola pública, vai ficar cada vez mais desgastada, cada vez menos prestigiada, cada vez menos capaz de atender aos desafios do século XXI”, afirma o mestre em educação.

Essa mudança já é notada nas elites. Nos EUA já há três milhões de crianças que não vão à escola, porque os seus pais entendem que as instituições não dão conta da educação e que há outras maneiras de poder educar as crianças sem ter que ir à escola.

Aqui no Brasil, em maio de 2016, Nóvoa acompanhou um relatório apresentado em uma Conferência no Rio de Janeiro, que informou que a educação domiciliar já aumentou no Brasil, nos últimos cinco anos, 985%. O que quer dizer que muitas pessoas começam a achar que a escola não dá conta e que há outras maneiras de propiciar educação às crianças, através das tecnologias e processos diversos e que a escola atual pode se tornar uma instituição dispensável.

“Nós precisamos de um profundo movimento para a renovação das escolas e da pedagogia. Isso já vem ocorrendo em muitas das nossas instituições, já existem milhares de professores em todo o mundo. Por isso, nós temos que ser capazes, também, mesmo com todas as dificuldades salariais, falta de infraestrutura nas escolas e tantos outros percalços, de ir caminhando no sentido dessa mudança”, ressalta Nóvoa.

E a pergunta feita pelo educador foi: os professores têm futuro? E a resposta: sim! Eles continuarão a ser uma profissão extraordinariamente importante, mas terão que perceber as transformações radicais que acontecerão no trabalho docente.

Para traduzir tais mudanças, de maneira muito simples, Nóvoa recorreu à imagem do tablet, para explicar quatro pontos importantes dessa questão:

1) A relação com o conhecimento – que é o estruturante dentro de uma escola – muda depois da presença do digital, e o tablet reflete isso. Porque interfere na relação do professor com o conhecimento.

2) Também muda a pedagogia, que deixa de ser vertical e passa a dar lugar a um processo horizontal, interativo, muito mais da relação do que da transmissão de um determinado tipo de conhecimento.

3) Quando falamos de mobilidade, percebemos que as formas de aprender estão mudando e muito nas escolas.

4) E, por fim, percebemos que hoje a educação se faz dentro e fora do espaço da escola; entendemos as mudanças muito significativas que estão acontecendo no interior do espaço escolar.

Dessa forma, o trabalho docente muda radicalmente, e o professor precisará atuar de outra maneira, mantendo outro tipo de relação com o seu trabalho, dentro da escola.

Nóvoa ressalta ainda, sobre os quatro pontos apresentados sobre a metáfora do tablet, que:

1) Conhecimento – Está constatado que durante muitas décadas o acesso ao conhecimento foi feito por meio do professor. Ele transmitia. A partir de agora não será mais assim, pois os alunos terão como chegar direto nas informações, por meio do digital. Por vezes, os estudantes já têm mais acesso a isso do que os próprios professores.  

Portanto, agora o papel do docente não será mais transmitir conhecimentos, e sim atuar como um organizador da informação, que ajudará os alunos a construir a sua própria compreensão, para darem sentido a esse conhecimento. Caberá ao professor conduzi-los à pesquisa, dar orientação clara, promover trabalhos em grupo. Desta forma, ele vai organizando, dando sentido às atividades, o que é muito diferente de estar numa sala de aula, com um quadro-negro “dando” informação, sem parar. Sua tarefa agora é disponibilizar as formas de acesso ao conhecimento e não mais ministrar conteúdo.


2) Na pedagogia essa mudança se dá de uma pedagogia frontal (de um professor para um grupo de alunos “normalizados”, ensinados simultaneamente, tratando todos da mesma maneira) para uma pedagogia que valoriza as relações, não só entre professores e alunos, mas todas as ligações que existem no espaço da sala de aula: entre alunos, alunos e professores, entre diversos tipos de alunos, entre diversos grupos, uma pedagogia cooperativa. Nóvoa salienta que os estudantes aprendem mais uns com os outros do que com professores (experiência da escola de Medicina de Harvard), sendo essa a base da pedagogia da cooperação.

3) Na aprendizagem a mudança ocorre não mais por meio do ensino imóvel, aquele fechado no espaço da sala de aula, mas vai se realizar numa diversidade de lugares e processos de aprendizagem individualizados e em grupo. Assim, a paisagem, o retrato da sala de aula não será mais o de 30 ou 45 alunos sentados, mas quatro a cinco alunos num lado atuando em grupo, do outro lado outros cinco trabalhando individualmente, outros em outros espaços, de maneira que a escola se torna um local de enorme diversidade de lugares e processos de aprendizagem. O dia a dia do estudante não vai ser feito de “aulas dadas” e sim de um conjunto de atividades (em grupo, pesquisa, individual), muito mais do que de lições estruturadas como vemos ainda hoje.

4) E, sobre a mudança do espaço educativo, ele afirma que a escola vai evoluir do modelo de prédio escolar, fechado, para um conjunto de lógicas de educação no espaço social (em alguns casos presenciais e, em outros, virtuais).


O palestrante cita que um estudioso que na opinião dele melhor intuiu isso foi Ivan Illich, que escreveu o livro “Sociedade sem escolas”, em que dizia que nós tínhamos trazido as crianças para dentro da escola, mas que agora esta iria se desmaterializar e criar situações de maior capilaridade educativa com a sociedade. De certo modo dizia que a educação iria continuar acontecendo nas escolas, mas não só nelas. Que essa permeabilidade com os espaços sociais seria grande, fluida e informal e geraria boas formas de aprendizagem.


Comentários

  1. Tema muito interessante e abordagem muito coesa. Gostei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela participação. Terça-feira, dia 16/08, teremos mais sobre as ideias de Nóvoa.

      Excluir
  2. Boa reflexão e análise.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu a participação, Mylene. Terça-feira, dia 16/08, teremos mais sobre as ideias de Nóvoa.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A todos que estão postando comentários, nosso muito obrigada!

      Excluir
  4. António Nóvoa, quanta clareza em suas exposições, excelente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela participação. Terça-feira, dia 16/08, teremos mais sobre as ideias de Nóvoa.

      Excluir
  5. Viva o futuro!!! Parabéns Professora Andréa pelo excelente texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata, na próxima terça teremos mais... Abraços.

      Excluir
  6. Amo a Pedagogia que vai para além dos muros das escolas! Parabéns Andréa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Leilane. Muito bom poder ter a sua participação. Valeu!

      Excluir
  7. Fantástico ao visualizar o desenvolvimento próximo futuro da escola. Não tem como negar que essa evolução se faz necessário, diante do avanço tecnológico inserido no mundo das crianças,a Escola também não tem como ficar fora disso. Como será o amanhã? Ótima matéria. Gostei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Fernanda. Ter a participação de uma administradora de excelência, só nos engrandece. Valeu!

      Excluir
  8. Amo a Pedagogia que vai para além dos muros das escolas! Parabéns Andréa!

    ResponderExcluir
  9. Maravilha de texto! Atual, competente e abordando elementos fundamentais da pedagogia atual.

    Parabensss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deise Bautzer, demais poder contar com a sua participação!A Ninja do Marketing e da Inovação!Valeu!

      Excluir
  10. Tudo pela educação!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, estamos juntos por essa causa! Abraços. Valeu a participação.

      Excluir
  11. Excelente texto, muito pertinente e coeso. Espero que esse futuro não demore muito a chegar, a transição é que me preocupa,, como fica essa geração?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela participação. Seu questionamento é muito importante...Em transições, uns perdem, outros ganham, mas nunca perde quem tem pais antenados, que vão participar e provocar, desde já a reflexão nas escolas dos pequeninos... Por outro lado, aqueles que não tem essa clareza, até por falta de oportunidades (ninguém dá o que não tem) vão sofrer sim...Muito triste.

      Excluir
  12. Respostas
    1. Obrigada, Liliane, sua participação valeu! Abraços

      Excluir
  13. Muito bom o texto.
    É importante acompanhar o ritmo das novas gerações... Com todas as inovações tecnológicas é essencial que a educação continue evoluindo e inovando também.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom o texto.
    É importante acompanhar o ritmo das novas gerações... Com todas as inovações tecnológicas é essencial que a educação continue evoluindo e inovando também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Renata, pela participação.Valeu!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  15. Excelente texto, muito elucidativo e importante, mais do que tudo. Andréa apresenta informações fundamentais para reflexão, discussão e principalmente providências relacionadas ao ensino.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edson Zogbi, muito obrigada pela participação, pelas observações.Abraço grande!

      Excluir
    2. Edson Zogbi, muito obrigada pela participação, pelas observações.Abraço grande!

      Excluir
  16. É uma abordagem bastante interessante. A metáfora do tablet reflete uma realidade ainda pouco discutida. A velocidade de informações que chega aos alunos através dos recursos tecnológicos é muito grande e o professor será de extrema importância para direcionar estas informações a fim de que esse volume de informações não se tornem um conhecimento superficial. Ótima reflexão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Flávio. Suas ponderações são muito pertinentes.

      Excluir
  17. Gostei muito do texto,bela reflexão .
    O papel do educador só mudará de forma,talvez guiando no caminho do conhecimento,e incentivando a novas descobertas,ainda sendo o mediador e grande aliado do aluno.��������

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Participáção muito sábia, Michelle. Obfigafa. Abs😉

      Excluir
    2. Participáção muito sábia, Michelle. Obfigafa. Abs😉

      Excluir
  18. Obrigada, Michelle. Sabias palavras👍👏👏👏

    ResponderExcluir
  19. Andréa, adorei o texto! Tema atual que nos leva a refletir como está a educação atual e como deve ser a educação do futuro. É importante deixar de lado a educação bancária e abrir espaço para diferentes métodos de interação, seja presencial ou não.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…