Pular para o conteúdo principal

O que há ainda para além das linhas em 2017? - Compreender para combater o “PRÉ”-conceito étnico-racial


Esse case verídico serve para ilustrar que o preconceito e a discriminação, presentes no nosso dia a dia, por vezes nos passam despercebidos, mas a questão é séria e precisa de um olhar mais profundo.

Inspirada e fundamentada nas ideias do consagrado professor doutor Kabengele Munanga, especialista em racismo, identidade, identidade negra, África e Brasil, a quem tive o prazer de escutar, foi possível compreender que a discriminação nasce da PERCEPÇÃO DAS DIFERENÇAS entre si mesmo e os outros, entre os membros do próprio grupo e aqueles dos outros grupos. É a partir dessas diferenças que se formam os preconceitos e as discriminações, e as ideologias delas decorrentes.

A sociedade é organizada em classes sociais, formada por burgueses, a classe média e os pobres. Essas classes são cercadas por preconceitos, a ideia de superioridade ou de inferioridade, que torna vítimas os considerados inferiores. Não apenas as classes, mas as diferentes formas de preconceito levam a vários modos de discriminação, desde religião, gênero, profissão, idade, etnia, cultura, nacionalidade e tantas outras formas.

RAÇA E RACISMO: como nasce a ideia de raça?
Há pessoas que concentram maior número de melanina, por isso têm pele, olhos e cabelos mais escuros, enquanto aquelas com menos quantidade dessa substância apresentam cabelos, pele e olhos mais claros. A melanina, que serve para manter a sobrevivência do corpo humano, apresenta uma coloração marrom, e sua principal função é proteger o DNA contra a ação nociva da radiação emitida pelo sol. A raça nasceu dessa relação com a cor da pele.

Analisamos, por meio da história da humanidade, que, com as descobertas a partir do século XV, os navegadores europeus, espanhóis, portugueses e outros entraram em contato com os povos ameríndios, africanos, aborígenes da Oceania e constataram diferenças físicas e culturais que os fizeram até mesmo duvidar se esses nativos eram pessoas ou “feras”, animais irracionais. Os colonizadores não só escravizaram os negros e índios como achavam que apenas os humanizariam se os convertessem ao Cristianismo. Essa situação perdurou até o século XVII. No século XVIII, os Iluministas colocam em discussão, agora não mais à luz da religião, mas sim da razão, o conceito de RAÇA. E os estudos da raça se ampliam até o século XX, quando foram definidas não só as características genéticas e a morfologia das raças como também os marcadores genéticos encontrados em componentes do sangue.

Porém, no fim do século XX, aconteceu um fato curioso. Estudos mostraram que um indivíduo A, da raça negra, poderia ser mais próximo geneticamente do indivíduo B, da raça branca ou amarela, do que de outro indivíduo C, da raça negra. Dessa forma, foi concluído que essa classificação da humanidade em raças não era operante, pois partia de critérios que não se diferenciavam cientificamente. Foi aí, no século XX, que abandonaram o conceito de raça, pois chegaram à conclusão de que não havia como classificar a diversidade humana em raças fixas. Até aqui, tudo estava bem, mas os cientistas anteriores ao século XX cometeram um erro grave que ainda hoje pesa nas relações humanas. Eles classificaram as raças, hierarquizando-as em raças superiores e inferiores, e dessa classificação e hierarquização nasceu o chamado Determinismo biológico.

Como exemplo da aplicação do determinismo biológico poderiam surgir as seguintes afirmações: todo americano é inteligente; todo português é burro; todo africano é negro; e todo europeu é branco. O que definitivamente não é verdade.

O mais grave é que essa corrente determinou a superioridade e inferioridade dos povos e etnias com base nas diferenças biológicas contidas no DNA.

Dessa forma, os que têm pele mais clara foram rotulados como os mais bonitos, mais inteligentes, com características morais superiores e de cultura superior comparativamente aos que não são brancos. E aí se mostra o racismo, que saiu dos livros e tomou conta do imaginário social coletivo, infelizmente.

Na próxima coluna, vamos trazer relatos sobre como o preconceito e a discriminação étnico-raciais são expressos e de que forma os pais e professores podem trabalhar em casa e na sala de aula para ajudar as crianças, os jovens e os adultos a pensar um mundo mais humanitário e solidário, em que todos convivam em harmonia e se acolham. Até lá!



O conceito de determinismo biológico afirma que as características físicas e psicológicas do ser humano são determinadas por sua raça, nacionalidade ou por qualquer outro grupo específico ao qual ele pertença.” 

Fonte: http://www.clickescolar.com.br/determinismo-biologico.htm.



Comentários

  1. Andréa muito interessante essa análise do assunto dentro dos séculos. Preconceito e assuntos raciais quando fará só parte de uma história do passado. Paia e professores tem essa missão. Sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Fernanda, os pais e professores precisam de uma atenção especial sobre a forma de conduzir, por vezes, alguns nem percebem que estão reforçando o preconceito. É sutil...

      Excluir
  2. Claudemir Reis - Muuito bem escrito.

    ResponderExcluir
  3. Luthier Gustaff Schildt - Sucinto e esclarecedor o seu artigo Andréa Schoch. Nada como traduzir temas atuais à luz da história mostrando seus caminhos e descaminhos que hoje assolam toda a sociedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amigo Luthier Gustaff Schildt, me sinto honrada com a sua participação e comentários tão pertinentes.

      Excluir
  4. Eliana Odlareg - Muito bom!! a falta de conhecimento histórico e o bom senso, contagia a ignorância humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Eliana Odlareg. As pessoas não tem a noção do quanto o pré-conceito está arraigado na mente.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissionalO salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o RegulamentoO primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – ReservasDepois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custoPara os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

PenedoConhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de MacacuSe você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960)Geração X (nascidos entre 1960 e 1980)Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995)Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…