Pular para o conteúdo principal

Os antigos creram nas bruxas

"O Sabá das Bruxas", de 1798, do pintor espanhol Francisco de Goya. 

As bruxas em geral são conhecidas como personagens típicos da Era Medieval, quando protagonizaram os casos mais incríveis de acusações e foram presença constante nos ritos de condenação às fogueiras. Mas a ideia de mulheres amaldiçoadas, relacionadas a poderes mágicos e malignos, é muito anterior à Idade Média. Na mitologia e na cultura gregas, por exemplo, personagens como Medeia e Circe já aparecem relacionadas a possíveis dotes sobrenaturais, que podiam ser voltados para o mal. Na cultura romana, Diana, a guardiã dos bosques e dos animais, era associada a poderes misteriosos enquanto exercia sua influência sobre as lendárias mulheres amazonas. A própria cultura hebraica, base histórica das crenças cristãs, não deixou de registrar seus casos: o Velho Testamento mostra o rei Saul, numa de suas muitas crises de dúvida e indecisão, procurando uma feiticeira de nome Endor, mesmo sendo a consulta a esse tipo de intercâmbio com o sobrenatural considerada uma grave ofensa à lei de Moisés. E até na própria Europa crenças imemoriais sugerem já a existência do que mais tarde se conheceria genericamente como bruxaria, como é o caso dos “streghe” dos povos itálicos, criaturas a quem se atribuía a prática de ritos macabros, incluindo uso de objetos como caldeirões, por exemplo.

Apesar de associadas à cultura medieval, as bruxas curiosamente seriam mais perseguidas no período que, de modo geral, os historiadores situam como o final da Idade Média, o início da modernidade, entre as últimas décadas do século XV e as primeiras do XVI. Foi justamente num período de grandes transformações, que sugeriam uma guinada cultural a partir do estabelecimento de alguns cenários importantes, que os surtos de caças a mulheres tidas como praticantes de feitiçaria registrariam seus maiores e mais impressionantes números. Alguns autores relacionam isso a uma certa perplexidade das massas diante das muitas mudanças, como a ascensão da burguesia, as notícias de outras terras e principalmente as novas faces do discurso religioso, com o fortalecimento das igrejas reformadas. Essas transformações seriam responsáveis por guerras, surtos de fome e pestes, verdadeiras calamidades que levariam os indivíduos daqueles primeiros tempos de vida moderna a buscarem no passado possíveis causas e suas soluções. Daí a crença de muitos séculos nas bruxas e suas ações demoníacas ser trazida à tona como meio de reação aos males de uma nova ordem.

Assim, a elas e seus feitiços era atribuída culpa por acontecimentos que causavam grandes transtornos. De catástrofes ambientais e econômicas, como a perda de safras, por exemplo, até naufrágios e derrotas em guerra, tudo podia despertar surtos de perseguição, nos quais ocorriam muitas condenações, em geral de mulheres que eram tidas como misteriosas, feias, as mal faladas, e aquelas a que se atribuía hábitos sexuais considerados contrários à moral. Entre 1580 e 1599, por exemplo, a cidade francesa de Triers desencadeou uma brutal perseguição a mulheres suspeitas de bruxaria, depois que duas colheitas seguidas fracassaram. O clima de animosidade se espalhava de tal maneira, que pessoas acusadas não hesitavam em delatar – muitas vezes de forma mentirosa – outras pessoas, o que acabava gerando detenções em massa, quase sempre acompanhadas de tortura, das quais extraíam muitas confissões. O resultado desse processo insano era um verdadeiro festival de fogueiras por várias partes da Europa, configurando terríveis autos de fé, que aos poucos acabaram se tornando eventos de diversão para os que escapavam. Os números finais desse cenário são estimados em aproximadamente 100 mil processos, que teriam redundado em algo em torno de 60 mil pessoas que acabaram nas fogueiras. Um dado importante é que parte da imagem negativa que se tinha a respeito das bruxas vinha da identificação delas com judeus, um dos grupos que mais seriam perseguidos naquela época. Acreditava-se, por exemplo, que durante os Shabbats, uma das principais celebrações judaicas, as atividades das bruxas se intensificavam e elas então se reuniam para planejar ações demoníacas, para as quais raptavam crianças que eram oferecidas em banquetes onde também se praticavam orgias.

Aliás, a forte perseguição que também ocorria com judeus surpreendentemente colaboraria para diminuir a incidência dos surtos de caça às bruxas. Isso porque nos países da Península Ibérica, que funcionavam praticamente como quartéis-generais da Contrarreforma, a ânsia de combater os praticantes da religião de Moisés – vistos como hereges tanto quanto os protestantes – levava a uma menor preocupação com a influência das bruxas. Essa distância levaria a que, diante dos excessos cometidos no restante da Europa, a igreja resolvesse entrar na questão. Assim, foi criado o Tribunal de Inquisição, com o objetivo de controlar os processos acusatórios, determinar como tinham de ocorrer e garantir a defesa aos acusados. Uma das modificações mais importantes instituídas pelo tribunal seria a proibição de extrair confissões mediante torturas, sendo necessária, para se empregar esse nefasto meio, a autorização de autoridades eclesiásticas superiores, que só a forneciam em casos considerados extremos.

Um capítulo à parte na história desse período foi a publicação do livro “Malleus Maleficarum” (O martelo das bruxas) em 1486. Escrito por dois aguerridos inquisidores alemães, a obra ajudaria veementemente a consolidar a teoria de que as bruxas eram parte de um grande plano arquitetado por Satã para dominar o mundo e dar fim à cristandade. Pior que isso, seria quase uma bíblia para aqueles que podiam influir em processos de perseguição às bruxas. Algumas teses bastante curiosas eram desenvolvidas no livro, como a ideia de que as mulheres ofereciam um maior poder de desencaminhar moralmente os homens devido a uma falha original em sua formação. Como foram criadas, como relata o Gênesis, a partir da costela do homem, um osso em formato curvo, já estariam predispostas ao mal porque contrariavam a virtude da retidão. É preciso frisar inclusive que a caça às bruxas foi uma prática, antes de tudo, sexista, porque foram muito raros os casos de condenação por feitiçaria envolvendo homens. O livro se tornaria um verdadeiro best-seller, no final do século XV, e um clássico dos estudos de demonologia.

A febre das fogueiras na Europa também estenderia seus tentáculos pelo Novo Mundo. As colônias inglesas na América veriam muitos casos de processos contra bruxas, culminando em 1692 com o famoso caso de Salem, relatado em livro e transformado em filme. O Brasil também não ficaria de fora, até porque as execuções de acusados de bruxaria não ocorreram em Portugal com a mesma intensidade de outros países, sendo muitas vezes feita a opção por penas opcionais, como o degredo. Como resultado disso, muitas bruxas, na verdade benzedeiras, parteiras e praticante de métodos curativos “estranhos”, foram mandadas para o Brasil. Algumas delas seriam aqui vítimas de processos de acusação de bruxaria, como uma certa Isabel Pedrosa de Alvarenga, moradora de São Paulo, que em 1767 foi encontrada portando objetos suspeitos, como bicos de pássaros e umbigos de bebês (as bruxas eram acusadas de devorar crianças). Detida e acusada de praticar feitiçaria, a mulher, que afirmava viver de esmolas, jamais admitiu sua culpa, mas mesmo assim foi mandada para Lisboa para ser julgada. Na documentação que contém o relato desse acontecimento não há nenhuma informação sobre o destino final de Isabel.

À medida que as conquistas da modernidade foram se firmando, os surtos de perseguição às bruxas e suas fogueiras foram se extinguindo pela Europa. Há ainda algumas notícias de espetáculos públicos até ao longo do século XVIII, e o último registro oficial dessa prática teria ocorrido em 1782 na Suíça. Com ele, um dos momentos mais vergonhosos da história do Ocidente Cristão. Uma longa e dolorosa página de intolerância, fanatismo e ignorância é, para lembrar o trágico destino das condenadas, literalmente queimada.


Se você gostou desse texto, deixe sua opinião, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960) Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…