Pular para o conteúdo principal

O que há ainda para além das linhas em 2017? - Compreender para combater o “PRÉ”-conceito étnico-racial


Esse case verídico serve para ilustrar que o preconceito e a discriminação, presentes no nosso dia a dia, por vezes nos passam despercebidos, mas a questão é séria e precisa de um olhar mais profundo.

Inspirada e fundamentada nas ideias do consagrado professor doutor Kabengele Munanga, especialista em racismo, identidade, identidade negra, África e Brasil, a quem tive o prazer de escutar, foi possível compreender que a discriminação nasce da PERCEPÇÃO DAS DIFERENÇAS entre si mesmo e os outros, entre os membros do próprio grupo e aqueles dos outros grupos. É a partir dessas diferenças que se formam os preconceitos e as discriminações, e as ideologias delas decorrentes.

A sociedade é organizada em classes sociais, formada por burgueses, a classe média e os pobres. Essas classes são cercadas por preconceitos, a ideia de superioridade ou de inferioridade, que torna vítimas os considerados inferiores. Não apenas as classes, mas as diferentes formas de preconceito levam a vários modos de discriminação, desde religião, gênero, profissão, idade, etnia, cultura, nacionalidade e tantas outras formas.

RAÇA E RACISMO: como nasce a ideia de raça?
Há pessoas que concentram maior número de melanina, por isso têm pele, olhos e cabelos mais escuros, enquanto aquelas com menos quantidade dessa substância apresentam cabelos, pele e olhos mais claros. A melanina, que serve para manter a sobrevivência do corpo humano, apresenta uma coloração marrom, e sua principal função é proteger o DNA contra a ação nociva da radiação emitida pelo sol. A raça nasceu dessa relação com a cor da pele.

Analisamos, por meio da história da humanidade, que, com as descobertas a partir do século XV, os navegadores europeus, espanhóis, portugueses e outros entraram em contato com os povos ameríndios, africanos, aborígenes da Oceania e constataram diferenças físicas e culturais que os fizeram até mesmo duvidar se esses nativos eram pessoas ou “feras”, animais irracionais. Os colonizadores não só escravizaram os negros e índios como achavam que apenas os humanizariam se os convertessem ao Cristianismo. Essa situação perdurou até o século XVII. No século XVIII, os Iluministas colocam em discussão, agora não mais à luz da religião, mas sim da razão, o conceito de RAÇA. E os estudos da raça se ampliam até o século XX, quando foram definidas não só as características genéticas e a morfologia das raças como também os marcadores genéticos encontrados em componentes do sangue.

Porém, no fim do século XX, aconteceu um fato curioso. Estudos mostraram que um indivíduo A, da raça negra, poderia ser mais próximo geneticamente do indivíduo B, da raça branca ou amarela, do que de outro indivíduo C, da raça negra. Dessa forma, foi concluído que essa classificação da humanidade em raças não era operante, pois partia de critérios que não se diferenciavam cientificamente. Foi aí, no século XX, que abandonaram o conceito de raça, pois chegaram à conclusão de que não havia como classificar a diversidade humana em raças fixas. Até aqui, tudo estava bem, mas os cientistas anteriores ao século XX cometeram um erro grave que ainda hoje pesa nas relações humanas. Eles classificaram as raças, hierarquizando-as em raças superiores e inferiores, e dessa classificação e hierarquização nasceu o chamado Determinismo biológico.

Como exemplo da aplicação do determinismo biológico poderiam surgir as seguintes afirmações: todo americano é inteligente; todo português é burro; todo africano é negro; e todo europeu é branco. O que definitivamente não é verdade.

O mais grave é que essa corrente determinou a superioridade e inferioridade dos povos e etnias com base nas diferenças biológicas contidas no DNA.

Dessa forma, os que têm pele mais clara foram rotulados como os mais bonitos, mais inteligentes, com características morais superiores e de cultura superior comparativamente aos que não são brancos. E aí se mostra o racismo, que saiu dos livros e tomou conta do imaginário social coletivo, infelizmente.

Na próxima coluna, vamos trazer relatos sobre como o preconceito e a discriminação étnico-raciais são expressos e de que forma os pais e professores podem trabalhar em casa e na sala de aula para ajudar as crianças, os jovens e os adultos a pensar um mundo mais humanitário e solidário, em que todos convivam em harmonia e se acolham. Até lá!



O conceito de determinismo biológico afirma que as características físicas e psicológicas do ser humano são determinadas por sua raça, nacionalidade ou por qualquer outro grupo específico ao qual ele pertença.” 

Fonte: http://www.clickescolar.com.br/determinismo-biologico.htm.



Comentários

  1. Andréa muito interessante essa análise do assunto dentro dos séculos. Preconceito e assuntos raciais quando fará só parte de uma história do passado. Paia e professores tem essa missão. Sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Fernanda, os pais e professores precisam de uma atenção especial sobre a forma de conduzir, por vezes, alguns nem percebem que estão reforçando o preconceito. É sutil...

      Excluir
  2. Claudemir Reis - Muuito bem escrito.

    ResponderExcluir
  3. Luthier Gustaff Schildt - Sucinto e esclarecedor o seu artigo Andréa Schoch. Nada como traduzir temas atuais à luz da história mostrando seus caminhos e descaminhos que hoje assolam toda a sociedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amigo Luthier Gustaff Schildt, me sinto honrada com a sua participação e comentários tão pertinentes.

      Excluir
  4. Eliana Odlareg - Muito bom!! a falta de conhecimento histórico e o bom senso, contagia a ignorância humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Eliana Odlareg. As pessoas não tem a noção do quanto o pré-conceito está arraigado na mente.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…