Pular para o conteúdo principal

A força histórica de São Sebastião

Primeiro Martírio de São Sebastião, por Benedito Calixto
Já houve quem dissesse que um santo é uma espécie de ser de duas histórias. Uma feita por ele mesmo, durante sua vida, e outra, após a sua morte, construída pela fé dos crentes. São Sebastião, o militar de Narbonne, martirizado no século III da cristandade, é um grande exemplo. A combinação de mártir e combatente parece ter se revestido de um valor muito especial no olhar dos seus devotos, principalmente na superimaginativa mente dos homens medievais, responsáveis pela criação de grandes simbioses entre o profano e o sagrado.

Estes o qualificaram por supostamente interceder na cura de doenças e moléstias, como ocorreria principalmente em momentos graves como o da peste negra, no século XV. Dentro disso, cabe destacar a relação que foi construída entre São Sebastião e as chamadas Lendas Carolíngias, conjunto de contos cavalheirescos que em princípio buscam retratar os feitos bélicos de Carlos Magno, em sua saga de unificar a Europa Ocidental sob um único reino cristão. No contexto da Idade Média, porém, esses relatos deixam de ser meras narrativas de acontecimentos passados para alcançar a condição de contos fantásticos, regados aos mais diversos aspectos místicos e misteriosos, verdadeiras pérolas da literatura.

Aqui no Brasil, durante a guerra do Contestado, por exemplo, os contos Carolíngios já eram de conhecimento popular e não foi difícil que toda a crença daqueles tempos associasse os Pares de França (a famosa guarda pessoal do rei Carlos Magno) ao exército de São Sebastião, todos reunidos e organizados para lutar pela justiça e pelo restabelecimento da paz naquela região do sul do Brasil. Levado àquele contexto de espera messiânica através do mito português do retorno do homônimo Dom Sebastião, o santo também seria relacionado à dinastia fundada pelo “Pai da Europa moderna” porque partilhava com ela dos mesmos dons de cura.

Certa tradição prega que aos reis da dinastia anterior (os Merovíngios) eram concedidos excepcionais poderes curativos pois supunha-se que esses monarcas eram descendentes de uma linhagem que remontava ao próprio Jesus. Carlos Magno depõe os reis dessa dinastia, mas a fé em seus poderes permaneceria no ideário popular, agora transferida para os Carolíngios apesar de estes não estimularem essa crença e nem praticarem atos nesse sentido. Dessa forma, o beato José Maria, figura importante do conflito do Contestado, ainda que de modo totalmente inconsciente, não teria feito outra coisa senão promover, nas primeiras décadas do século XX, um retorno a um mito medieval muito antigo, conseguindo com isso mobilizar forças para as lutas que se estabeleceriam no sul do continente americano, ainda que o seu objetivo fosse apenas ser um instrumento da justiça de Deus e não aparecer como um revolucionário rebelde.

E ao se falar da presença de São Sebastião na cultura brasileira não se poderia jamais deixar de lado a relação do santo com a cidade do Rio de Janeiro. Essa história se inicia já no século XVI quando o antigo militar foi “visto” em plena luta dos portugueses contra os franceses aliados aos índios tamoio, na Batalha das Canoas em 1566. Pouco antes disso, em outro conflito travado nas águas da baía de Guanabara, os portugueses teriam conseguido escapar de forma inacreditável de um assalto de índios inimigos. A situação era tão dramática, que não ter sucumbido foi considerado um grande milagre e, naturalmente, atribuído a São Sebastião. O acontecimento foi muito comentado pelas tropas portuguesas ao ponto de ser aumentado e constituir mais uma espetacular lenda ligada às suas supostas virtudes guerreiras.

Para aumentar ainda mais essa ligação da então futura capital do Brasil com o santo, a batalha final que frustrou os planos de estabelecimento da França Antártica, expulsando definitivamente os invasores, ocorreu num 20 de janeiro, dia a ele consagrado. Completando o quadro, o fundador da cidade, Estácio de Sá, seria morto em combate, do mesmo modo que o militar romano, só que com uma flecha lhe atingindo o rosto. Ironicamente, ao fundar pouco tempo antes a cidade em homenagem ao santo, Estácio estabelecera o brasão con­tendo as três flechas cruzadas, que até hoje está presente na insígnia da Cidade Maravilhosa.

Com a imensa popularidade na cultura brasileira, e com o caráter guerreiro e destemido de sua história, São Sebastião obviamente não deixaria de ter importância também para as manifestações da religiosidade indígena e afro-brasileira. O sincretismo que vai se construir em torno da figura do santo é bastante sin­gular por envolver simbologias religiosas das três raças que em tese compõem a cultura brasileira. Primeiro porque é associado a Oxóssi, o orixá do panteão iorubá que se notabiliza pelos seus atributos de caçador, sendo considerado o senhor dos animais mais temidos do ambiente natural africano, como os elefantes e rinocerontes. Como seus instrumentos de caça são o arco e a flecha, o sincretismo vai relacioná-lo ao martírio de São Sebastião, que resistiu aos ataques dessa mesma arma da qual Oxóssi é mestre.

Por outro lado, a habilidade de caçar nas savanas foi adaptada na vinda da crença desse orixá para o Brasil, passando ele a ser agora senhor das matas tropicais. Nessa nova configuração, Oxóssi se identifica com a cultura indígena brasileira e, de alguma forma, se “cabocliza”, passando a figurar também nas crenças nas divindades dos nativos da América. Torna-se assim o protetor de todos esses habitantes das florestas, deixando de ser o terror das caças e passando a ser o seu grande protetor.

Em seu novo “habitat” Oxóssi também é relacionado ao domínio de outros habitantes das matas além dos animais, como as folhas e ervas, base dos artigos terapêuticos nas culturas indígena e cabocla. A Oxóssi então se recorre na cultura popular para as curas e tratamentos a partir da força dos vegetais presentes nas matas. A fé em São Sebastião, que também é da alçada popular pela via da religião dos colonizadores europeus, em nada se conflita com a crença nos atributos terapêuticos de Oxóssi, haja vista que ele é o santo das pestes, ao qual se recorre nas grandes epidemias e para as mais diferentes enfermidades.

A devoção a São Sebastião é um grande exemplo de como a trajetória de uma personalidade através dos tempos pode receber novos elementos e responder a outras configurações culturais. De uma história carente de maiores comprovações historiográficas de um militar do século III depois de Cristo pode emergir uma série de novas motivações que culminam em eventos que são efetivamente história. A fertilidade criativa e dinâmica do mundo da Idade Média do ocidente cristão encontra acomodação no misticismo do mundo afro-indígena brasileiro e adapta um personagem a um novo contexto, que serve a novos anseios humanos. É quando o mito produz história, e a história garante a permanência do mito.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …