Pular para o conteúdo principal

Tecnofobia: Professor, você sofre desse mal?


Para descobrir se você é um tecnófobo, marque um x nas perguntas abaixo para as quais você responderia SIM:

( ) Você é do tipo que ao comprar um celular escolhe o mais simples possível, sem se preocupar se toca mp3, mp4, se tem câmera, espaço de memória interna, memória externa, GPS etc.?

( ) Quando quer uma receita, ou descobrir os horários de transporte coletivo, ou mesmo precisa fazer uma pesquisa, você busca informações por telefone, livros e revistas, mas nunca consulta buscadores da internet, como por exemplo o Google?

( ) Você não tem interesse em procurar notícias na internet, por meio de computador, smart phone, preferindo assistir as notícias pela televisão ou jornal impresso?

( ) Quando o convidam para fazer uma videoconferência por celular (áudio e vídeo), você responde que prefere que liguem para o seu telefone fixo?

Se a resposta foi sim para pelo menos duas dessas afirmações, você é um tecnófobo e precisa de ajuda.

Mas, vamos entender o que é um tecnófobo. É alguém que, por não ser um nativo digital (geração que nasceu imersa nessa cultura), acaba criando aversão a tecnologias digitais. Entre professores da geração X e Baby Boomers, esse comportamento, em certa medida, ainda persiste. Isso ocorre porque boa parte deles sente dificuldades de aprender a usar esses novos equipamentos, acabando por acomodar-se e desistir do uso das tecnologias digitais.

A tal tecnofobia tem dificultado a implementação de tecnologia educacional, trazendo um atraso para as escolas, uma vez que hoje em dia é praticamente impossível deixar de conviver com esses recursos digitais. Então, o que fazer para trabalhar essa dificuldade?

Sugestões para vencer a tecnofobia:

Aceite que você é um imigrante digital e por isso precisará de ajuda para aprender a usar as tecnologias digitais. Pesquise, se permita testar aplicativos, games, redes sociais, saindo do mundo analógico. Não tenha medo de perguntar e aprender com seus alunos, criando pontes de diálogos. Lembre-se que as gerações mais jovens estarão sempre à frente, pela própria condição de nativo digital. Por isso mesmo, esse diálogo demonstrará a sua possibilidade de aprender com os mais jovens, fato que só poderá melhorar o relacionamento entre as diferentes gerações de professores e alunos. Humildade e aprender a aprender só trazem vantagens para a educação.

Concluindo, não queira ser um professor tecnófobo, que é uma espécie de analfabeto digital nessa viagem de um caminho que é sem volta, e que as mais novas gerações vêm percorrendo, com muita naturalidade: a evolução digital.

Palavras de uma imigrante digital...

Comentários

  1. Parabéns Prof. Andreia. Realmente esta geração se profissionais está dividida entre analfabetos digitais e inclusos.
    Eu sou um pastor tecfobico. Ainda escrevo sermões com papel e caneta . Ainda converso com a boca , usando sons. ... kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reverendo, muito grata por seu comentário.A tecnofobia não chegou em você, pois se assim fosse, nem teria acessado esse texto😉😉.

      Excluir
    2. Reverendo, muito grata por seu comentário.A tecnofobia não chegou em você, pois se assim fosse, nem teria acessado esse texto😉😉.

      Excluir
  2. Parabéns Prof. Andreia. Realmente esta geração se profissionais está dividida entre analfabetos digitais e inclusos.
    Eu sou um pastor tecfobico. Ainda escrevo sermões com papel e caneta . Ainda converso com a boca , usando sons. ... kkk

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Prof. Andreia. Realmente esta geração se profissionais está dividida entre analfabetos digitais e inclusos.
    Eu sou um pastor tecfobico. Ainda escrevo sermões com papel e caneta . Ainda converso com a boca , usando sons. ... kkk

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Prof. Andreia. Realmente esta geração se profissionais está dividida entre analfabetos digitais e inclusos.
    Eu sou um pastor tecfobico. Ainda escrevo sermões com papel e caneta . Ainda converso com a boca , usando sons. ... kkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960) Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…