Pular para o conteúdo principal

Os "línguas", os primeiros tradutores do Brasil

Jesuítas aprenderam a se comunicar com índios brasileiros.





























Quando, em 1549, os primeiros religiosos jesuítas chegaram às terras do Brasil, provavelmente jamais tinham imaginado o que encontrariam e, principalmente, o tipo de civilização que ajudariam a fundar. Se para converter à fé católica na Ásia e na África tinham que aprender a falar e escrever na língua dos futuros cristãos, como rezavam os métodos jesuítas, para realizar semelhante trabalho com os nativos do Brasil teriam que participar de uma experiência linguística ainda mais radical. Além dos mais de trezentos idiomas que eram praticados pelas várias nações indígenas, havia o fato de todas serem culturas de tradição unicamente oral. O que era um grande problema para os objetivos da catequese cristã, já que se tratava de uma religião baseada numa escritura.

Essa língua base atendia às necessidades de comunicação dos habitantes da então incipiente colônia que, além de milhares de nativos da terra, reunia também alguns poucos estrangeiros, em sua maioria portugueses, que ali tinham chegado como náufragos, degredados ou aventureiros, uma já bem heterogênea população que utilizava a chamada língua brasílica para se comunicar, não obstante os idiomas próprios de cada grupo indígena continuarem a ser empregados nas relações domésticas. Na verdade, tratava-se de um dialeto que reunia dois troncos linguísticos principais, o tupi e o guarani. Ao longo da costa brasileira, as inúmeras nações indígenas praticamente se dividiam nesses dois grupos, formados por etnias autônomas, mas que conservavam traços linguísticos e culturais muito próximos entre si. Essa herança linguística foi o que encontraram os primeiros jesuítas que aqui chegaram. Mas, ao empregá-la em suas atividades missionárias, acabariam colaborando para que, séculos mais tarde, se estabelecesse uma modalidade da língua portuguesa que haveria de atender às necessidades de comunicação de mais de duzentos milhões de pessoas.

Mas essa história envolvendo a língua-geral e a catequese jesuítica seria formada à custa de muitas dificuldades para os primeiros missionários. Sem nenhum conhecimento prévio acerca de como se comunicar com os nativos da terra, teriam de recorrer às poucas fontes de que dispunham. É aí que entram em cena os “línguas”, como passaram a ser chamados, criaturas um tanto misteriosas para os religiosos, em virtude dos hábitos já há muito adquiridos com a vivência dentro das tribos indígenas. Nos primeiros tempos da catequese jesuítica, um “língua” era algo extremamente valioso, de preferência se pudesse ser também um bom cristão. Mas à medida que o trabalho missionário avança em terras brasileiras, os padres vão aperfeiçoando suas formas de comunicação, que inicialmente era apenas oral. É quando essa fase, pode-se dizer “romântica”, dos primeiros “línguas” é superada, dando lugar a um novo período da missão catequética.

Enquanto não era possível atingir a situação desejada, de todos os irmãos dominarem bem a língua da terra e poderem atuar diretamente com os índios, os missionários iam avançando por meio de alguns recursos que tentavam explorar. Dentre eles estava o de empregar crianças nas tarefas da catequese. Foi sobretudo para elas que foram fundados os vários colégios jesuítas do Brasil, para “criar meninos do gentio”, no dizer de Nóbrega. A ideia corrente era a de que os pequenos seriam o caminho mais fácil para empreender a catequese em larga escala, pois, uma vez educados e catequizados, funcionariam como instrumentos de conversão para os adultos, segundo os padres, muito impregnados de seus “maus costumes”. Para facilitar a preparação dos pequenos filhos da terra, os jesuítas chegaram a trazer da Europa meninos órfãos que viviam em instituições da Ordem espalhadas por Portugal. Houve também a tentativa de se utilizarem mamelucos, aproveitando seu parentesco com portugueses, mas não foram muitos os que responderam satisfatoriamente, até porque mal conheciam a língua de seus pais.

Não era fácil reunir a condição de “língua” aos atributos necessários para desempenho da tarefa de catequese. Afinal, isso implicava, às vezes, a prática de elementos fundamentais para a liturgia católica, como as confissões. Era inevitável que os “línguas” ouvissem os confidentes e traduzissem para o padre, em seguida ouvindo destes e transmitindo de volta. Esse método, aliás, uma adaptação promovida pelos jesuítas para viabilizar a catequese enquanto não havia bom domínio da língua, foi objeto de algumas contestações por parte de outros religiosos, não envolvidos diretamente no trabalho com os índios, até porque também apareciam mulheres e crianças realizando essa função, o que lhes parecia uma confusão do ritual cristão com o dos “da terra”.

Mas o caminho natural da missão era avançar para o estabelecimento de um corpo de “línguas” formado pelos próprios religiosos, especialmente talhados para as exigências da difícil empreitada que era evangelizar os habitantes da colônia. E isso não demorou a acontecer, mediante algumas medidas ligadas à própria formação do sacerdote nas congregações que os jesuítas fundaram para preparar novos irmãos. O ensino da língua grega, obrigatório na formação tradicional dos inacianos, poderia ser deixado de lado para aqueles seminaristas que se dedicassem a estudar a língua-geral. Para tal, tinham que imergir numa vivência nas tribos, pois inicialmente não havia nenhum método estabelecido para o ensino da língua.

A situação só começa a ficar favorável aos objetivos jesuítas quando aparecem os primeiros métodos que permitiam sistematizar o aprendizado da língua-geral. A dificuldade inicial residia sobretudo no fato de que, para criar um método para ensinar o idioma, seria necessário desenvolver uma escrita, algo que absolutamente não existia para os índios. Ainda nos primeiros anos da catequese jesuítica, o irmão Juan Azpilcueta Navarro encontra em Porto Seguro um português conhecedor da língua-geral capaz de traduzir conceitos cristãos. Graças a ele apareceram as primeiras composições escritas retratando sermões, rezas e elementos da liturgia católica. Com isso já era possível a alguns padres – e não mais exclusivamente a outros tipos de “línguas” – catequizar comunidades indígenas na sua própria língua. Os missionários memorizavam essas composições e às vezes até sermões inteiros e os levavam como mensagem cristã aos índios

Em torno de 1555 aparece o primeiro grande tratado escrito sobre a língua-geral, a “Arte de gramática do tupi”, que José de Anchieta escreve a pedido do superior Manoel da Nóbrega. Cinco anos depois o método já era obrigatório para os irmãos que se formavam nos colégios da colônia. É necessário lembrar que essa primeira gramática, destinada a orientar o aprendizado da língua-geral pelos missionários, é concebida tendo como parâmetro as obras escritas em latim e voltadas para o exercício da oratória religiosa, o que inclui toda uma arte de palavras e efeitos retóricos direcionados para seduzir e encantar quem as recebe. A língua-geral, até então língua prática e oral, começa aí a ter o seu curso alterado, assim como a visão de mundo dos naturais da terra. Esse movimento é decisivo para a catequese jesuítica na América e para o destino dos indígenas. Isso porque, a partir da institucionalização das gramáticas em língua-geral, ser um “língua” falante não era mais requisito principal para atuar nas frentes missionárias. O que importava na realidade era ter aprendido o idioma por meio do método preconizado pela gramática, o que significava poder construir pregações e criar pelo discurso, seduzindo a quem ouvia.


Se você gostou desse texto, deixe sua opinião, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissionalO salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o RegulamentoO primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – ReservasDepois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custoPara os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

PenedoConhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de MacacuSe você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960)Geração X (nascidos entre 1960 e 1980)Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995)Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…