Pular para o conteúdo principal

Nossos ancestrais da América

Índios do Brasil, por Jaime Trindade.

Em 1639, o jesuíta Antonio Ruiz de Montoya escreve uma obra intitulada “O tesouro da língua guarani”, uma das primeiras fontes de conhecimento do idioma e da cultura desse povo. Ali podemos encontrar a palavra “tekó”, que o religioso traduziu como algo como “bem viver”. E é exatamente a partir desse sentido que podemos começamos a entender como os valores guaranis poderiam ser interessantes para uma sociedade envolta em tantos conflitos como a ocidental. “tekó” reflete a milenar experiência dos povos guarani na sua busca por uma felicidade baseada na harmonia entre a natureza e os seres que nela estão incluídos. Para esse povo, dentro dessa visão, não cabe a ideia de posse sobre a terra, por exemplo, uma vez que é a terra que contém todas as coisas, incluindo o homem. Daí a extrema valorização da natureza e de seus inúmeros recursos.

Na visão guarani, é na natureza que se estabelece um grande palco onde a reciprocidade e a inter-relação são praticadas, onde os seres trocam incessantemente e assim vão sustentando a harmonia da criação. Nesse contexto, compartilhar experiência é um requisito fundamental. Muito distante das hierarquias ocidentais nas quais deter um conhecimento representa possibilidades de conquistas sociais, os guaranis transmitem tudo o que sabem. Tanto entre si quanto com aqueles de outras culturas que porventura venham a conviver com eles. Um bom exemplo disso é a ciência da cura pelos elementos presentes na natureza, a sua medicina, fruto de uma elaboração milenar forjada no conhecimento da terra. Mesmo sendo prerrogativa dos líderes religiosos os procedimentos e rituais de cura, todos os integrantes detêm em algum grau o conhecimento sobre as ervas e plantas com suas propriedades curativas.

Num mundo como o ocidental, marcado por uma verdadeira guerra pelo direito de construir as narrativas e consequentemente alcançar o poder e a hegemonia, salta aos olhos a forma como os guaranis entendem a palavra. Originada da expressão dos mitos e deuses, a palavra é entendida como um bem supremo da natureza, que a ninguém pode negado. Ela se expressa não apenas como uma forma de reciprocidade, já que todos podem dispor dessa faculdade, como também no sentido do ritual. Por isso, o dia a dia dos guaranis é marcado pelo muito espaço concedido às rezas e cantos, através dos quais a palavra funciona como um elemento harmonizador da vida a dos seres. Ela é tão importante que aos líderes religiosos é delegada a tarefa de estabelecer o nome das crianças, o que acontece através de um meticuloso ritual no qual acontece a revelação da maneira como aquele indivíduo será chamado, o que, segundo sua crença, vai ser decisivo por toda a vida. Ao contrário do que acontece na cultura ocidental, onde quem detém o discurso também acumula o poder, para os guaranis a palavra é algo que emana dos mistérios da natureza.

A educação que os guaranis dispensam às crianças é um capítulo à parte nas lições que podemos retirar da cultura desses nossos ancestrais da América. Para eles, a condição de infância em nada os desqualifica frente aos mais velhos. Por isso, desce cedo os pequenos estão inseridos no dia a dia e nas questões que envolvem o grupo, podendo inclusive ter sua opinião acolhida numa eventual tomada de decisões. É no próprio convívio com a coletividade que ocorre, segundo eles, a formação do indivíduo. Por outro lado, os guaranis não partilham da ideia de que as pessoas possam ser moldadas pela sociedade. Cada um, sendo uma potência da natureza, pouco adianta desenvolver maneiras específicas de ensinar, pois toda criatura é uma obra em si, que por esse motivo aprende e ensina por si só. Uma visão que tem como resultado um profundo respeito pela personalidade alheia, o que inclui as crianças.

Esse sentimento de liberdade que o indivíduo guarani mantém em relação ao outro expressa-se na própria maneira como esse povo entende as finalidades da vida e seu papel na existência. Para eles, viver é desvendar o mistério que há em tudo e consequentemente nas outras pessoas. Tudo o que existe tem direito à vida e a ser preservado justamente porque existe pra revelar o mistério da vida. Não há consequentemente o sentido em classificar ou separar as criaturas em denominações como raça, cultura ou religião. É através desse olhar que grupos guaranis têm se mantido por muitos séculos, mantendo suas crenças e tradições, sem deixar de conviver com a cultura de não-índios e às vezes parecendo totalmente incorporado a ela.

Impotentes frente as concepções que presidem o caráter exploratório e mercantilista que predomina nas nações sul-americanas, os guaranis têm travado lutas atrozes e inglórias pelas terras que um dia puderam ser desfrutadas por seus antepassados, e não foram poucos os prejuízos que sofreram não apenas ao longo do processo de colonização como ainda hoje. Mas de qualquer forma aí estão, mantendo suas visões de mundo e oferecendo sempre a oportunidade para que os filhos do continente, independente das referências culturais que trazem, possam renovar a vida e resolver as grandes e difíceis questões do mundo atual, fazendo um futuro a partir do passado e da sabedoria dos primeiros americanos.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissionalO salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o RegulamentoO primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – ReservasDepois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custoPara os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

PenedoConhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de MacacuSe você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960)Geração X (nascidos entre 1960 e 1980)Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995)Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…