Pular para o conteúdo principal

15 ideias que vão mudar a sua visão de escola


“Aqui não é igual às outras escolas, que hoje a gente vai fazer matemática depois ciências. A gente não pega o livro e nem todo mundo faz a mesma coisa.” João Pedro Generoso – Educando de 9 anos, Projeto Âncora.

Quando mencionamos inovação na educação, pensamos em “altas” tecnologias envolvidas, prédios espetaculares etc. Mas a realidade vem mostrando que o que está em jogo é muito mais uma questão de encaminhamento metodológico, de quebra de modelos engessados, de propor uma forma diferente de organização e funcionamento, do que de tecnologias ou estruturas físicas pós-modernas. E, para provar que a mudança funciona, nos inspiramos na experiência retratada pela série “Destino: Educação - Escolas Inovadoras/2016”, apresentada nesse mês de setembro pelo canal Futura. 

O primeiro episódio apresenta a realidade de uma escola nascida recentemente em São Paulo, sediada no município de Cotia, numa região de baixo poder aquisitivo, com crianças em situação de vulnerabilidade social, que moram no entorno da instituição. A escola foi proposta por meio do projeto Âncora, que atende, hoje, cerca de 200 crianças em período integral. Gratuita, mantida através de recursos privados, possui uma filosofia educacional inovadora, inspirada na Escola da Ponte, de Portugal. O projeto não tem série, aula ou turma, mas corresponde ao ensino infantil, fundamental I e II.

Essa escola diferente apresenta inovações que foram colocadas em prática com resultados surpreendentes. Vamos mostrar algumas delas, de forma resumida, para que você possa ter uma visão geral de todo o quadro.

1) Os alunos estudam juntos, não há divisão por série ou turma. Eles se dividem em ciclos de aprendizagem, a base está nos objetivos destacados detalhadamente, por áreas, pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, porém estudam enquanto realizam projetos;

2) Os conteúdos obrigatórios (PCNs) são visualizados em meio ao desenvolvimento de projetos, o que torna o encaminhamento rico e atrativo;

3) O brincar é levado a sério, as crianças aprendem brincando;

4) Existe uma sala de estudos, porém não há nela nenhum professor posicionado na frente falando de forma unilateral para os alunos. O que existe são grupos de estudantes espalhados pelo ambiente, cada um com uma atividade diferente do outro: um grupo projetando no papel, outro acessando o computador, um terceiro discutindo uma ideia, mas todos em construção do conhecimento por meio dos projetos;

5) Os educandos não aprendem apenas com o educador (tutor), mas entre si, na troca, com os diferentes meios e conteúdos;

6) Os alunos são acompanhados por tutores que são profissionais da educação, com formação em diversas áreas do conhecimento;

7) O tutor tem como função orientar o educando para a construção do seu conhecimento. Não cabe a ele “dar aulas” ou ministrar conteúdos teóricos para vencer objetivos;

8) A escola se organiza por núcleos de aprendizagem, que são: iniciação, desenvolvimento e aprofundamento. O critério utilizado para a mudança de núcleo é o nível de autonomia conquistado no processo de aprendizagem;

9) Logo ao chegar à escola, cada criança faz o seu planejamento do dia, sendo mais ou menos acompanhado pelo tutor, conforme o nível de autonomia de cada educando;

10) Quinzenalmente, os alunos montam um roteiro de estudos contendo tudo que querem e precisam aprender, e com base nisso vão fazendo o planejamento diário;

11) Como é o aluno que faz o seu planejamento, ele também vai aprendendo a gerir o seu tempo, o que não é tarefa fácil, pois requer que ele se conheça e saiba do que é capaz em determinado espaço de tempo;

12) Nesta escola, não são os professores ou mesmo coordenadores que elencam os objetivos a serem atingidos, mas sim os próprios educandos. Embora haja muita clareza quanto a cada uma das metas das diferentes áreas do conhecimento (PCNs) necessárias ao aprendizado dos alunos, o caminho feito é inverso ao da escola tradicional. Nesse caso, a inovação ocorre quando o estudante escolhe o objetivo a ser alcançado levando em consideração o seu interesse/necessidade, o seu potencial e a sua história de vida, independentemente da ordem em que as metas aparecem nos PCNs;

13) O educando vai desenvolvendo os seus projetos nos quais os objetivos vão sendo atingidos e depois computados para registro da sua vida escolar;

14) A escola tem um trabalho pautado em atitudes e valores. Quanto a estes últimos, cinco pontos fundamentais precisam ser desenvolvidos e praticados pelos educandos: respeito, solidariedade, responsabilidade, afetividade e honestidade. Na fase da iniciação esses valores são trabalhados em diferentes situações e nesse processo fica claro para os estudantes o quanto o relacionamento é importante para o desenvolvimento de uma pessoa, e que saber se relacionar é tão essencial quanto produzir um texto claro, bem escrito;

15) O ambiente da escola, dos projetos, é participativo. Educadores e educandos assumem a resolução conjunta como forma de resolver e decidir os caminhos dos projetos e da própria instituição.

Depois de apresentarmos essas inovações, cabe a pergunta: Como isso tudo acontece na prática? Acompanhe a nossa coluna, pois na próxima terça-feira vamos dar sequência revelando... Cenas dos próximos capítulos. Até lá!

Comentários

  1. Essa proposta é muito amada na Educação Infantil! Pena que muitos profissionais nos dias de hoje ainda permanecem em uma visão tradicional de Educação, longe desse modelo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Leilane, mas alguns por falta de conhecimento...

      Excluir
    2. Verdade, Leilane, mas alguns por falta de conhecimento...

      Excluir
  2. Amo o tema inovação na educação. Creio que manter o tema em cheque coloca os educadores para pensar e quem sabe assim, com a mão na massa, mudam o nosso modelo atual de educação que é insustentável. Amei a coerência do processo da escola apresentada. Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcia, muito obrigada por participar.Sim, falastes muito bem, precisamos levar essa mensagem aos educadores😉.

      Excluir
    2. Marcia, muito obrigada por participar.Sim, falastes muito bem, precisamos levar essa mensagem aos educadores😉.

      Excluir
  3. Bom, sou novo aqui mas já fiquei curioso para entender como se dá a prática cotidiana desse modelo. Fico pensando na minha escola com as exigências de notas, avaliações e o quanto isso nos cansa por um lado pelo excesso de trabalho(preparação, aplicação, correção) e pouca satisfação com o resultado alcançado. Enfim, vou tentar acompanhar essa discussão. Quem sabe esteja ai o meio termo entre o exigido pelo sistema e as reais demandas de aprendizagem de nossas crianças.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada por participar, Waldeir. Vamos ver se o próximo texto esclarece a sua questão. Abraços e até a próxima terça!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por participar, Waldeir. Vamos ver se o próximo texto esclarece a sua questão. Abraços e até a próxima terça!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …