Pular para o conteúdo principal

A espiritualidade celta: o cristianismo místico e singular nos confins da Europa

"São Francisco com os Animais", de Lambert de Hondt (1620 - 1655).

Com a derrocada da porção ocidental do Império Romano, mudariam de maneira significativa as estratégias de propagação do cristianismo ao longo do continente europeu. A igreja de base romana havia se configurado como uma instituição fortemente baseada em espaços urbanos, sempre mantendo em regiões mais afastadas de grandes cidades uma menor ação catequética, o que daria margem para a sobrevivência de muitas crenças e práticas religiosas por parte de povos pouco atingidos pela mensagem cristã. Sem o apoio do estado romano a atividade eclesiástica teve de buscar outros meios de expansão, o que faria através de muitas iniciativas missionárias, que teriam como alvo os povos naquele momento menos abastecidos da presença cristã. É nesse contexto que as afastadas terras insulares da Irlanda e outros pontos ao norte da Grã-Bretanha são apresentados às ideias propostas por Jesus. Como se tratavam de povos que sequer tinham sido romanizados, a ação de catequese teve de ser desenvolvida de maneira gradual, preservando muitas práticas religiosas locais. O resultado dessa conversão vagarosa, já que não se podia mais contar com a força avassaladora do estado, como aconteceu em outras partes da Europa, foi um cristianismo singular, repleto de conceitos místicos já admitidos pelos povos de origem celta que compunham a maioria das tribos que viviam naquela região.

Uma interessante contingência cultural favoreceu o estabelecimento do catolicismo naquela parte do continente. É que o sistema de organização em dioceses, tradicional na cultura da igreja, viria a ser bem aceito pelos grupos celtas que se cristianizavam. Apesar de não existirem em seus agrupamentos grandes cidades como havia no continente, o que inviabilizava o estabelecimento de grandes dioceses, seduziria o temperamento celta o caráter monárquico das instituições católicas. A ideia de religiosos agrupados em torno da autoridade de um líder (um abade, entendido como uma espécie de pai adotivo) era bastante conforme a certos costumes celtas, o que permitiu um florescimento relativamente rápido de núcleos católicos, principalmente na Irlanda e no sul do País de Gales.

No século V grande parte das terras habitadas por povos de origem celta já contava com comunidades cristãs. A prerrogativa de acatar a liderança dos líderes religiosos levaria a uma interessante diversidade de crenças e práticas religiosas entre os vários núcleos cristãos, já que desfrutavam do direito de estabelecer cultos e liturgias. Isso permitiria a presença de práticas místicas originárias de tempos muito anteriores à chegada da mensagem da igreja, o que incluía a sobrevivência de referenciais da antiga mitologia celta e principalmente da tradicional religiosidade dos bardos e dos druidas, figuras sempre muito prestigiadas no mundo celta. Dos poetas da tradição bárdica viria uma das mais originais contribuições dessa cultura para a história do cristianismo: os belos poemas de louvação e exaltação dos poderes e da beleza da natureza, aspecto básico da antiga religião celta, se encontravam agora com o universo das ideias propostas nos evangelhos.

Da combinação das referências religiosas cristã e celta nasceriam algumas ideias bastante renovadoras em relação à tradição católica dos primeiros séculos. Uma delas é a noção de uma espiritualidade fortemente centrada na força da criação. Louvar e se rejubilar diante das expressões da natureza era, na visão dos cristãos celtas, uma das mais importantes maneiras de glorificar a Deus. Tais práticas se destacariam fortemente dos costumes da igreja em outras partes da Europa, nas quais o contato com a divindade pressupunha o ambiente dos mosteiros e dos templos católicos. Ao invés da penumbra dos conventos, um cristianismo ao ar livre em meio às cores e formas do mundo natural. Ao contrário do que predominava na igreja como um todo, onde a força das ideias platônicas tendia a estabelecer a supremacia das coisas espirituais sobre as materiais, os cristãos celtas fundiam a experiência dos sentidos em contato com a natureza com um evento de fortalecimento da condição espiritual.

Esse espírito do cristianismo celta levaria muitos religiosos a encetar uma grande tarefa missionária pela Europa, pois em nada lhes contrariava a vida ao ar livre e a convivência com espaços bucólicos ou mesmo a companhia de animais. São emblemáticas nesse sentido as palavras de Columbano, um dos grandes referenciais do missionarismo celta: “Aqueles que desejam conhecer as grandes profundidades precisam primeiro perceber o mundo natural”. O espírito viajante dos peregrinos celtas seria responsável pela instalação de muitos núcleos cristãos ao longo de todo o continente europeu. Um deles seria o mosteiro fundado na cidade italiana de Bobbio no século VI, pelo próprio Columbano. Há comprovações históricas de que mais de 600 anos depois a instituição seria responsável por parte da formação religiosa daquele que seria um dos grandes vultos da cristandade: Francisco de Assis. Diante dessa constatação parece inevitável não relacionar a tradição cristã celta que marca a fundação do mosteiro e a proposta de cristianismo lançada pelo “Santo de Assis”, totalmente singular em relação ao catolicismo do século XII em que viveu. A mesma identidade entre a natureza e o criador, o mesmo amor por um cristianismo que não media distâncias, a mesma visão do evangelho como uma realidade a ser praticada na própria dinâmica da vida. Não faltou quem tenha relacionado criações franciscanas como “O cântico do irmão sol e da irmã lua” com o estilo das tradicionais poesias bardas. A forte presença de missionários cristãos celtas por toda a Europa haveria também de propiciar outras contribuições para a doutrina da Igreja. Uma delas é a confissão auricular, feita apenas entre o fiel e um religioso, com o objetivo de suscitar um exame íntimo de consciência por parte da criatura que se julgava em pecado, em substituição aos grandes eventos coletivos onde o fiel dividia com toda a comunidade seus desvios morais. O hagiológio católico também sofreria a influência dos cristãos celtas. Muitos santos eram primeiramente divindades ou espíritos cultuados desde as antigas tradições célticas pré-cristãs, que ao receberem o toque da canonização se tornavam compatíveis com a doutrina do catolicismo predominante.

O ocaso do cristianismo celta teria seu início principalmente no século VIII, quando muitas invasões de vikings obrigariam ao desmantelamento de muitos mosteiros instalados na parte insular da Europa, causando uma grande dispersão de fiéis e religiosos e principalmente dando fim às bibliotecas ali presentes, recheadas de escritos teológicos e de poemas de exaltação à criação. Mas não viria apenas de povos estrangeiros a extinção dessa cultura religiosa. À medida que uma religiosidade cristã celta vai se solidificando dentro do panorama da igreja católica muitas pressões vão surgindo para a unificação do culto e o consequente esvaziamento das manifestações célticas como parte das práticas cristãs. O prestígio de costumes religiosos proveniente de fontes druídicas era cada vez mais questionado, assim como certos rituais voltados para celebrar os ciclos agrícolas, uma sobrevivência muito persistente em comunidades cristãs celtas, eram condenados por muitas autoridades eclesiásticas como práticas não cristãs. As drásticas modificações promovidas na estrutura do catolicismo entre os séculos XI e XII, principalmente a instituição do celibato para os religiosos e a grande concentração de poder em torno da figura do papa, tratariam de praticamente inviabilizar a presença de expressões como a do cristianismo celta dentro das práticas católicas. Colaborariam muito para isso o surgimento e fortalecimento de novas ordens monásticas, muito mais identificadas com a visão de um catolicismo continental, como a ordem de Cister, por exemplo, que pouco a pouco imporiam uma certa marginalização ao cristianismo celta. Os grandes monastérios celtas cada vez mais eram dirigidos por monges não celtas, principalmente anglo-normandos, que não só ajudariam a pôr no esquecimento a religiosidade celta, como abririam caminho para desfechos políticos que culminariam em transferências de territórios tradicionalmente habitados por praticantes de cristianismo celta a senhores feudais aliados a setores então dominantes da igreja. A presença no catolicismo de expressões religiosas provenientes da cultura celta sofreria seu golpe final em 1152, quando em um sínodo realizado na cidade irlandesa de Kells se decidiria pela proibição das idiossincrasias celtas em toda a liturgia do catolicismo. O cristianismo ficaria definitivamente privado da força mística e da espiritualidade de uma das mais marcantes contribuições culturais já a ele agregadas.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…