Pular para o conteúdo principal

O que está por trás de uma sexta-feira 13?

São Miguel e o dragão, de Rafael Sanzio

E eis que nos deparamos com a primeira sexta-feira 13 do ano. Para alguns um dia comum, como outro qualquer. Para outros, talvez a grande maioria, uma data recheada de simbolismo e significados, seja como prenúncio de boas coisas ou como indicativos de apuros pelo caminho. Mas o fato é que, popularizada pelo cinema com filmes de terror ou idealizada pelos interessados em assuntos místicos, a coincidência entre o dia 13 e aquele que para nós é o último dia útil da semana tem raízes muito mais antigas do que muitos poderiam pensar.

E uma delas certamente se refere àquele que é tido como o “Pai dos Números”, Pitágoras. O pensador grego que viveu no século VI a.C. acreditava que os números estavam na base de tudo o que havia na natureza, que assim podia ser conhecida em seus princípios essenciais através do estudo das propriedades numéricas. Para ele os números de 1 a 9 estavam mais próximos da divindade, sendo considerados puros e originais. Já aqueles formados por dois algarismos, com exceção do 11 e do 22, deveriam ser decompostos até se chegar a um dos números puros. Assim, o 13 seria pensado como 1 + 3, que daria origem ao 4, que no misticismo pitagórico se destaca pela formação das figuras geométricas regulares e equilibradas, como o quadrado e o retângulo, símbolos da razão e da objetividade. Uma característica portanto positiva num mundo moderno regido pelo conhecimento científico e pela precisão dos números.

Mas o 13 também contou com a história e seus personagens para receber um sentido negativo, e nesse ponto de vista a cultura cristã está repleta de episódios envolvendo o numeral. Um deles estaria relacionado aos conhecidos e misteriosos Cavaleiros Templários, que passaram a sofrer cruéis perseguições na Europa, depois de se recusarem a incluir em seus quadros o rei francês Filipe IV. Ele achava que seu trono estava em perigo pelo grande poder que nele era desfrutado pela igreja Católica e queria se abrigar na ordem. Enfurecido, o monarca teria ordenado no dia 13 de outubro de 1309 a extinção dos membros, o que inaugurou um período de muitas perseguições e intolerância pelo continente.

É também da cultura cristã medieval uma outra possibilidade envolvendo a sexta-feira 13. No período em que povos chamados “bárbaros” invadiram a Europa, algumas tribos de origem nórdica, de crença politeísta, passaram a amaldiçoar algumas de suas antigas divindades à medida que foram se convertendo ao cristianismo. Uma delas, Frigga, deusa do amor e da beleza, passou a ser repudiada e sobre ela foram sendo construídas muitas narrativas que expressavam suas supostas ligações malignas. Segundo uma delas, a antiga divindade e agora uma bruxa costumava se reunir com outras 11 feiticeiras e mais o demônio para amaldiçoar os cristãos. Mulheres, aliás, estariam sempre envolvidas nesses assuntos misteriosos e fantásticos, como se pode constatar, por exemplo, pelo dia de sexta-feira que muitas crenças místicas reputam a divindades femininas, como Vênus, Afrodite e até a Iemanjá do nossos cultos afro-brasileiros. Quase sempre perseguidas a amaldiçoadas pelos seus supostos dons divinatórios e encantadores.

A sexta-feira e o número 13 também aparecem relacionados a passagens bíblicas. Não se pode esquecer que a paixão de Cristo ocorreu numa sexta-feira, e que a Santa Ceia, momento decisivo da trajetória de Jesus, quando ele propõe a aliança com os apóstolos e anuncia o martírio ao qual será submetido, era composta por 13 pessoas, como se pode ver na cena clássica imortalizada por vários pintores do mundo cristão. Num sentido menos histórico e mais esotérico, o 13 convertido em 4, como vimos acima no misticismo pitagórico, além de remeter ao quadrado, também pode ser associado a outra figura geométrica carregada de simbolismo, a cruz, que lembra o sacrifício do Cristo e com isso enfatiza as ideias de redenção e transformação, tidas como caminhos fundamentais e inevitáveis para os seres humanos. Ah, e há também a figura da mãe de Jesus, Maria, que ganha importância no catolicismo e é encarada como a 13ª integrante do colégio apostólico, no lugar do traidor Judas. E foi ainda num dia 13, do mês de maio, que ocorreu uma das mais conhecidas das ditas “aparições” de Nossa Senhora, na cidade portuguesa de Fátima.

Estudiosos da Bíblia afirmam a presença do número 13 em pelo menos 19 oportunidades ao longo das Escrituras, o que faz dele um importante fator numa obra que frequentemente é analisada com apoio nas antigas ciências numerológicas. Principalmente naqueles momentos em que aparentemente não há uma explicação lógica para a opção por aquele número, como ocorre por exemplo quando os textos anunciam a circuncisão de Abraão aos 13 anos de idade, que Josué e seu exército conquistaram Jericó depois de dar 13 voltas em torno da cidade ou que foram gastos 13 anos para construir a morada do rei Salomão.

Para confirmar a teia de mistério envolvendo o número 13 basta lembrar também que ele está presente em uma das mais geniais descobertas da matemática, a famosa Sequência de Fibonacci. Encontrada no início do século XIII pelo italiano Leonardo de Pisa, está relacionada a antigas medidas que já haviam sido estabelecidas pelos gregos e refletiriam a perfeição das formas da natureza. A sequência na verdade trabalha com a ideia de um número como resultado da soma de seus dois últimos antecessores. O interessante da descoberta é que, a partir daí, foi possível entender as inúmeras proporções presentes no mundo natural, fazendo dela uma espécie de “medida divina”, como aliás buscavam os antigos.

E matematicamente não para por aí: o 13 também pode ser entendido como a soma do primeiro número primo (o dois) com o que imediatamente lhe antecede (o onze). Resulta ainda da soma dos quadrados dos dois primeiros números primos (22 + 22 = 13). Ufa! Revirado pela matemática, dá pra ver que não se trata de um número qualquer, e não espanta que esteja envolvido em tantas questões misteriosas e servido de pano de fundo pra tantas lendas e histórias. Falta dizer também que o 13 aparece em algumas das medidas estabelecidas para as grandes pirâmides do Egito antigo, e que no Tarô há o Arcano Maior XIII, a “carta da morte”, ao mesmo temida e admirada, porque pode significar tanto o bem quanto o mal, segundo dizem os que se dedicam a essa milenar forma de compreender a vida.

O fato é que em um contexto tão marcado pela lógica própria de um mundo cientificista, superstições, lendas e histórias fantásticas ainda parecem ser necessárias, marcando pontos de ligação com outros tempos e com características culturais que andam mais próximas de nós do que imaginamos. Se por um lado há uma certa da exploração da sexta-feira 13 atendendo a comercialismos e a construções de imagens no mundo publicitário, por outro não falta quem encare com seriedade essa combinação de dia da semana e número de forte apelo simbólico. Para alguns, prenúncio de momentos difíceis, pra outros sinal de um bom dia para se investir no futuro. Seja qual for a maneira com que as pessoas se colocam no mundo tecnológico e científico do século XXI, poucos reagem com indiferença a uma sexta-feira 13. Até mesmo os céticos, que podem viajar no imenso acervo de informações culturais que está por trás desse tema. E nessa, que é a primeira do novo ano que se inicia, que apostas você faria?

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página facebook.com/arteseletras2016


Comentários

  1. Caro prof Sandro. Achei formidável e bastante esclarecedor o artigo.

    ResponderExcluir
  2. Artigo muito bem escrito, e esclarecedor. Parabéns, Sandro. Abs

    ResponderExcluir
  3. Claudia Nagaki Obrigada Andréa Schoch acabei de ler ,gostei muito aguardando o próximo texto.bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…