Pular para o conteúdo principal

As 10 competências que a escola não desenvolveu


Pesquisas recentes comprovam uma carência de enormes proporções quando o assunto são competências para o mercado de trabalho. A revista Exame, respeitada pelos homens de negócio no Brasil, publicou recentemente os resultados de um estudo sobre as habilidades mais requeridas. Realizado pela Consultoria de Educação AfferoLab, extraiu informações importantes a partir da escuta de empresas de diferentes setores brasileiros (entre abril e maio de 2016). Abaixo está o resultado demarcado no quadro que aponta as 10 competências mais escassas no mercado, num índice que vai de 5 (mais escassa) até 0 (não escassa). Acompanhe:


Esses dados revelam claramente que a escola não está dando conta do desenvolvimento pleno dessas competências. Os dados falam por si. E, por mais incrível que possa parecer, as habilidades requeridas pelo mercado são também aquelas listadas pelo MEC para desenvolvimento educacional. Vamos pensar um pouco sobre isso?

Quando as pesquisas apontam um índice de escassez de 4,03 para resolução de problemas ou mesmo 3,48 para a falta de habilidade para comunicação oral e escrita, por exemplo, fica evidente que a educação brasileira precisa de providências urgentes para reverter esse quadro. Longe de esgotar o assunto, e ciente de que temos problemas de ordem política, econômica e cultural que influenciam o sistema de educação brasileiro, a ideia aqui é fazer um recorte sobre a relação direta entre a escassez de competências dos alunos e a formação de professores.

Se aceitamos a premissa de que o professor é o orientador do processo de aprendizagem do aluno para o desenvolvimento de competências, entendemos que, para que o professor seja um expert nessa tarefa, deve dominar também um conjunto básico de habilidades voltadas para o desenvolvimento e a aprendizagem.


Mas em que momento o professor desenvolve tais competências?

Trata-se de algo que é desenvolvido e implementado na sua própria formação. A pergunta que não quer calar: Como se prepara alguém para ser professor? O desafio básico é trazer o profissional para dentro da formação inicial. Como se forma um professor como profissional? Só é possível fazer isso se for através de outros bons docentes. Precisa haver o contato com outros que dominam a arte de orientar para o desenvolvimento de competências. É necessária uma rotina dentro dos programas de formação inicial. Estudantes de licenciaturas precisam estar desde o primeiro dia dentro das escolas de referência, mantendo contato diretamente com professores e com o ambiente escolar competente.
Esse já terá sido um grande passo para a formação inicial, porém não basta. É preciso que, ao iniciar efetivamente a vida profissional, o professor seja apoiado, participando de um contexto de colaboração. Nesta fase continua sendo indispensável que os iniciantes na profissão sejam mediados por outros que tragam boa cultura geral e domínio pedagógico, sugerindo caminhos e estratégias para o desenvolvimento de competências. Quem educa precisa estar aberto para desenvolver constantemente suas potencialidades.

A formação continuada, para professores, é vital para o sucesso do processo educacional. Mesmo quando ele acha que já tem uma boa bagagem é necessário refletir sobre a prática, sobre o novo, desenvolvendo novas competências. Enquanto há vida, há aprendizagem, há desenvolvimento. E, para que isso ocorra, as escolas precisam ser lugares com clima favorável, mais ricos, centros de formação, cultura e conhecimento, locais vivos, de pesquisa, na relação com os outros, da reflexão em conjunto, onde o que acontece é permeado pela aprendizagem continuada de professores. Analisar a  prática, o que fazemos bem, o que não fazemos bem. Como o aluno aprende melhor? Por que ele não está desenvolvendo competências?

Essa pauta é urgente! A mudança do quadro atual passa também e fundamentalmente pela formação inicial e continuada de professores.

Concluo com a frase de Paulo Freire: “Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão”.

Comentários

  1. A pergunta é: por que a Escola deve ser orientada para o mercado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente pergunta.
      Não acredito que a escola deva ser orientada para o mercado de trabalho, mas acredito sim que a escola tem em suas mãos os meios, formas e estratégias para possibilitar o desenvolvimento de competências, tais como criatividade, resolução de problemas, comunicação, raciocínio lógico, pensamento crítico, saber conviver, dentre tantas outras citadas, que permitam às pessoas serem sujeitos de transformação social, protagonistas da sua própria história.
      O mercado, nesse recorte, representa o espaço em que a “falta” (a lacuna deixada pela escola) aparece, se apresenta. Por isso ilustramos a questão trazendo o estudo realizado que aponta a tal falta.
      A escola tem uma função bastante superior, que é a de orientar para o desenvolvimento das máximas capacidades humanas, porém observe, como alguém pode ter suas máximas capacidades humanas desenvolvidas se não consegue raciocinar, se não sabe se comunicar, se não tem categorias de análise de pensamento que o permitam exercitar o pensamento crítico?
      Não faço apologia ao princípio ingênuo de que a escola deve se limitar aos ditames do capital, preparando indivíduos para o mercado de trabalho, mas entendo e acredito que aquele que teve a possibilidade de se desenvolver plenamente tira de letra as competências requeridas pelo mercado.

      Excluir
  2. Obrigada por participar e deixar o seu comentário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…