Pular para o conteúdo principal

Nossos ancestrais da América

Índios do Brasil, por Jaime Trindade.

Em 1639, o jesuíta Antonio Ruiz de Montoya escreve uma obra intitulada “O tesouro da língua guarani”, uma das primeiras fontes de conhecimento do idioma e da cultura desse povo. Ali podemos encontrar a palavra “tekó”, que o religioso traduziu como algo como “bem viver”. E é exatamente a partir desse sentido que podemos começamos a entender como os valores guaranis poderiam ser interessantes para uma sociedade envolta em tantos conflitos como a ocidental. “tekó” reflete a milenar experiência dos povos guarani na sua busca por uma felicidade baseada na harmonia entre a natureza e os seres que nela estão incluídos. Para esse povo, dentro dessa visão, não cabe a ideia de posse sobre a terra, por exemplo, uma vez que é a terra que contém todas as coisas, incluindo o homem. Daí a extrema valorização da natureza e de seus inúmeros recursos.

Na visão guarani, é na natureza que se estabelece um grande palco onde a reciprocidade e a inter-relação são praticadas, onde os seres trocam incessantemente e assim vão sustentando a harmonia da criação. Nesse contexto, compartilhar experiência é um requisito fundamental. Muito distante das hierarquias ocidentais nas quais deter um conhecimento representa possibilidades de conquistas sociais, os guaranis transmitem tudo o que sabem. Tanto entre si quanto com aqueles de outras culturas que porventura venham a conviver com eles. Um bom exemplo disso é a ciência da cura pelos elementos presentes na natureza, a sua medicina, fruto de uma elaboração milenar forjada no conhecimento da terra. Mesmo sendo prerrogativa dos líderes religiosos os procedimentos e rituais de cura, todos os integrantes detêm em algum grau o conhecimento sobre as ervas e plantas com suas propriedades curativas.

Num mundo como o ocidental, marcado por uma verdadeira guerra pelo direito de construir as narrativas e consequentemente alcançar o poder e a hegemonia, salta aos olhos a forma como os guaranis entendem a palavra. Originada da expressão dos mitos e deuses, a palavra é entendida como um bem supremo da natureza, que a ninguém pode negado. Ela se expressa não apenas como uma forma de reciprocidade, já que todos podem dispor dessa faculdade, como também no sentido do ritual. Por isso, o dia a dia dos guaranis é marcado pelo muito espaço concedido às rezas e cantos, através dos quais a palavra funciona como um elemento harmonizador da vida a dos seres. Ela é tão importante que aos líderes religiosos é delegada a tarefa de estabelecer o nome das crianças, o que acontece através de um meticuloso ritual no qual acontece a revelação da maneira como aquele indivíduo será chamado, o que, segundo sua crença, vai ser decisivo por toda a vida. Ao contrário do que acontece na cultura ocidental, onde quem detém o discurso também acumula o poder, para os guaranis a palavra é algo que emana dos mistérios da natureza.

A educação que os guaranis dispensam às crianças é um capítulo à parte nas lições que podemos retirar da cultura desses nossos ancestrais da América. Para eles, a condição de infância em nada os desqualifica frente aos mais velhos. Por isso, desce cedo os pequenos estão inseridos no dia a dia e nas questões que envolvem o grupo, podendo inclusive ter sua opinião acolhida numa eventual tomada de decisões. É no próprio convívio com a coletividade que ocorre, segundo eles, a formação do indivíduo. Por outro lado, os guaranis não partilham da ideia de que as pessoas possam ser moldadas pela sociedade. Cada um, sendo uma potência da natureza, pouco adianta desenvolver maneiras específicas de ensinar, pois toda criatura é uma obra em si, que por esse motivo aprende e ensina por si só. Uma visão que tem como resultado um profundo respeito pela personalidade alheia, o que inclui as crianças.

Esse sentimento de liberdade que o indivíduo guarani mantém em relação ao outro expressa-se na própria maneira como esse povo entende as finalidades da vida e seu papel na existência. Para eles, viver é desvendar o mistério que há em tudo e consequentemente nas outras pessoas. Tudo o que existe tem direito à vida e a ser preservado justamente porque existe pra revelar o mistério da vida. Não há consequentemente o sentido em classificar ou separar as criaturas em denominações como raça, cultura ou religião. É através desse olhar que grupos guaranis têm se mantido por muitos séculos, mantendo suas crenças e tradições, sem deixar de conviver com a cultura de não-índios e às vezes parecendo totalmente incorporado a ela.

Impotentes frente as concepções que presidem o caráter exploratório e mercantilista que predomina nas nações sul-americanas, os guaranis têm travado lutas atrozes e inglórias pelas terras que um dia puderam ser desfrutadas por seus antepassados, e não foram poucos os prejuízos que sofreram não apenas ao longo do processo de colonização como ainda hoje. Mas de qualquer forma aí estão, mantendo suas visões de mundo e oferecendo sempre a oportunidade para que os filhos do continente, independente das referências culturais que trazem, possam renovar a vida e resolver as grandes e difíceis questões do mundo atual, fazendo um futuro a partir do passado e da sabedoria dos primeiros americanos.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …