Pular para o conteúdo principal

Os antigos creram nas bruxas

"O Sabá das Bruxas", de 1798, do pintor espanhol Francisco de Goya. 

As bruxas em geral são conhecidas como personagens típicos da Era Medieval, quando protagonizaram os casos mais incríveis de acusações e foram presença constante nos ritos de condenação às fogueiras. Mas a ideia de mulheres amaldiçoadas, relacionadas a poderes mágicos e malignos, é muito anterior à Idade Média. Na mitologia e na cultura gregas, por exemplo, personagens como Medeia e Circe já aparecem relacionadas a possíveis dotes sobrenaturais, que podiam ser voltados para o mal. Na cultura romana, Diana, a guardiã dos bosques e dos animais, era associada a poderes misteriosos enquanto exercia sua influência sobre as lendárias mulheres amazonas. A própria cultura hebraica, base histórica das crenças cristãs, não deixou de registrar seus casos: o Velho Testamento mostra o rei Saul, numa de suas muitas crises de dúvida e indecisão, procurando uma feiticeira de nome Endor, mesmo sendo a consulta a esse tipo de intercâmbio com o sobrenatural considerada uma grave ofensa à lei de Moisés. E até na própria Europa crenças imemoriais sugerem já a existência do que mais tarde se conheceria genericamente como bruxaria, como é o caso dos “streghe” dos povos itálicos, criaturas a quem se atribuía a prática de ritos macabros, incluindo uso de objetos como caldeirões, por exemplo.

Apesar de associadas à cultura medieval, as bruxas curiosamente seriam mais perseguidas no período que, de modo geral, os historiadores situam como o final da Idade Média, o início da modernidade, entre as últimas décadas do século XV e as primeiras do XVI. Foi justamente num período de grandes transformações, que sugeriam uma guinada cultural a partir do estabelecimento de alguns cenários importantes, que os surtos de caças a mulheres tidas como praticantes de feitiçaria registrariam seus maiores e mais impressionantes números. Alguns autores relacionam isso a uma certa perplexidade das massas diante das muitas mudanças, como a ascensão da burguesia, as notícias de outras terras e principalmente as novas faces do discurso religioso, com o fortalecimento das igrejas reformadas. Essas transformações seriam responsáveis por guerras, surtos de fome e pestes, verdadeiras calamidades que levariam os indivíduos daqueles primeiros tempos de vida moderna a buscarem no passado possíveis causas e suas soluções. Daí a crença de muitos séculos nas bruxas e suas ações demoníacas ser trazida à tona como meio de reação aos males de uma nova ordem.

Assim, a elas e seus feitiços era atribuída culpa por acontecimentos que causavam grandes transtornos. De catástrofes ambientais e econômicas, como a perda de safras, por exemplo, até naufrágios e derrotas em guerra, tudo podia despertar surtos de perseguição, nos quais ocorriam muitas condenações, em geral de mulheres que eram tidas como misteriosas, feias, as mal faladas, e aquelas a que se atribuía hábitos sexuais considerados contrários à moral. Entre 1580 e 1599, por exemplo, a cidade francesa de Triers desencadeou uma brutal perseguição a mulheres suspeitas de bruxaria, depois que duas colheitas seguidas fracassaram. O clima de animosidade se espalhava de tal maneira, que pessoas acusadas não hesitavam em delatar – muitas vezes de forma mentirosa – outras pessoas, o que acabava gerando detenções em massa, quase sempre acompanhadas de tortura, das quais extraíam muitas confissões. O resultado desse processo insano era um verdadeiro festival de fogueiras por várias partes da Europa, configurando terríveis autos de fé, que aos poucos acabaram se tornando eventos de diversão para os que escapavam. Os números finais desse cenário são estimados em aproximadamente 100 mil processos, que teriam redundado em algo em torno de 60 mil pessoas que acabaram nas fogueiras. Um dado importante é que parte da imagem negativa que se tinha a respeito das bruxas vinha da identificação delas com judeus, um dos grupos que mais seriam perseguidos naquela época. Acreditava-se, por exemplo, que durante os Shabbats, uma das principais celebrações judaicas, as atividades das bruxas se intensificavam e elas então se reuniam para planejar ações demoníacas, para as quais raptavam crianças que eram oferecidas em banquetes onde também se praticavam orgias.

Aliás, a forte perseguição que também ocorria com judeus surpreendentemente colaboraria para diminuir a incidência dos surtos de caça às bruxas. Isso porque nos países da Península Ibérica, que funcionavam praticamente como quartéis-generais da Contrarreforma, a ânsia de combater os praticantes da religião de Moisés – vistos como hereges tanto quanto os protestantes – levava a uma menor preocupação com a influência das bruxas. Essa distância levaria a que, diante dos excessos cometidos no restante da Europa, a igreja resolvesse entrar na questão. Assim, foi criado o Tribunal de Inquisição, com o objetivo de controlar os processos acusatórios, determinar como tinham de ocorrer e garantir a defesa aos acusados. Uma das modificações mais importantes instituídas pelo tribunal seria a proibição de extrair confissões mediante torturas, sendo necessária, para se empregar esse nefasto meio, a autorização de autoridades eclesiásticas superiores, que só a forneciam em casos considerados extremos.

Um capítulo à parte na história desse período foi a publicação do livro “Malleus Maleficarum” (O martelo das bruxas) em 1486. Escrito por dois aguerridos inquisidores alemães, a obra ajudaria veementemente a consolidar a teoria de que as bruxas eram parte de um grande plano arquitetado por Satã para dominar o mundo e dar fim à cristandade. Pior que isso, seria quase uma bíblia para aqueles que podiam influir em processos de perseguição às bruxas. Algumas teses bastante curiosas eram desenvolvidas no livro, como a ideia de que as mulheres ofereciam um maior poder de desencaminhar moralmente os homens devido a uma falha original em sua formação. Como foram criadas, como relata o Gênesis, a partir da costela do homem, um osso em formato curvo, já estariam predispostas ao mal porque contrariavam a virtude da retidão. É preciso frisar inclusive que a caça às bruxas foi uma prática, antes de tudo, sexista, porque foram muito raros os casos de condenação por feitiçaria envolvendo homens. O livro se tornaria um verdadeiro best-seller, no final do século XV, e um clássico dos estudos de demonologia.

A febre das fogueiras na Europa também estenderia seus tentáculos pelo Novo Mundo. As colônias inglesas na América veriam muitos casos de processos contra bruxas, culminando em 1692 com o famoso caso de Salem, relatado em livro e transformado em filme. O Brasil também não ficaria de fora, até porque as execuções de acusados de bruxaria não ocorreram em Portugal com a mesma intensidade de outros países, sendo muitas vezes feita a opção por penas opcionais, como o degredo. Como resultado disso, muitas bruxas, na verdade benzedeiras, parteiras e praticante de métodos curativos “estranhos”, foram mandadas para o Brasil. Algumas delas seriam aqui vítimas de processos de acusação de bruxaria, como uma certa Isabel Pedrosa de Alvarenga, moradora de São Paulo, que em 1767 foi encontrada portando objetos suspeitos, como bicos de pássaros e umbigos de bebês (as bruxas eram acusadas de devorar crianças). Detida e acusada de praticar feitiçaria, a mulher, que afirmava viver de esmolas, jamais admitiu sua culpa, mas mesmo assim foi mandada para Lisboa para ser julgada. Na documentação que contém o relato desse acontecimento não há nenhuma informação sobre o destino final de Isabel.

À medida que as conquistas da modernidade foram se firmando, os surtos de perseguição às bruxas e suas fogueiras foram se extinguindo pela Europa. Há ainda algumas notícias de espetáculos públicos até ao longo do século XVIII, e o último registro oficial dessa prática teria ocorrido em 1782 na Suíça. Com ele, um dos momentos mais vergonhosos da história do Ocidente Cristão. Uma longa e dolorosa página de intolerância, fanatismo e ignorância é, para lembrar o trágico destino das condenadas, literalmente queimada.


Se você gostou desse texto, deixe sua opinião, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …