Pular para o conteúdo principal

Zumbi e a luta que ainda continua

"Zumbi" (1927), de Antonio Parreiras

Zumbi é considerado a maior expressão da identidade afro-brasileira, tido por muitos como um grande herói nacional, em nada ficando atrás de figuras quase unânimes, como Tiradentes, ou de trajetória, digamos, discutível, como Duque de Caxias. É preciso considerar no entanto que a memória do grande líder negro foi menos historiada que construída, o que daria margem a muitas hipóteses e interpretações, daí o componente muitas vezes lendário ou mítico em torno de sua figura. Isso porque a documentação historiográfica referente a ele, além de esparsa, traz a peculiaridade de ter sido quase toda composta pelo olhar de seus inimigos, isto é, daqueles que se aplicaram na proeza de enfim debelar o resistente quilombo de Palmares.

Uma das questões mais nebulosas envolvem a sua origem, havendo discordância entre os historiadores se teria nascido no quilombo ou só depois teria lá chegado, o que seria determinante para saber se Zumbi nasceu livre ou escravo. Uma das versões da trajetória do líder de Palmares que se tornaram mais populares dá conta de que ele teria sido capturado numa das muitas investidas que bandeirantes costumavam aplicar em quilombos para raptar negros e tornar a vendê-los, atividade que se tornaria muito comum no nordeste brasileiro no século XVII. Teria então ido parar sob cuidados de um padre jesuíta, que o teria alfabetizado, ensinado o catecismo católico e iniciado nos ofícios religiosos, o que teria permitido que Zumbi fosse detentor de cultura incomum até para brancos naquela época.

Essas informações que envolvem a sua origem e formação partiram da obra do pesquisador gaúcho Décio Lopes, que afirmou ter encontrado documentos com esses conteúdos enquanto realizava pesquisas sobre outros assuntos em Portugal. Mas a obra do historiador é marcada por muita desconfiança por parte da comunidade de estudiosos desse período, de modo que, apesar de se popularizar e servir de base até para a composição de obras artísticas e literárias sobre a vida de Zumbi, não passa do conjunto de hipóteses e deduções que marcam esse momento da vida brasileira.

Os estudos sobre o quilombo é que têm levado a muitas deduções a respeito do papel de Zumbi em toda a saga de Palmares. Se de fato ele foi formado por escravos fugidos de fazendas, é muito provável que tenha sido habitado primordialmente por homens, pois as propriedades em geral continham um número muito pequeno de mulheres. Outra informação é que devia haver o amplo predomínio de africanos provenientes de cultura Angola ou bantu, com seus grupos linguísticos variados e os muitos conhecimentos agrícolas, pecuários e até de metalurgia já trazidos do continente de origem. É muito provável também que em Palmares a pouca presença feminina levasse a uma organização social poliândrica, isto é, na qual as mulheres tivessem vários maridos, o que não era incomum em certas regiões da África. Aliás, quanto a essa questão, deve-se levar em conta a presença na população de Palmares de muitos indígenas, como se deduz dos muitos objetos de cerâmica encontrados em escavações arqueológicas posteriormente realizadas na região da serra da Barriga, atividade que em geral ficava a cargo das mulheres. Isso dá margem à possibilidade até de que Zumbi tivesse sangue indígena, como já chegaram a cogitar alguns historiadores.

Uma circunstância histórica permitiu o crescimento demográfico de Palmares. A chegada dos holandeses a Pernambuco em 1630 mobilizou a atenção dos proprietários de terra, que passaram a concentrar esforços em expulsar os indesejados invasores, que vinham resolvidos a lutar pela exploração do rentável negócio da produção açucareira. Só quando se livraram definitivamente das tropas batavas, quase 25 anos depois, é que o controle do quilombo voltou a virar prioridade. Agora, porém, havia crescido muito, aumentado suas atividades exploratórias – o que significa dizer que, de alguma forma, também eram concorrentes dos grandes proprietários – e demandaria muito mais trabalho e energia para ser desalojado. Muitos escravos que haviam sido recrutados por seus senhores para lutar contra os holandeses se fortaleceram com a mudança de status e se aventuraram a viver em Palmares, reforçando o quilombo inclusive do ponto de vista bélico.

A boa notícia para a memória de Zumbi é que os feitos que lhe conferiram a condição de grande herói do povo negro (e até, por que não, de toda a população brasileira, já que o quilombo também registrava diversidade racial) desfrutam de importantes evidências históricas. Trata-se de sua atuação como líder de Palmares depois do acordo assinado por Ganga Zumba com as autoridades de Pernambuco em torno de 1678. O então grande comandante da resistência contra os proprietários de terra concordara com a proposta de desarticular o quilombo em troca da garantia de liberdade para todos os que tivessem nascido em Palmares, que então ganhariam terras, poderiam comercializar livremente e ainda se tornariam súditos da coroa. O problema era com aqueles que haviam fugido para a serra da Barriga em busca de sua liberdade, que teriam que ser restituídos a seus senhores, situação que talvez fosse até a do próprio Zumbi, já que não se tem certeza se sua condição original era a de livre ou de escravo. De qualquer modo, sua opção foi por combater toda forma de opressão patrocinada pelas classes dominantes de então.

Ganga Zumba e os que se beneficiariam do acordo já haviam deixado o quilombo e se instalado nas terras que lhes foram cedidas. Zumbi, que era uma espécie de imediato (algumas narrativas falam de um parentesco entre os dois), resolve então assumir a liderança e, ao lado dos que voltariam à condição de cativos, organiza uma nova resistência. A luta duraria ainda mais de dez anos até que as tropas lideradas por Domingo Jorge Velho, formada por quase dez mil homens segundo alguns documentos, conseguisse debelar definitivamente o quilombo. A captura de Zumbi ocorreria da mesma maneira que a de muitos outros grandes heróis, através de traição. O destino do corpo do líder negro de posse dos vencedores também não fugiria à regra: foi esquartejado e exposto, ato que pretendia apontar não só para a morte física como para o esquecimento histórico, o que obviamente não aconteceria.

A trajetória de Zumbi antecipa, dessa forma, muitos pontos das lutas populares contra os desmandos do sistema de exploração mercantilista que marcou os séculos da colonização brasileira. Da questão racial à da posse da terra, passando pelo direito à liberdade e a busca da igualdade, a posição obstinada do líder de Palmares passaria a ser uma referência, não apenas para as motivações dos afrodescendentes do Brasil na busca por desfazer o abismo causado pelos mais de três séculos de escravidão, como para todos os que se mobilizem em favor de uma sociedade mais justa e com oportunidades iguais para todos, ideal já alcançado no campo dos direitos sociais, mas ainda não definitivamente concretizado no dia a dia dos brasileiros.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

  1. Muito interessante este texto, vale a pena salvar e arquivar. Trabalhar este texto dará asas a imaginação para novos caminhos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …