Pular para o conteúdo principal

Os passos para o planejamento de uma ação significativa


A palavra “plano”, etimologicamente, vem do latim: “Planu” – projeto claro; manifesto; lançar adiante; que inclui uma série ordenada de operações e de meios destinados a atingir um fim; intenção. É exatamente da falta de planejamento, isto é, de projeto claro, de intenções, que sofre o campo educacional nos dias de hoje. O pano de fundo dessa nossa realidade aponta uma crise marcada pela escola desvinculada da vida, passiva, apresentando aulas monótonas, com ranços de 600 anos atrás.

Embora haja experiências pontuais de avanço educacional, ainda temos um quadro de alto índice de reprovação, desinteresse e falta de motivação por parte de alunos e professores, entre outros problemas. O desafio e a mudança são necessários. A escola precisa assumir o seu lugar de humanização, de abertura, de desenvolvimento do ser humano e do prazer de aprender.

Um bom caminho para o avanço sonhado é a revisão da ação do professor, que precisa ser fonte de estímulo para que alunos cresçam e se desenvolvam por meio da aprendizagem significativa.

O primeiro passo para proporcionar isso ao estudante é conhecê-lo, através do diagnóstico, que é um dos elementos fundamentais para que se realize o planejamento do processo de aprendizagem. Conhecer a realidade implica conhecer os alunos, a comunidade local, ter um retrato geral do seu universo social, político, econômico e cultural.

Porém, só o retrato social do aluno e de seu contexto não bastam. É fundamental considerar como o estudante se desenvolve do ponto de vista biopsicossocial, o segundo passo. Entra em campo, então, a psicogênese, que é o estudo da origem e do desenvolvimento das funções psíquicas, considerando o homem biológico e social, participante de um processo histórico (conforme apontam Piaget e Vygotsky).

Cientes de como as funções psíquicas ocorrem e com o diagnóstico feito, então é hora de fazer escolhas pedagógicas iniciando por pensar em como comunicar, terceiro passo. Esta etapa, que é fundamental, é tratada por Vasconcellos como o momento de possibilitar o vínculo significativo inicial entre sujeito e o objeto a ser conhecido. É preciso, segundo o autor, “provocar a necessidade, acordar, desequilibrar”.

Ao planejar sua ação, o professor precisará lançar mão de estratégias para que o aluno dirija sua atenção, seu pensar, seu sentir e seu fazer sobre o objeto do conhecimento, e esta é uma ação intencional. Por isso mesmo, é fundamental que elabore um roteiro junto com os alunos para as aulas (quarto passo), lançando mão de estratégias adequadas à faixa etária em questão, lembrando que, dentre diferentes encaminhamentos pedagógicos e recursos didáticos, temos a história, que é um recurso altamente significativo para a aprendizagem.

A história captura o aluno, como bem esclarece Lili Flor, que é arte-educadora: “Desde sempre o homem precisou contar histórias para entender a vida”. Carla Passos, atriz e arte-educadora do Instituto Brincante, também reforça que “a narração de histórias está muito ligada à formação das pessoas, à construção do caráter da pessoa. A história não só traz vários ensinamentos, mas também faz com que nos identifiquemos nas personagens”.

Após a escolha de um bom enredo (história), entra o quinto passo, em que indicamos um olhar atento para com os elementos visuais dos recursos que serão utilizados em sala para conduzir, para orientar a aprendizagem, seja esse recurso um cartaz, um PowerPoint ou mesmo um atlas. Dicas práticas: verifique, minimamente, se a fonte está legível (para PowerPoint, no mínimo fonte 44 para títulos e 38 para o corpo do texto); se as imagens escolhidas estão coerentes com o enredo e com o objetivo da aula, lembrando que uma imagem vale por mil palavras.

Sugerimos, como sexto passo, que os professores procurem aperfeiçoar a sua oratória (dom de falar para melhor orientar) e sua retórica (dom de argumentar), por se tratar de elementos que conferem qualidade à ação educativa.

E, para fechar o texto de hoje, leia na sequência a história da Dona Comunicação, que, além de ser um recurso didático de grande expressão e significado, traz também um alerta sobre a necessidade de “realmente” conhecermos aqueles com quem vamos interagir, caso contrário corremos o risco de não nos comunicarmos efetivamente, pois “falar nem sempre é dizer”.


Dona Comunicação: História não escrita
Otávio, o caixa, por certo nunca ligara para problemas de comunicação. Falava e dizia. Pronto. O interlocutor que entendesse. Ignorava, talvez, que cada universo de ouvintes corresponde a um linguajar específico, um repertório.
Palavras como “isótopos” e “fissão” só costumam ser inteligíveis entre os iniciados em Física Nuclear. Expressões como “Malagueta diz que vai apagar o macaco” pode ser corriqueira entre os policiais e malandros, mas para outros mortais carece de tradução (Malagueta diz que vai matar o policial).
Otávio não atentava para isso e se julgava, decerto, possuidor de comunicação universal, acessível a qualquer repertório. Fazia e dizia. Quem ouvisse, que escutasse.
Assim, quando Terezinha lhe apresentou o cheque, ele nem imaginou que a cliente talvez não entendesse o idioma bancário.
– Por favor, moça, seu cheque é nominal a Terezinha Gomide, precisa de endosso.
Terezinha escutou, mas não ouviu.
(Pensando alto): – Nominal? Endosso? Endosso tem sabor de açúcar. Não, não é possível, não tem nada a ver.
– Desculpe seu Otávio, não entendi.
Otávio olha Terezinha com ar de estranheza diante da pergunta da cliente. Levanta seus olhos e diz:
– Simples, moça. Coloque sua firma aqui no verso.
Ainda sem ouvir, a cliente espichou-lhe o olhar interrogante.
(Pensando alto): – Verso? Firma? Que diabos. Antes “nominal”. Agora “verso”, “endosso” e também “firma”. Ora, eu não sou sócia de nada! Nem poeta!
Terezinha, atônita e envergonhada, achou de perguntar novamente.
– Perdão, seu Otávio, desculpe estar chateando o senhor. É que eu não sou muito boa para entender as coisas. Será que o senhor pode me explicar de novo?
Otávio, já sem nenhuma paciência, resmunga alguma coisa. De repente, deu-se o estalo. Pensou no repertório de Terezinha e tratou de adivinhá-lo. Fácil, pensou. Com sorriso de “psicologice”, foi virando o cheque e apontou com jeito de cúmplice:
– Olhe com atenção, coloque aqui seu nome. Assim como você faz no final da carta que manda pro seu namorado.
Terezinha iluminou-se. Decidida, pegou firme na caneta e lascou no verso do cheque: Com todo amor, um grande beijo, Terezinha.
Diante daquela Terezinha sorridente, Otávio, o caixa, foi apresentado à “Dona Comunicação”. Sentiu que há repertórios e repertórios. E que falar nem sempre é dizer.
Autor desconhecido.

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissionalO salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o RegulamentoO primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – ReservasDepois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custoPara os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

PenedoConhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de MacacuSe você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960)Geração X (nascidos entre 1960 e 1980)Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995)Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…