Pular para o conteúdo principal

Proposições para uma educação inovadora em 2017


O movimento Maker surgiu na Califórnia, em 2005, com o objetivo de dar às pessoas a oportunidade de consertar seus objetos e máquinas e construir outros, além de reduzir o descarte e o consumo. O movimento parte da tônica “faça você mesmo”, tendo como base a ideia de que qualquer pessoa pode “construir, consertar, modificar e fabricar“ os mais diferentes tipos de projetos e objetos usando a mente e as próprias mãos. A cultura Maker teve impulso com o lançamento da revista Make Magazine e a partir de uma feira anual, a Make Faire, idealizada e lançada pelos fundadores do movimento, que reunia um universo significativo de pessoas, entre 50 e 125 mil, em três das maiores cidades dos Estados Unidos. A partir de então, muitos se juntaram aos makers (fazedores) e foram, inclusive, apoiados e seguidos por empresas e por pessoas de espírito empreendedor.
E foi com essa lógica que o movimento maker, encabeçado por educadores e especialistas, estendeu-se à área da educação, como uma estratégia para estimular o desenvolvimento do raciocínio lógico e o pensamento criativo, colocando o educando para pensar em como é possível construir ou consertar, assumindo o papel de protagonista no processo de elaboração e criação. Entre os estudiosos da educação que defendem a relação entre cultura Maker e aprendizagem está o professor Luciano Meira, da Universidade Federal de Pernambuco, que aponta a necessidade de os alunos mergulharem no que é de ordem prática, em contraponto ao modelo atual, centrado na teoria desvinculada da prática.
A estratégia de aplicação do “faça você mesmo” se apresenta tanto nas mais simples criações, realizadas por meio de ferramental simples, quanto na adoção de tecnologias de programação mais sofisticadas. Existem escolas que contam com laboratórios bem equipados e ferramental específico, como, por exemplo, impressoras 3D que cortam a laser, mas há outras que, mesmo não tendo aparatos tão sofisticados das novas tecnologias, organizam-se e abrem espaços para o exercício do maker, que pode ser realizado de forma simples, quando a escola dá aos alunos a oportunidade de colocar a mão na massa e aprender, tendo como possibilidade o pensar criativo e buscando soluções para questões que se apresentam no dia a dia e que podem ser solucionadas por eles mesmos.
Essa prática, além de resultar em belos frutos, tem gerado aumento no rendimento escolar de muitos alunos. E a pergunta que surge é: como fazer para colocar em prática essa ideia na escola?
Cristiano Sieves, especialista em Ludopedagogia, oferece três sugestões iniciais e certeiras para a implantação do maker na escola:
  1. A criação de um espaço maker, que pode ser uma sala de aula transformada em laboratório ou oficina, de forma que os alunos disponham de bancadas para manipular os objetos, criar, consertar, projetar. Sieves também sugere que o laboratório criado disponibilize materiais diversificados, tais como botões de roupa até materiais reciclados, cola, madeira e tantos quantos nossa criatividade aportar.
  2. Estímulo à formação da comunidade maker na escola, em que professores e alunos se unam com esse propósito. É preciso planejamento claro entre os educadores para que as aulas sejam espaços de enriquecimento prático.
  3. Intercâmbio entre makers, isto é, participação em workshops, outras oficinas realizadas fora da comunidade escolar ou troca de experiências que podem ser feitas por meio de videoconferência ou webconference, utilizando as novas tecnologias de comunicação de forma criativa para aproximar os distantes.

E o que os alunos testemunham?
O Instituto Porvir publicou recentemente o depoimento da aluna Maria Seixas Braga, do colégio Visconde de Porto Seguro, unidade Panamby, em São Paulo. Com 12 anos, ela já criou o próprio abajur, que conta com um sensor inteligente de luminosidade, cujo projeto foi desenvolvido com uma cortadora de vinil e um software de programação para Arduino. Em depoimento ao portal Porvir, a aluna explica: “Aqui a gente desenvolve muito esse trabalho maker. O professor explica o projeto, e o restante a gente faz por conta”.
Outro case de aplicação em escola, que atende crianças em situação de vulnerabilidade social e apontou resultados muito satisfatórios, ocorreu recentemente por meio do Projeto Âncora, em Cotia, São Paulo. Um professor da escola percebeu que, em dado momento de descontração, os alunos estavam brincando em volta de uma torneira, desperdiçando água potável sem perceber. A partir daquela situação, ele lançou para a classe a problemática da crise hídrica de São Paulo. Depois de oito meses de trabalho, os estudantes construíram um captador de água da chuva, depois de terem estudado física, química, geografia e matemática para entender a questão da seca. Pura aplicação de cultura maker.
Conheça outras boas experiências como essas acessando:
MENEZES, Karina; HARTMANN, Marcel. Aos poucos, cultura maker chega às escolas. Disponível em: http://infograficos.estadao.com.br/e/focas/movimento-maker/cultura-maker-e-coadjuvante-nas-escolas.php

SIEVES, Cristiano. 3 exemplos de como incentivar o movimento maker na educação. Disponível em: http://playtable.com.br/blog/3-exemplos-de-como-incentivar-o-movimento-maker-na-educacao/



Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custo Para os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…