Pular para o conteúdo principal

A Balaiada, mais uma revolta camponesa no Brasil

A Balaiada no sertão do Maranhão.

Seguindo o roteiro do Brasil dos anos seguintes à Independência, quando muitos conflitos regionais irromperam, o sertão maranhense se rebelaria contra as principais mazelas que atormentavam a maior parte da população, como a pobreza, as péssimas condições de vida e o mandonismo de líderes locais. No episódio que entraria para a história brasileira com o nome de Balaiada, esses componentes não faltaram, somando a ânsia da população excluída por uma vida menos sofrida com um cenário de importantes mudanças sociais e políticas que tiveram início nas esferas mais altas, com a própria decretação da autonomia em relação ao colonizador, e se espalharam por vários pontos do país, cada uma delas sendo influenciada pelas realidades locais.

Nas primeiras décadas do século XIX, o interior da província do Maranhão mantinha sua população dentro do padrão de vida habitual do meio ambiente sertanejo. Pobreza, miséria, exploração e ainda o pulso firme dos latifundiários muitas vezes extrapolando a esfera da engrenagem produtiva e avançando em direção a excessos de poder e desmandos de toda sorte. Um desses episódios estaria relacionado com os primeiros focos da rebelião que sacudiria o sertão maranhense. O irmão de um certo Raimundo Campos, vaqueiro conhecido em certas regiões sertanejas, fora preso de forma arbitrária pela força policial local, o que despertaria um forte sentimento de revolta na população. É organizada então uma ação para libertar o camponês, liderada por seu irmão, que acabaria bem-sucedida e ficaria conhecido pela alcunha de “Cara Preta”. O fato naturalmente acenderia o ânimo dos sertanejos, que não tardariam a apostar em outras investidas para acabar com o poder desmedidos dos proprietários de terra.

Uma outra figura então surge nesse explosivo ambiente e ajuda a fortalecer o em princípio desordenado movimento. Manoel Francisco dos Anjos Ferreira, conhecido como “Balaio”, por sua atividade de artesão desse artefato, não só daria nome à luta dos camponeses como seria o seu grande referencial enquanto se desenrolavam os atrozes conflitos que duraram em torno de três anos, a partir de 1838. Apesar do início marcado fundamentalmente pelas demandas da população sertaneja, o movimento também despertaria o interesse de uma classe média local, que de alguma forma também sofria os efeitos daquela ordem excessivamente centrada no poder de latifundiários da região.

Tendo na cultura do algodão uma grande fonte de renda, a região sofria com uma forte crise envolvendo esse produto, o que levava certos setores da classe média – em grande medida simpatizante de uma visão republicana que naquele momento começa a se popularizar por todo o país – a também questionar a eterna presença, nos postos de decisão do poder, das mesmas famílias de proprietários rurais e seus representantes. Dessa forma, houve a aproximação entre esses setores e os sertanejos que já vinham patrocinando algumas ações armadas em questionamento aos poderosos locais. De início, o casamento entre esses dois segmentos sociais parecia promissor. No espaço urbano das proximidades da vila de Caxias, era criado o periódico “Bem-te-vi”, voltado para difundir ideias republicanas e que serviria também para popularizar e atrair simpatizantes para as lutas dos balaios pelo sertão. Estes, por sua vez, à medida que obtinham certo sucesso em desafiar as tropas oficiais e de jagunços dos líderes locais, iam conseguindo também a adesão de muitos deserdados e excluídos, que, se por um lado colaborariam para encorpar a revolta, por outro ajudariam a enfatizar a desorganização e o despreparo dos rebeldes para um movimento que cada vez criava mais expectativas para a população mais sofrida do sertão.

O resultado disso foram episódios desordenados que envolviam saques, depredações de patrimônio, desforras e não raro cenas de banditismo, que aos poucos instalaram um quadro de caos social. Um fator que também despontaria no bojo dos acontecimentos foram as muitas fugas de escravos, que injetavam nos grupos rebeldes um contingente que fazia número, por um lado, mas por outro se mostrava totalmente despreparado para ações ordenadas necessárias para o êxito nos pontos de combate. Nesse capítulo da entrada de cativos para a luta dos balaios se destacaria a figura de outro importante líder do movimento, Cosme Bento, que teria comandado algo em torno de três mil escravos, que abandonaram um quilombo em que se reuniam fugitivos de fazendas e se juntaram às tropas. Aliás, foi muito forte o viés antiescravista no movimento, ficando conhecida entre os revoltosos a quadra que dizia: “O Balaio chegou! / Cadê branco! / Não há mais branco / Não há mais sinhô”.

Todo esse quadro, apesar de desarticulado, chegaria a produzir alguns frutos. Em 1839 os revoltosos conseguiram tomar a vila de Caxias e lá instituíram um governo provisório, decretando o fim da Guarda Nacional e expulsando indivíduos de origem portuguesa. Esse último fato revelaria dois importantes vieses do movimento. Primeiro, a presença ainda forte de ideias geradas durante os conflitos que se travaram contra tropas fiéis à coroa portuguesa durante o processo de independência, que levavam a maior parte da população a repudiar a presença dos antigos colonizadores. Em segundo lugar, o caráter sertanejo da revolta, que procurava “limpar” o sertão da presença das elites que herdaram as antigas estruturas latifundiárias que tiveram início na posse de terras por colonos portugueses.

Mas a Balaiada não resistiria a sua falta de organização e à situação caótica que se instalaria em seguida, trazendo consigo o rastro de marginalidade e vandalismo, que não demoraria a ocasionar na deserção da classe média, que ao contrário, sofrendo também aquelas consequências, passaria de apoiadora a perseguidora dos sertanejos rebeldes. O quadro de turbulências sociais não demoraria a despertar a atenção do governo imperial que, atendendo aos pedidos dos proprietários de terra que se viam ameaçados, enviaria tropas para conter os rebeldes. Nesse momento entra em cena o coronel Luis Alves de Lima e Silva, enviado da corte diretamente para a região das proximidades da vila de Caxias, onde os balaios haviam fixado sua sede. Militar hábil e preparado nas fileiras do exército brasileiro, com experiência na luta pela independência e no conflito na Cisplatina, não encontraria muitas dificuldades para dominar a vasta região em que os revoltosos mantinham atividade, atuando como comandante de tropas do Maranhão e de dois estados vizinhos, Ceará e Piauí. A grande competência bélica do oficial permitiria dominar com relativa facilidade as áreas detidas pelos balaios que, além de pouco organizados, não iam além dos conhecimentos limitados de uma guerrilha rural. Mesmo assim, no pouco mais de um ano de duração dos combates entre as tropas oficiais e os balaios, restaria um saldo estimado de aproximadamente doze mil mortes, principalmente entre os sertanejos.

Em 1840, Lima e Silva anunciava o completo domínio sobre as regiões em que os revoltosos tinham se instalado, após acenar com a proposta do governo imperial de anistiar os revoltosos, que faria com que muitos desertassem, enfraquecendo o movimento. O sucesso militar lhe renderia o título de barão, concedido pelo imperador Pedro I, em reconhecimento aos serviços prestados ao país e ainda com a rara honraria de poder escolher o nome do seu título. Como forma de celebrar o seu êxito no sertão maranhense, optou pela alcunha de Barão de Caxias, em referência à cidade em que os balaios conseguiram ir mais longe em sua causa.

O destino dos líderes, que se recusaram a abrir mão da luta, naturalmente seria o mesmo reservado a outras figuras chave de movimentos de revolta contra o poder central no Brasil, como Tiradentes, Antonio Conselheiro ou Samuel Beckman. Em 1841, o líder negro Cosme Bento seria o último grande cabeça do movimento a ser capturado, sendo executado na forca. Antes dele, Raimundo Gomes já havia morrido em condições não bem explicadas, enquanto era levado para o exílio em São Paulo, e Manuel Ferreira, o “balaio”, sucumbia depois de uma gangrena ocasionada por um ferimento em combate.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…