Pular para o conteúdo principal

A origem da imprensa no Brasil

"A liberdade guiando o povo” (1830), de Eugène Delacroix.

A história da imprensa no Brasil tem início com a insólita situação de seu primeiro veículo de informação ser editado muito longe daqui, na Inglaterra. Os dados históricos, porém, ajudam a desfazer o espanto inicial. Tudo começa em torno da figura do jovem Hipólito da Costa, nascido na colônia de Sacramento, atualmente pertencente ao Uruguai, mas à época (1774) uma possessão de Portugal, que muito jovem vai para a Europa para se dedicar aos estudos. Em Coimbra forma-se em direito e filosofia, mas, seguindo o percurso comum para intelectuais da época, torna-se também conhecedor de outros campos do saber, como a botânica, a física e a mineralogia.

Depois de formado permanece na então metrópole e logo recebe o convite para viajar a serviço do estado, chegando assim ao México e aos Estados Unidos. Neste último tem uma primeira experiência de choque cultural que, no entanto, seria fundamental para sua formação como intelectual. Como deixaria registrado em um escrito sobre o tempo que passou na América do Norte, Hipólito teria ali seus primeiros contatos com as ideias liberais e com vários assuntos a elas correlatos, como o sistema bancário e a liberdade de culto e de imprensa.

Também passaria por uma outra experiência que seria fundamental em sua vida: conhece e entra para a maçonaria, que seria a causa de sua prisão quando, pouco depois de voltar à Europa, é nomeado para trabalhar para a Imprensa Real e, em missão, vai para Londres. Nos três anos em que ficaria encarcerado pela Santa Inquisição, acusado de difundir a causa maçônica, Hipólito se dedicaria a importantes reflexões e produziria muitos textos, nos quais se destacam as posições críticas à visão de mundo mantida em Portugal, que considera em situação de flagrante atraso em relação ao resto da Europa.

É quando, em 1805, consegue sair da prisão, com o auxílio de influentes irmãos de maçonaria, que Hipólito inicia o trabalho que marcaria a sua importância para os destinos de sua terra natal. Com a invasão de Napoleão a Portugal em 1807, muitos lusitanos foram viver na Inglaterra, o que lhe fez perceber a oportunidade de editar um periódico em língua portuguesa, aproveitando o contexto de total liberdade de informação que havia nesse país. Dessa forma, era fundado em 1808 o “Correio Braziliense”, que circularia de forma semestral até 1822, aos poucos se firmando como um dos mais importantes espaços de discussão de temas que seriam fundamentais para as transformações que o Brasil experimentaria pelos anos seguintes.

Uma das temáticas que passaram a frequentar os números iniciais do jornal foram as muitas críticas direcionadas à administração portuguesa, questões que se relacionavam diretamente com o Brasil, à época pertencente ao domínio português. Do atraso político à ausência de espírito de liberdade do pensamento, passando pela importância exagerada que a religião ainda possuía, o “Correio Braziliense” seria desde cedo uma tribuna aberta a contestadores da condução política de Portugal, bem como a outras causas relevantes num mundo que se debatia entre algumas questões que apontavam para grandes transformações. Talvez a mais importante delas fosse o percurso de independência das nações americanas do jugo do colonizador espanhol, processo que avança de forma muito intensa naqueles primeiros anos do século XIX. Hipólito seria não só um dos mais assíduos interlocutores de nomes importantes, como Simón Bolívar, o “libertador” da América, e seu predecessor Francisco de Miranda, como também as páginas do “Correio Braziliense” estariam sempre abertas para divulgar o pensamento dos que propunham a autonomia das até então colônias ibéricas.

O periódico fundado por Hipólito era publicado em formato de livro e trazia como subtítulo a inscrição “Armazém Literário”, já sugerindo sua predileção por um conteúdo mais crítico e analítico em detrimento do caráter noticioso. Em alguns pontos demonstrava um jornalismo muito avançado em relação a periódicos correlatos em outros países. Por exemplo, seria um dos primeiros a apresentar uma divisão por temas, antecipando o ainda atual sistema de editorias. Mesmo com apenas duas edições anuais e não contando com mais de 500 assinantes, a publicação seria sempre caracterizada por ser um espaço de veiculação de grandes ideias, principalmente aquelas voltadas para a elevação da situação do Brasil, motivo pelo qual por suas páginas seriam debatidos e defendidos temas altamente relevantes, como a Independência, a abolição da escravidão e a interiorização da capital.

Estudiosos da vida e da obra de Hipólito da Costa, como a historiadora Isabel Lustosa, o situam como membro de um grupo de intelectuais do século XIX que pensavam o Brasil como uma grande nação. Inicialmente como parte de um império luso-brasileiro – fora sempre um partidário da monarquia –, mas depois não hesitando em aderir à causa da independência, quando percebeu, a exemplo de figuras como José Bonifácio, que o pouco dinamismo da mentalidade política portuguesa inviabilizaria um projeto que permitisse que reformas modernizadoras chegassem ao Brasil. Mesmo depois da autonomia, não deixaria de abrir as páginas do “Correio Braziliense” para denunciar os abusos autoritários e centralizadores que marcaram os primeiros anos sob governo de D. Pedro I e mostrava-se também preocupado com a manutenção da unidade brasileira.

Mesmo vivendo muito tempo longe do Brasil, Hipólito dedicaria 14 anos de intensa produção jornalística e intelectual sobre o país, sendo capaz, mesmo a distância, de influenciar e formar opinião entre as cabeças pensantes da nação. Em vários de seus escritos demonstrou o desejo de voltar a sua terra natal e viver na mesma região em que passara sua infância, na atual cidade gaúcha de Pelotas, para onde sua família se mudara quando a colônia de Sacramento passara a pertencer aos domínios da Espanha após o tratado de Santo Idelfonso, assinado em 1777. Morreria em 1823, aos 49 anos, sem realizar o seu desejo de voltar ao Brasil, no qual viveria apenas 18 anos de sua vida.

Quando da fundação da nova (e interiorizada) capital do país, Brasília, em 1960, foi publicado o primeiro número do periódico que trazia o mesmo nome do que tinha sido fundado por Hipólito, inclusive preservando a grafia original, com a letra “z”. A marca tinha sido adquirida por Assis Chateaubriand, o grande magnata da comunicação de massa do Brasil de então, e em sua primeira página fazia o reconhecimento ao pioneirismo do fundador, ao estampar a inscrição “Londres, 1808, Hipólito José da Costa”. Em 2000, por iniciativa do Congresso Nacional, o intelectual passava a ser oficialmente considerado o patrono da imprensa no Brasil, e o dia 1º de junho, data em que o “Correio Braziliense” fora fundado na capital britânica, passou a ser celebrado como o Dia Nacional da Imprensa.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…