Pular para o conteúdo principal

Proposições para uma Educação Inovadora em 2017


A educação precisa desesperadamente se reinventar, abrir espaços para as inovações, pois, de todas as áreas, foi a que menos se transformou nos últimos séculos.

Para ilustrar o quanto a escola e a educação carecem de mudanças, fui perguntar à minha mãe, professora primária da escola de 1954, como era o ensino da época. A resposta foi rápida: uma média de 35 a 40 estudantes por turma, carteiras e alunos enfileirados, muito conteúdo no quadro, cópia, aulas expositivas, decoreba, conteúdos a vencer, todos aprendiam ao mesmo tempo a mesma coisa, perguntas só eram admitidas no fim da exposição feita pelo professor, a avaliação recebia um tratamento de média, o tempo de aula era bem definido e os alunos – em média – aprendiam... e por aí foi.

Para o século XX, nos tempos em que minha mãe “lecionou”, momento em que o Fordismo teve seu ápice (produção e fabricação em massa), essa forma de conduzir a educação, as metodologias e até mesmo a forma de avaliação funcionou muito bem, obrigada. Foi um sucesso! E por que funcionou tão bem? Porque o século XX foi um período tido como relativamente “simples” se comparado à complexidade deste em que vivemos.

Agora, em pleno século XXI, marcado por uma revolução assentada em tecnologias digitais e transformações científicas, há necessidade de uma quebra de praticamente todos os modelos tão bem-sucedidos que vigoraram no século anterior. E o que fazer diante desse quadro? Que modelo de educação cabe a esse novo contexto?

Para que a questão seja compreendida, vou contar-lhes um exemplo dado pelo professor e pós-doutor em Física pela Universidade de Utah, Estados Unidos, Ronaldo Mota. Citando o case “Indústria de fármacos (de medicamentos)”, ele expõe com clareza a mudança necessária e diz que qualquer um, quando tem uma dor de cabeça, busca remédios de sua escolha, alguns Novalgina, outros Tylenol... Chegamos ao balcão da farmácia, pedimos o paliativo de preferência e ninguém pergunta o nosso peso, circunstância, altura, idade. O remédio é ministrado assim, sem critérios, porque, em média, funciona para todo mundo, resolve. E o mais curioso é que, ao produzir aquela substância, a indústria de fármacos partiu do pressuposto de que o consumidor tem 32 anos, 78 quilos, 1,74 metro e é do sexo masculino. Qualquer divergência quanto a essa referência (peso, idade, circunstância, altura) é entendida como se o consumidor tivesse tomado princípio ativo demais, ou de menos. Como isso não é tão “grave”, a pessoa continua com a dor de cabeça ou se intoxica um pouco mais, sem com isso causar um drama significativo.

Por outro lado, sabemos hoje que, se um cardiopata é bem atendido em uma clínica adequada, ele vai ser orientado a fazer uma bateria de exames, incluindo genéticos, que lhe permitirão ser medicado de forma criteriosa e mais individualizada, com medicamentos específicos para sua disfunção biológica, idade e circunstâncias. É a chamada farmacogenética, que considera que determinados indivíduos podem reagir diferentemente ao mesmo tipo de remédio, dependendo da etnia ou outras variações genéticas. Isso é o século XXI, isso é uma nova revolução. A área de saúde e muitas outras estão cada vez mais personalizadas.

E, quanto à educação, como estamos trabalhando em pleno século XXI? Continuamos trilhando o mesmo caminho de 1954, priorizando a produção em massa, “oferecendo a todos o mesmo remédio”? A impressão que temos é a de que a escola parou no tempo, alheia à revolução científica e tecnológica. E o aluno parece estar sendo “catequizado” para um mundo retrógrado que está longe dos benefícios do século XXI.

Para sair deste lugar que hoje ocupamos, apresento algumas proposições gerais que podem ajudar a refletir e atuar de forma inovadora e contemporânea em educação.

Para facilitar a leitura, enumerei cada uma das proposições, mas que não estão ordenadas por prioridade, porque todas são igualmente importantes. São elas:

  1. O desenvolvimento de competências socioemocionais;
  2. O desenvolvimento de competências cognitivas;
  3. A aplicação de modelos inovadores e diversificados de encaminhamento pedagógico;
  4. A utilização de tecnologias digitais para gerar a interatividade e conhecer o modelo híbrido;
  5. O incentivo ao movimento maker e ao protagonismo do aluno;
  6. O exercício do novo papel como professor do século XXI;
  7. O investimento em Educação Continuada para professores.

Cada uma das proposições apresentadas acima merece um maior detalhamento, por isso resolvemos elaborar nosso próximo texto com esse objetivo, dando, inclusive, sugestões práticas de aplicação e indicando cases.

Acompanhe e descubra as possibilidades existentes em cada proposição e vamos juntos em busca de um 2017 que possa entrar para a sua história! Até lá!




Comentários

  1. Obrigada, sua observação é muito bem-vinda.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom. Aguardo o próximo com os detalhamentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata. Sim, na próxima terça daremos detalhamentos...Espero você.

      Excluir
  3. ótimo!!! Vindo da Dona Miroca, só podia ser coisa boa!!!

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente, alguns professores ainda seguem a mesma receita de 1954 para ensinar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade...Precisam urgente repensar postura e encaminhamento.

      Excluir
    2. É verdade...Precisam urgente repensar postura e encaminhamento.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…