Pular para o conteúdo principal

Proposições para uma educação inovadora 2017



Em 2012, 65 países participaram do Programme for International Student Assessment (PISA), o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, que ocorre a cada 3 anos, para alunos na faixa dos 15 anos, priorizando Matemática, Leitura e Ciências. No ranking, o Brasil ficou na 58ª posição. Situação alarmante! Em 2015, participamos novamente, e os resultados serão disponibilizados em 6 de dezembro de 2016.

E foi pensando em avanço no cenário educativo que apresentamos uma relação com sete diferentes proposições para quem deseja iniciar 2017 tendo a inovação como parceira educacional. Na semana passada, foi a vez de aprofundarmos ideias sobre a primeira proposição listada: O desenvolvimento de competências socioemocionais. Hoje daremos atenção especial à segunda proposição, a saber: O desenvolvimento de competências cognitivas.

Mas, afinal, o que são competências cognitivas?
Competência significa “a capacidade de um sujeito de mobilizar recursos visando abordar e resolver uma situação complexa” (MORETTO). Cognitivo é uma expressão relacionada ao processo de aquisição de conhecimento (chamado também de cognição). A cognição envolve fatores diversos, como o pensamento, a linguagem, a percepção, a memória, o raciocínio, etc., que fazem parte do desenvolvimento intelectual. Intelecto é a faculdade de conhecer, é a mente em exercício.

Portanto, juntando os dois conceitos, podemos dizer que Competência Cognitiva é a capacidade de movimentar um conjunto de elementos da ordem do pensamento, da linguagem, da percepção, da memória, do raciocínio, da estratégia, dentre outros que fazem parte do intelecto, para abordar e resolver situações complexas. Mas como isso ocorre na prática?

Quando ainda muito pequenina, lá na creche e depois na pré-escola, a criança deve ser estimulada a desenvolver o cognitivo primário, que é marcado pelo desenvolvimento sensorial (por meio dos sentidos), e logo de forma concomitante vai aflorando a atenção, percepção e as demais funções já citadas. Já no ensino fundamental, a criança continua aprimorando essas funções e vai abrindo espaço para outras aquisições, tais como a leitura, a escrita, o raciocínio lógico, a estratégia, os pensamentos dedutivo e indutivo. O melhor dos mundos ocorre quando as competências são exercitadas por meio da resolução de problemas ou desafios concretos/reais. Dessa forma, utilizando a função executiva do cérebro (responsável pelo planejamento e execução da tarefa), promove-se o exercício das funções cognitivas, especialmente na segunda fase dos ensinos fundamental e médio, quando o professor pode e deve lançar desafios possíveis e estimular a busca por soluções. É importante observar como o aluno utiliza seus recursos cognitivos, como compreende um problema ou desafio dado, como processa, analisa, sintetiza, categoriza as informações.

Observe que, por uma questão didática, estamos apresentando um recorte para Competência Cognitiva, cientes de que o processo de aprendizagem é amplo e complexo, e que acontece integrado ao desenvolvimento das competências socioemocionais, não sendo possível dissociá-las.

Depois dessa breve observação, vamos em frente com as seguintes perguntas: Quais são os encaminhamentos pedagógicos para desenvolvimento das competências cognitivas propostos pelo Ministério da Educação? Como promover o desenvolvimento cognitivo com as diferentes faixas etárias e níveis escolares?

Pais e profissionais da área de educação sabem que nos últimos anos o governo brasileiro implementou programas de avaliação, tais como: o Sistema de Avaliação do Ensino Básico (SAEB) e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), e que participou do PISA, chamando atenção para uma das dimensões do desenvolvimento humano, que é a competência cognitiva. Diante disso, e respondendo à primeira pergunta, destaco os links em que há uma descrição detalhada de como gerar desenvolvimento cognitivo, bem como as competências cognitivas priorizadas em cada um dos níveis de escolarização:


As indicações pedagógicas para o desenvolvimento cognitivo estão bem colocadas nos Parâmetros Curriculares e nas Diretrizes Nacionais, especificadas para cada nível do ensino básico.
Além disso, há outros sites que apresentam ideias práticas para o desenvolvimento de competências cognitivas, selecionadas dentro de três diferentes áreas: Matemática, Ciências e Comunicação. Consulte e aplique:

Pesquisa e Interpretação de dados:

Leitura e Interpretação:

Matemática:

Ciências:



Para cada atividade proposta, é necessário ter clareza do ritmo, nível e a realidade do aluno, de forma a manter a motivação, sem a qual nenhum estímulo para o cognitivo funcionará.

Comentários

  1. Muito bom Andréia.
    Na minha época, não fui instigada a aprender inglês, e agora adulta é uma dificuldade enorme. Por outro lado, quando era criança pude ter a oportunidade de aprender música, o que pra mim era uma brincadeira, era divertido. Creio eu, que quando somos crianças, absorvemos melhor as coisas, pq tdo para nós é uma brincadeira, e principalmente quando somos motivados e incentivados podemos desenvolver habilidades que quando adultos se tornam mais difíceis, não impossíveis, mas mais limitadas devido as nossas responsabilidades e correria do dia a dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, você tem razão, o lúdico desaparece da vida do adulto...Mas, sugiro que retome o inglês buscando uma metodologia mais adaptada ao seu estilo de aprendizagem. Você sabe identificar o seu estilo para aprender?

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…