Pular para o conteúdo principal

O turbulento século XVII brasileiro


O século XVII seria o da consolidação da presença portuguesa no Brasil. Com o avanço de instituições colonizadoras em praticamente todo o país, seria necessário também tratar de remover de alguns pontos tentativas de fixação nas terras, iniciadas por outras Coroas, como foi o caso dos franceses no Rio de Janeiro e no Maranhão e principalmente dos holandeses no litoral da capitania de Pernambuco.

Os conflitos que culminaram na expulsão dos holandeses aconteceram no rastro da Restauração portuguesa, em torno de 1640, quando Portugal derrota tropas da Espanha, recupera sua autonomia e as energias então se voltam para a preocupante presença batava em Pernambuco. Durante o tempo em que a Coroa espanhola exerceu sua soberania sobre Portugal, muitas questões referentes à colônia brasileira ficaram em segundo plano. Envolvida em muitas querelas durante aqueles tempos, os espanhóis minimizavam a ocupação holandesa no nordeste brasileiro. O sentimento português, ao contrário, era de grande indignação, pois, mais que uma disputa territorial, estava implicada uma preocupação que dizia respeito à própria Igreja, na medida em que a presença holandesa era também uma presença calvinista.

Os holandeses, que se fixaram em Pernambuco por volta de 1630, organizaram um tipo de colonização bem diferente do instalado por Portugal e, aos olhos de muitos, mais promissor por evitar certos ranços que dificultavam o desenvolvimento na colônia. O nobre Maurício de Nassau, colocado no comando da empreitada pela Companhia das Índias Ocidentais, empresa criada para a exploração colonial, desfrutava de bastante prestígio entre a população local e dava a aparência de que a vida naquela parte do país transcorria de forma harmônica, sobretudo porque havia um clima de certa liberdade religiosa.

Em 1643, no entanto, é deliberado seu retorno à Europa, e o modelo de exploração colonial que é imposto por seus substitutos não faz mais que reproduzir os quadros de autoritarismo e violência já conhecidos na colonização ibérica. O resultado foi a insatisfação geral por parte da população, o que criou o clima para insurreições e questionamento da ordem. Assim, o vigor recuperado pela Coroa portuguesa restaurada ajudaria para que a crença na possibilidade de expulsar os holandeses fosse cada vez maior.

A igreja, uma das forças mais atuantes naquele Brasil do século XVII, tratou de atuar nos bastidores enquanto as batalhas campais avançavam por terras pernambucanas. Interessados em manter a hegemonia portuguesa e prosseguir na obra catequética, os religiosos tinham, porém, muita cautela quanto a uma possível presença da Inquisição em terras brasileiras. Atuando a todo vapor na Europa e sediado nos países ibéricos, havia o risco de que o Santo Ofício despertasse para a iminente vitória portuguesa, pois sabia que, durante o domínio batavo, muitos cristãos novos e até mesmo judeus declarados, além de calvinistas, viviam livremente em Pernambuco.

Uma atuação mais presente dos inquisidores preocupava principalmente os jesuítas até por razões da própria visão religiosa mantida pela Ordem. Enquanto o Santo Ofício agia sempre obcecado pela ideia de pureza da fé católica, os inacianos tendiam a promover um tipo qualquer de adaptação da doutrina católica à fé dos catequizandos, criando muitas vezes uma religiosidade singular em cada lugar em que instalavam seus núcleos missionários. Além disso, eram muitas vezes tolerantes com protestantes e judeus, por manterem a crença de que poderiam converter os indivíduos dessas religiões para o seio da Igreja. O padre Vieira, por exemplo, se destacaria por enfrentar a Inquisição ao manter alianças com judeus portugueses, que acreditava serem úteis à causa da Restauração, questão que o jesuíta julgava de suma importância, posição que lhe valeria a alcunha de “amigo dos judeus”.

Em 1654, após muitas e sangrentas guerras, já não havia mais muitos vestígios da presença holandesa no Brasil. Mas algumas consequências restaram dos anos em que os batavos se instalaram em Pernambuco, principalmente em função de uma certa simpatia, por parte da população daquela região do país, pelo tipo de colonização que foi implantado por ali. Os conflitos que quase simultaneamente ocorreram nas capitanias do Norte também ajudaram para que se acendesse uma espécie de sinal vermelho quanto à insatisfação geral com os rumos da colonização.

Como defensores da fé, mas também do Império, os jesuítas haveriam de concentrar suas forças sobre o que poderia ser visto como um risco para a integridade das possessões portuguesas. Entre esses movimentos estava o de Palmares, à época pertencente à capitania de Pernambuco. Naqueles meados do século XVII, as fugas de escravos negros para a Serra da Barriga haviam aumentado consideravelmente, em função principalmente da substituição de Maurício de Nassau no comando da administração holandesa. Com a chegada dos novos gestores, os métodos de condução dos escravos nas fazendas e engenhos se revelaram mais cruéis do que aqueles praticados pelos próprios portugueses. Durante a Insurreição a situação ficaria ainda pior, pois, além do trabalho compulsório, os cativos eram forçados a lutar numa guerra cujo único estímulo era a manutenção da própria vida.

A recuperação das possessões onde estavam instalados os holandeses passou pela revitalização da catequese, que buscou expandir-se mais, a fim de firmar a presença portuguesa e cristã. Nesse projeto, era necessário confirmar os ideais católicos para os índios e também para os africanos, pois muitos deles haviam lutado ao lado dos batavos, em troca de liberdade ou da promessa de melhores condições de vida. Os religiosos, naquele Brasil em turbulência, talvez tivessem percebido antes de todos que naturais da terra e africanos seriam uma realidade cada vez mais presente e inseparável daquela colônia que um dia se tornaria uma nação.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …