Pular para o conteúdo principal

15 ideias que vão mudar a sua visão de escola


“Aqui não é igual às outras escolas, que hoje a gente vai fazer matemática depois ciências. A gente não pega o livro e nem todo mundo faz a mesma coisa.” João Pedro Generoso – Educando de 9 anos, Projeto Âncora.

Quando mencionamos inovação na educação, pensamos em “altas” tecnologias envolvidas, prédios espetaculares etc. Mas a realidade vem mostrando que o que está em jogo é muito mais uma questão de encaminhamento metodológico, de quebra de modelos engessados, de propor uma forma diferente de organização e funcionamento, do que de tecnologias ou estruturas físicas pós-modernas. E, para provar que a mudança funciona, nos inspiramos na experiência retratada pela série “Destino: Educação - Escolas Inovadoras/2016”, apresentada nesse mês de setembro pelo canal Futura. 

O primeiro episódio apresenta a realidade de uma escola nascida recentemente em São Paulo, sediada no município de Cotia, numa região de baixo poder aquisitivo, com crianças em situação de vulnerabilidade social, que moram no entorno da instituição. A escola foi proposta por meio do projeto Âncora, que atende, hoje, cerca de 200 crianças em período integral. Gratuita, mantida através de recursos privados, possui uma filosofia educacional inovadora, inspirada na Escola da Ponte, de Portugal. O projeto não tem série, aula ou turma, mas corresponde ao ensino infantil, fundamental I e II.

Essa escola diferente apresenta inovações que foram colocadas em prática com resultados surpreendentes. Vamos mostrar algumas delas, de forma resumida, para que você possa ter uma visão geral de todo o quadro.

1) Os alunos estudam juntos, não há divisão por série ou turma. Eles se dividem em ciclos de aprendizagem, a base está nos objetivos destacados detalhadamente, por áreas, pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, porém estudam enquanto realizam projetos;

2) Os conteúdos obrigatórios (PCNs) são visualizados em meio ao desenvolvimento de projetos, o que torna o encaminhamento rico e atrativo;

3) O brincar é levado a sério, as crianças aprendem brincando;

4) Existe uma sala de estudos, porém não há nela nenhum professor posicionado na frente falando de forma unilateral para os alunos. O que existe são grupos de estudantes espalhados pelo ambiente, cada um com uma atividade diferente do outro: um grupo projetando no papel, outro acessando o computador, um terceiro discutindo uma ideia, mas todos em construção do conhecimento por meio dos projetos;

5) Os educandos não aprendem apenas com o educador (tutor), mas entre si, na troca, com os diferentes meios e conteúdos;

6) Os alunos são acompanhados por tutores que são profissionais da educação, com formação em diversas áreas do conhecimento;

7) O tutor tem como função orientar o educando para a construção do seu conhecimento. Não cabe a ele “dar aulas” ou ministrar conteúdos teóricos para vencer objetivos;

8) A escola se organiza por núcleos de aprendizagem, que são: iniciação, desenvolvimento e aprofundamento. O critério utilizado para a mudança de núcleo é o nível de autonomia conquistado no processo de aprendizagem;

9) Logo ao chegar à escola, cada criança faz o seu planejamento do dia, sendo mais ou menos acompanhado pelo tutor, conforme o nível de autonomia de cada educando;

10) Quinzenalmente, os alunos montam um roteiro de estudos contendo tudo que querem e precisam aprender, e com base nisso vão fazendo o planejamento diário;

11) Como é o aluno que faz o seu planejamento, ele também vai aprendendo a gerir o seu tempo, o que não é tarefa fácil, pois requer que ele se conheça e saiba do que é capaz em determinado espaço de tempo;

12) Nesta escola, não são os professores ou mesmo coordenadores que elencam os objetivos a serem atingidos, mas sim os próprios educandos. Embora haja muita clareza quanto a cada uma das metas das diferentes áreas do conhecimento (PCNs) necessárias ao aprendizado dos alunos, o caminho feito é inverso ao da escola tradicional. Nesse caso, a inovação ocorre quando o estudante escolhe o objetivo a ser alcançado levando em consideração o seu interesse/necessidade, o seu potencial e a sua história de vida, independentemente da ordem em que as metas aparecem nos PCNs;

13) O educando vai desenvolvendo os seus projetos nos quais os objetivos vão sendo atingidos e depois computados para registro da sua vida escolar;

14) A escola tem um trabalho pautado em atitudes e valores. Quanto a estes últimos, cinco pontos fundamentais precisam ser desenvolvidos e praticados pelos educandos: respeito, solidariedade, responsabilidade, afetividade e honestidade. Na fase da iniciação esses valores são trabalhados em diferentes situações e nesse processo fica claro para os estudantes o quanto o relacionamento é importante para o desenvolvimento de uma pessoa, e que saber se relacionar é tão essencial quanto produzir um texto claro, bem escrito;

15) O ambiente da escola, dos projetos, é participativo. Educadores e educandos assumem a resolução conjunta como forma de resolver e decidir os caminhos dos projetos e da própria instituição.

Depois de apresentarmos essas inovações, cabe a pergunta: Como isso tudo acontece na prática? Acompanhe a nossa coluna, pois na próxima terça-feira vamos dar sequência revelando... Cenas dos próximos capítulos. Até lá!

Comentários

  1. Essa proposta é muito amada na Educação Infantil! Pena que muitos profissionais nos dias de hoje ainda permanecem em uma visão tradicional de Educação, longe desse modelo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Leilane, mas alguns por falta de conhecimento...

      Excluir
    2. Verdade, Leilane, mas alguns por falta de conhecimento...

      Excluir
  2. Amo o tema inovação na educação. Creio que manter o tema em cheque coloca os educadores para pensar e quem sabe assim, com a mão na massa, mudam o nosso modelo atual de educação que é insustentável. Amei a coerência do processo da escola apresentada. Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcia, muito obrigada por participar.Sim, falastes muito bem, precisamos levar essa mensagem aos educadores😉.

      Excluir
    2. Marcia, muito obrigada por participar.Sim, falastes muito bem, precisamos levar essa mensagem aos educadores😉.

      Excluir
  3. Bom, sou novo aqui mas já fiquei curioso para entender como se dá a prática cotidiana desse modelo. Fico pensando na minha escola com as exigências de notas, avaliações e o quanto isso nos cansa por um lado pelo excesso de trabalho(preparação, aplicação, correção) e pouca satisfação com o resultado alcançado. Enfim, vou tentar acompanhar essa discussão. Quem sabe esteja ai o meio termo entre o exigido pelo sistema e as reais demandas de aprendizagem de nossas crianças.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada por participar, Waldeir. Vamos ver se o próximo texto esclarece a sua questão. Abraços e até a próxima terça!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por participar, Waldeir. Vamos ver se o próximo texto esclarece a sua questão. Abraços e até a próxima terça!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custo Para os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…