Pular para o conteúdo principal

As rebeliões pernambucanas no Brasil do século XIX

Estudo para Frei Caneca (1918), por Antonio Parreiras
Quando passamos o olhar pela história das nossas rebeliões políticas, uma constatação nos vem à mente: Pernambuco definitivamente é a terra do inconformismo no Brasil. Já no século XVII ocorria lá uma das mais importantes batalhas travadas em solo brasileiro até então, quando a população da província expulsou os holandeses. No início do século seguinte, foi a vez dos Mascates desenharem na história o que seria um dos mais emblemáticos movimentos nativistas do Brasil. Mas no alvorecer do século XVIII o espírito inconformista dos pernambucanos ganha toques de pensamento republicano. É quando têm curso dois movimentos revolucionários que seriam fundamentais para as importantes transformações políticas que aquele período reservaria ao país.

O primeiro deles é a chamada Revolução Pernambucana, o último grande movimento de rebelião do Brasil colônia, e que, diferentemente de muitos outros que não passaram da fase de conspirações, chegou a ações concretas de tomada de poder, sendo de certa forma uma espécie de sinal de alerta para os governantes de Portugal sediados no Rio de Janeiro, de alguma maneira influindo na decretação da Independência apenas cinco anos mais tarde. Aliás, medidas adotadas pela Família Real a partir de sua transferência para a colônia na América estariam entre os elementos motivadores do movimento pernambucano de 1817. Aumentando tributos e concedendo privilégios a setores ligados à burguesia inglesa, a Coroa portuguesa rompe o chamado Pacto Colonial, o que se revelaria extremamente prejudicial à população de um modo geral, mas principalmente aos proprietários rurais, o principal pilar da economia da colônia.

Em Pernambuco tais medidas cairiam como uma bomba entre os senhores de engenho, o que serviria para instalar um ambiente fortemente hostil contra a monarquia portuguesa, que com suas deliberações colaborava para aumentar ainda mais uma grave crise financeira, que levava ao empobrecimento de uma região antes próspera para a economia nacional. Uma violenta seca que teve seu ápice no ano de 1816 também contribuiria para o acirramento dos ânimos, levando a que os ideais sustentados pela bem-sucedida Revolução Francesa encontrassem naquele estado da região Nordeste um solo fértil. Membros da Igreja e de movimentos maçônicos muito atuantes na província se encarregariam de levar adiante o ideal de derrubar o sistema monárquico, expulsando Portugal e instituindo uma república.

Quando o movimento se encontrava em fase de estruturação, a notícia da conspiração chega ao governador da província Caetano Pires de Miranda, que manda prender os principais envolvidos. A reação popular, porém, seria grande, e tropas rebeldes iniciaram um movimento de tomada do palácio, resistindo às forças militares que tentavam garantir a integridade do governo monárquico. O episódio fortaleceu os revolucionários, que não demoraram a se espalhar por todo o Recife e decretar um governo provisório, composto por membros de vários setores e classes sociais. Algumas medidas então são tomadas com a finalidade de atrair a população como um todo e principalmente as elites para o movimento, como a extinção de alguns impostos e dos títulos de nobreza, a libertação de presos políticos e o aumento do salário dos militares.

Os revolucionários, interessados em solidificar suas pretensões, tentaram estender a rebelião a outros estados do Nordeste, como a Bahia e o Ceará, mas encontraram a resistência das tropas oficiais lotadas nessas províncias, bem como um menor interesse por parte da população. Também buscaram externamente apoio para seu movimento de independência, realizando contatos com pessoas influentes nos Estados Unidos, Inglaterra e até na vizinha Argentina. Isso seria decisivo para as ações de repressão por parte de dom João, que mandaria iniciar uma intensa ação militar contra os revoltosos, que não resistiria ao melhor preparo bélico das tropas da coroa. Os 75 dias de governo provisório revolucionário teriam fim, com a prisão de muitos rebeldes e a exemplar condenação à morte de líderes como Teotônio Jorge Martins e de Miguel Joaquim de Almeida Castro, o padre Miguelinho.

A Independência do Brasil não seria suficiente para frear o ímpeto revolucionário dos pernambucanos. Apenas dois anos depois da autonomia em relação a Portugal, já uma outra rebelião republicana movimentava a província. Em 1821, um pouco antes da independência, é organizada a chamada Junta Constitucionalista, um movimento autônomo que, paralelamente ao governo que se instalaria depois da derrota da rebelião de 1817, procurava disseminar um discurso liberal, de teor semelhante ao presente no ideário da Revolução Pernambucana – até porque as condições de insatisfação que motivaram essa rebelião ainda permaneciam –, mas encontravam a resistência das elites locais que estavam mais interessadas em participar do governo de D. Pedro I do que em movimentos separatistas. Os descontentes, novamente abrigados na igreja e nas lojas maçônicas, levaram adiante seus objetivos republicanos e decretaram em 1824 a Confederação do Equador. Como em 1817, os rebeldes buscaram obter êxito através do apoio de outras províncias, sendo novamente malsucedidos. Entre as novidades da nova rebelião estava a preocupação com a questão racial, algo praticamente inexistente na Revolução Pernambucana. Os revoltosos decretaram o fim do tráfico negreiro à província, o que acabaria sendo um elemento de discórdia, já que nem todos os segmentos participantes estavam interessados num rompimento tão profundo com as condições econômicas até então predominantes, como seria abdicar da mão de obra escrava.

Uma importante característica dos confederados era a participação popular entre os revoltosos, com destaque para a participação de pessoas de todas as raças e tipos sociais nas tropas. Essa presença de segmentos entre os menos favorecidos da província é apontado por historiadores como um dos fatores de enfraquecimento do movimento, pois muitos senhores de engenho e membros das elites temiam que essas forças populares alcançassem força após o êxito da revolução e assumissem uma situação de protagonismo na nova república que se formaria. Desse modo, premidos pela voracidade com que as tropas de d. Pedro I avançaram sobre os rebeldes e tendo ainda de enfrentar exércitos de mercenários como o comandado pelo famoso almirante Cochrane, os revolucionários acabaram sucumbindo. O destino de seus principais personagens seria, como se poderia esperar, dos mais trágicos, com degredos, confisco de bens e, naturalmente, pena de morte, como aconteceria com uma das figuras que mais emblematicamente passaria à história do pensamento republicano no Brasil, o Frei Caneca, imortalizado no Auto do Frade, do também pernambucano João Cabral de Mello Neto. Por conta da atitude revoltosa, a província de Pernambuco seria punida pelo governo imperial com a perda de muitas terras, dentre outras severas restrições. O sonho de um Brasil republicano, porém, não se apagaria e o final do século veria a queda da monarquia e marcaria definitivamente na história a memória do Leão do Norte como um lugar de inconformismo e luta a favor do ideal da igualdade.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissionalO salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o RegulamentoO primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – ReservasDepois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custoPara os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

PenedoConhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de MacacuSe você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960)Geração X (nascidos entre 1960 e 1980)Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995)Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…