Pular para o conteúdo principal

Os passos para o planejamento de uma ação significativa


A palavra “plano”, etimologicamente, vem do latim: “Planu” – projeto claro; manifesto; lançar adiante; que inclui uma série ordenada de operações e de meios destinados a atingir um fim; intenção. É exatamente da falta de planejamento, isto é, de projeto claro, de intenções, que sofre o campo educacional nos dias de hoje. O pano de fundo dessa nossa realidade aponta uma crise marcada pela escola desvinculada da vida, passiva, apresentando aulas monótonas, com ranços de 600 anos atrás.

Embora haja experiências pontuais de avanço educacional, ainda temos um quadro de alto índice de reprovação, desinteresse e falta de motivação por parte de alunos e professores, entre outros problemas. O desafio e a mudança são necessários. A escola precisa assumir o seu lugar de humanização, de abertura, de desenvolvimento do ser humano e do prazer de aprender.

Um bom caminho para o avanço sonhado é a revisão da ação do professor, que precisa ser fonte de estímulo para que alunos cresçam e se desenvolvam por meio da aprendizagem significativa.

O primeiro passo para proporcionar isso ao estudante é conhecê-lo, através do diagnóstico, que é um dos elementos fundamentais para que se realize o planejamento do processo de aprendizagem. Conhecer a realidade implica conhecer os alunos, a comunidade local, ter um retrato geral do seu universo social, político, econômico e cultural.

Porém, só o retrato social do aluno e de seu contexto não bastam. É fundamental considerar como o estudante se desenvolve do ponto de vista biopsicossocial, o segundo passo. Entra em campo, então, a psicogênese, que é o estudo da origem e do desenvolvimento das funções psíquicas, considerando o homem biológico e social, participante de um processo histórico (conforme apontam Piaget e Vygotsky).

Cientes de como as funções psíquicas ocorrem e com o diagnóstico feito, então é hora de fazer escolhas pedagógicas iniciando por pensar em como comunicar, terceiro passo. Esta etapa, que é fundamental, é tratada por Vasconcellos como o momento de possibilitar o vínculo significativo inicial entre sujeito e o objeto a ser conhecido. É preciso, segundo o autor, “provocar a necessidade, acordar, desequilibrar”.

Ao planejar sua ação, o professor precisará lançar mão de estratégias para que o aluno dirija sua atenção, seu pensar, seu sentir e seu fazer sobre o objeto do conhecimento, e esta é uma ação intencional. Por isso mesmo, é fundamental que elabore um roteiro junto com os alunos para as aulas (quarto passo), lançando mão de estratégias adequadas à faixa etária em questão, lembrando que, dentre diferentes encaminhamentos pedagógicos e recursos didáticos, temos a história, que é um recurso altamente significativo para a aprendizagem.

A história captura o aluno, como bem esclarece Lili Flor, que é arte-educadora: “Desde sempre o homem precisou contar histórias para entender a vida”. Carla Passos, atriz e arte-educadora do Instituto Brincante, também reforça que “a narração de histórias está muito ligada à formação das pessoas, à construção do caráter da pessoa. A história não só traz vários ensinamentos, mas também faz com que nos identifiquemos nas personagens”.

Após a escolha de um bom enredo (história), entra o quinto passo, em que indicamos um olhar atento para com os elementos visuais dos recursos que serão utilizados em sala para conduzir, para orientar a aprendizagem, seja esse recurso um cartaz, um PowerPoint ou mesmo um atlas. Dicas práticas: verifique, minimamente, se a fonte está legível (para PowerPoint, no mínimo fonte 44 para títulos e 38 para o corpo do texto); se as imagens escolhidas estão coerentes com o enredo e com o objetivo da aula, lembrando que uma imagem vale por mil palavras.

Sugerimos, como sexto passo, que os professores procurem aperfeiçoar a sua oratória (dom de falar para melhor orientar) e sua retórica (dom de argumentar), por se tratar de elementos que conferem qualidade à ação educativa.

E, para fechar o texto de hoje, leia na sequência a história da Dona Comunicação, que, além de ser um recurso didático de grande expressão e significado, traz também um alerta sobre a necessidade de “realmente” conhecermos aqueles com quem vamos interagir, caso contrário corremos o risco de não nos comunicarmos efetivamente, pois “falar nem sempre é dizer”.


Dona Comunicação: História não escrita
Otávio, o caixa, por certo nunca ligara para problemas de comunicação. Falava e dizia. Pronto. O interlocutor que entendesse. Ignorava, talvez, que cada universo de ouvintes corresponde a um linguajar específico, um repertório.
Palavras como “isótopos” e “fissão” só costumam ser inteligíveis entre os iniciados em Física Nuclear. Expressões como “Malagueta diz que vai apagar o macaco” pode ser corriqueira entre os policiais e malandros, mas para outros mortais carece de tradução (Malagueta diz que vai matar o policial).
Otávio não atentava para isso e se julgava, decerto, possuidor de comunicação universal, acessível a qualquer repertório. Fazia e dizia. Quem ouvisse, que escutasse.
Assim, quando Terezinha lhe apresentou o cheque, ele nem imaginou que a cliente talvez não entendesse o idioma bancário.
– Por favor, moça, seu cheque é nominal a Terezinha Gomide, precisa de endosso.
Terezinha escutou, mas não ouviu.
(Pensando alto): – Nominal? Endosso? Endosso tem sabor de açúcar. Não, não é possível, não tem nada a ver.
– Desculpe seu Otávio, não entendi.
Otávio olha Terezinha com ar de estranheza diante da pergunta da cliente. Levanta seus olhos e diz:
– Simples, moça. Coloque sua firma aqui no verso.
Ainda sem ouvir, a cliente espichou-lhe o olhar interrogante.
(Pensando alto): – Verso? Firma? Que diabos. Antes “nominal”. Agora “verso”, “endosso” e também “firma”. Ora, eu não sou sócia de nada! Nem poeta!
Terezinha, atônita e envergonhada, achou de perguntar novamente.
– Perdão, seu Otávio, desculpe estar chateando o senhor. É que eu não sou muito boa para entender as coisas. Será que o senhor pode me explicar de novo?
Otávio, já sem nenhuma paciência, resmunga alguma coisa. De repente, deu-se o estalo. Pensou no repertório de Terezinha e tratou de adivinhá-lo. Fácil, pensou. Com sorriso de “psicologice”, foi virando o cheque e apontou com jeito de cúmplice:
– Olhe com atenção, coloque aqui seu nome. Assim como você faz no final da carta que manda pro seu namorado.
Terezinha iluminou-se. Decidida, pegou firme na caneta e lascou no verso do cheque: Com todo amor, um grande beijo, Terezinha.
Diante daquela Terezinha sorridente, Otávio, o caixa, foi apresentado à “Dona Comunicação”. Sentiu que há repertórios e repertórios. E que falar nem sempre é dizer.
Autor desconhecido.

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …