Pular para o conteúdo principal

A escola dos nativos digitais - Dicas práticas aos professores


Reflita e responda: A escola de hoje, de outubro de 2016, pode ser considerada nativa digital?

Para responder “de pronto” a essa pergunta, talvez você hesite, o que é muito natural considerando as diferentes possibilidades de análise. Mas, pense comigo... Se os alunos que estão na escola atualmente são os Nativos Digitais, e se a sociedade em que vivemos faz uso desenfreado das tecnologias digitais (realidade sem volta), então podemos responder afirmativamente que a escola de hoje é nativa digital. Mesmo que as políticas públicas para educação não consigam dar vazão, efetivamente, às demandas de infraestrutura para a Era Digital, o fato é que as tecnologias existem dentro das escolas, mesmo que seja no interior das mochilas dos alunos, ali escondidas, no formato de smartphones. Portanto, se entendemos que a escola é, em sua essência, representada pelos próprios alunos que a compõem, então temos sim uma escola nativa digital.
E é nesse contexto que eu apresento sugestões aos professores (em especial aos imigrantes digitais) de como encarar a Era Digital.
O que está ao nosso alcance mudar?

  1. O ESPAÇO DE APRENDIZAGEM – É saudável sair daquele espaço fechado da sala de aula e procurar uma diversidade de lugares e processos de aprendizagem individualizados e em grupo. Assim, a paisagem, o retrato da sala de aula não será mais o de 30 ou 45 alunos sentados, mas quatro a cinco num lado atuando em grupo, do outro lado outros cinco trabalhando individualmente, outros em outros espaços, de maneira que a escola se torne um local de enorme diversidade de lugares e processos de aprendizagem. Desta forma, o dia a dia do estudante não será mais feito de “aulas dadas” e sim de um conjunto de atividades significativas (em grupo, pesquisa, individual), muito mais rico e atrativo do que de lições estruturadas como vemos ainda hoje.

  1. O PAPEL DO DOCENTE – Está constatado que durante muitas décadas o acesso ao conhecimento foi feito por meio do professor. Ele transmitia. Na era Digital isso muda, pois os alunos chegam direto às informações, por meio da internet. Portanto, agora o papel do professor não será mais transmitir conhecimentos e sim atuar como um organizador da informação, que ajudará os alunos a construir a sua própria compreensão, para darem sentido a esse conhecimento.
(Se você ainda “dá aulas”, está perdendo o trem da história...)
Caberá ao professor dessa Era conduzir os alunos aos caminhos da pesquisa, dar orientação clara, promover trabalhos em grupo. Dessa forma, ele vai organizando, dando sentido às atividades, e não mais sendo ele o transmissor da própria informação. Sua função agora é disponibilizar as formas de acesso ao conhecimento e não mais “dar conteúdo”.

  1. A FORMA DE RELACIONAMENTO COM OS ALUNOS – Na pedagogia essa mudança se dá de um modo vertical e unilateral (de um professor para um grupo de alunos ensinados simultaneamente, tratando todos da mesma maneira) em direção a uma pedagogia da valorização das relações, não só entre professores e alunos, mas com todas as ligações que existem no espaço da sala de aula: entre alunos, alunos e professores, entre diversos tipos de alunos, entre diversos grupos, uma pedagogia da cooperação. Nóvoa, renomado estudioso da educação, ressalta que os alunos aprendem mais uns com os outros do que com professores (ele cita a experiência da escola de medicina de Harvard). Essa é a base da pedagogia da Era Digital.
E, para finalizar, a mensagem é pra você, professor. Toda mudança em educação requer que deixemos a nossa zona de conforto, mas o resultado nos traz crescimento e realizações. Experimente pequenas mudanças a cada dia, ciente de que: “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática”. Paulo Freire.


Um abraço e até a próxima semana!

Comentários

  1. Reflexão interessante!

    ResponderExcluir
  2. Sensacional Doutora!Temos que conhecer e nos adaptar a era digital!

    ResponderExcluir
  3. Sensacional Doutora!Temos que conhecer e nos adaptar a era digital!

    ResponderExcluir
  4. Excelente! Parabéns pelo artigo, Profa. Andréa Schoch! Eu achei interessante este termo que você usou: "Organizador da Informação"!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…