Pular para o conteúdo principal

O que está por trás de uma sexta-feira 13?

São Miguel e o dragão, de Rafael Sanzio

E eis que nos deparamos com a primeira sexta-feira 13 do ano. Para alguns um dia comum, como outro qualquer. Para outros, talvez a grande maioria, uma data recheada de simbolismo e significados, seja como prenúncio de boas coisas ou como indicativos de apuros pelo caminho. Mas o fato é que, popularizada pelo cinema com filmes de terror ou idealizada pelos interessados em assuntos místicos, a coincidência entre o dia 13 e aquele que para nós é o último dia útil da semana tem raízes muito mais antigas do que muitos poderiam pensar.

E uma delas certamente se refere àquele que é tido como o “Pai dos Números”, Pitágoras. O pensador grego que viveu no século VI a.C. acreditava que os números estavam na base de tudo o que havia na natureza, que assim podia ser conhecida em seus princípios essenciais através do estudo das propriedades numéricas. Para ele os números de 1 a 9 estavam mais próximos da divindade, sendo considerados puros e originais. Já aqueles formados por dois algarismos, com exceção do 11 e do 22, deveriam ser decompostos até se chegar a um dos números puros. Assim, o 13 seria pensado como 1 + 3, que daria origem ao 4, que no misticismo pitagórico se destaca pela formação das figuras geométricas regulares e equilibradas, como o quadrado e o retângulo, símbolos da razão e da objetividade. Uma característica portanto positiva num mundo moderno regido pelo conhecimento científico e pela precisão dos números.

Mas o 13 também contou com a história e seus personagens para receber um sentido negativo, e nesse ponto de vista a cultura cristã está repleta de episódios envolvendo o numeral. Um deles estaria relacionado aos conhecidos e misteriosos Cavaleiros Templários, que passaram a sofrer cruéis perseguições na Europa, depois de se recusarem a incluir em seus quadros o rei francês Filipe IV. Ele achava que seu trono estava em perigo pelo grande poder que nele era desfrutado pela igreja Católica e queria se abrigar na ordem. Enfurecido, o monarca teria ordenado no dia 13 de outubro de 1309 a extinção dos membros, o que inaugurou um período de muitas perseguições e intolerância pelo continente.

É também da cultura cristã medieval uma outra possibilidade envolvendo a sexta-feira 13. No período em que povos chamados “bárbaros” invadiram a Europa, algumas tribos de origem nórdica, de crença politeísta, passaram a amaldiçoar algumas de suas antigas divindades à medida que foram se convertendo ao cristianismo. Uma delas, Frigga, deusa do amor e da beleza, passou a ser repudiada e sobre ela foram sendo construídas muitas narrativas que expressavam suas supostas ligações malignas. Segundo uma delas, a antiga divindade e agora uma bruxa costumava se reunir com outras 11 feiticeiras e mais o demônio para amaldiçoar os cristãos. Mulheres, aliás, estariam sempre envolvidas nesses assuntos misteriosos e fantásticos, como se pode constatar, por exemplo, pelo dia de sexta-feira que muitas crenças místicas reputam a divindades femininas, como Vênus, Afrodite e até a Iemanjá do nossos cultos afro-brasileiros. Quase sempre perseguidas a amaldiçoadas pelos seus supostos dons divinatórios e encantadores.

A sexta-feira e o número 13 também aparecem relacionados a passagens bíblicas. Não se pode esquecer que a paixão de Cristo ocorreu numa sexta-feira, e que a Santa Ceia, momento decisivo da trajetória de Jesus, quando ele propõe a aliança com os apóstolos e anuncia o martírio ao qual será submetido, era composta por 13 pessoas, como se pode ver na cena clássica imortalizada por vários pintores do mundo cristão. Num sentido menos histórico e mais esotérico, o 13 convertido em 4, como vimos acima no misticismo pitagórico, além de remeter ao quadrado, também pode ser associado a outra figura geométrica carregada de simbolismo, a cruz, que lembra o sacrifício do Cristo e com isso enfatiza as ideias de redenção e transformação, tidas como caminhos fundamentais e inevitáveis para os seres humanos. Ah, e há também a figura da mãe de Jesus, Maria, que ganha importância no catolicismo e é encarada como a 13ª integrante do colégio apostólico, no lugar do traidor Judas. E foi ainda num dia 13, do mês de maio, que ocorreu uma das mais conhecidas das ditas “aparições” de Nossa Senhora, na cidade portuguesa de Fátima.

Estudiosos da Bíblia afirmam a presença do número 13 em pelo menos 19 oportunidades ao longo das Escrituras, o que faz dele um importante fator numa obra que frequentemente é analisada com apoio nas antigas ciências numerológicas. Principalmente naqueles momentos em que aparentemente não há uma explicação lógica para a opção por aquele número, como ocorre por exemplo quando os textos anunciam a circuncisão de Abraão aos 13 anos de idade, que Josué e seu exército conquistaram Jericó depois de dar 13 voltas em torno da cidade ou que foram gastos 13 anos para construir a morada do rei Salomão.

Para confirmar a teia de mistério envolvendo o número 13 basta lembrar também que ele está presente em uma das mais geniais descobertas da matemática, a famosa Sequência de Fibonacci. Encontrada no início do século XIII pelo italiano Leonardo de Pisa, está relacionada a antigas medidas que já haviam sido estabelecidas pelos gregos e refletiriam a perfeição das formas da natureza. A sequência na verdade trabalha com a ideia de um número como resultado da soma de seus dois últimos antecessores. O interessante da descoberta é que, a partir daí, foi possível entender as inúmeras proporções presentes no mundo natural, fazendo dela uma espécie de “medida divina”, como aliás buscavam os antigos.

E matematicamente não para por aí: o 13 também pode ser entendido como a soma do primeiro número primo (o dois) com o que imediatamente lhe antecede (o onze). Resulta ainda da soma dos quadrados dos dois primeiros números primos (22 + 22 = 13). Ufa! Revirado pela matemática, dá pra ver que não se trata de um número qualquer, e não espanta que esteja envolvido em tantas questões misteriosas e servido de pano de fundo pra tantas lendas e histórias. Falta dizer também que o 13 aparece em algumas das medidas estabelecidas para as grandes pirâmides do Egito antigo, e que no Tarô há o Arcano Maior XIII, a “carta da morte”, ao mesmo temida e admirada, porque pode significar tanto o bem quanto o mal, segundo dizem os que se dedicam a essa milenar forma de compreender a vida.

O fato é que em um contexto tão marcado pela lógica própria de um mundo cientificista, superstições, lendas e histórias fantásticas ainda parecem ser necessárias, marcando pontos de ligação com outros tempos e com características culturais que andam mais próximas de nós do que imaginamos. Se por um lado há uma certa da exploração da sexta-feira 13 atendendo a comercialismos e a construções de imagens no mundo publicitário, por outro não falta quem encare com seriedade essa combinação de dia da semana e número de forte apelo simbólico. Para alguns, prenúncio de momentos difíceis, pra outros sinal de um bom dia para se investir no futuro. Seja qual for a maneira com que as pessoas se colocam no mundo tecnológico e científico do século XXI, poucos reagem com indiferença a uma sexta-feira 13. Até mesmo os céticos, que podem viajar no imenso acervo de informações culturais que está por trás desse tema. E nessa, que é a primeira do novo ano que se inicia, que apostas você faria?

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página facebook.com/arteseletras2016


Comentários

  1. Caro prof Sandro. Achei formidável e bastante esclarecedor o artigo.

    ResponderExcluir
  2. Artigo muito bem escrito, e esclarecedor. Parabéns, Sandro. Abs

    ResponderExcluir
  3. Claudia Nagaki Obrigada Andréa Schoch acabei de ler ,gostei muito aguardando o próximo texto.bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custo Para os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…