Pular para o conteúdo principal

O que há para além das linhas em 2017?


Aconteceu comigo, Andréa Schoch.

“Há anos, quando era gerente sênior em uma empresa, eu estava numa mesa de reunião com outros colegas gerentes (pessoas e profissionais maravilhosos), quando (não me lembro bem do motivo que desencadeou a questão) surgiu o assunto sobre descendência, e cada um começou a falar sobre a sua. Um dos colegas contou que era descendente de poloneses, outro, de italianos, outro, de portugueses, e por aí foi, até que chegou a minha vez de falar...

Eu disse que era descendente da tribo Pataxó Hãhãhãe. Todos acharam que era piada, embora eu estivesse falando sério, e riram muito.

Sem a intenção de julgar ninguém, esse fato me levou a pensar sobre o quanto sabemos a respeito dos povos indígenas...”
E você, o que sabe sobre esses povos?


Povoamento da América

Depois de muitos estudos, ficou conhecida, em linhas gerais, a origem dos índios que povoaram a América, os chamados ameríndios, bem como a partir de quando isso aconteceu. Por volta de 14 a 12 mil anos atrás, esses povos teriam chegado por via terrestre, por meio de um subcontinente chamado Beríngia, no extremo nordeste da Ásia.


E no Brasil?

Antes da “invasão/ocupação/descoberta” dos portugueses, nos anos 1500, uma população gigantesca de povos indígenas vivia no Brasil. Estimativas apontam um número de 5 milhões de pessoas, com aproximadamente mil povos diferentes, dentro do território que hoje leva o nome de Brasil.
Analisamos, por meio da história, que, com a invasão, ocupação e as descobertas ocorridas no século XV, quando os navegadores portugueses e outros entraram em contato com outros povos, constataram diferenças físicas e culturais que os fizeram até mesmo duvidar se esses nativos eram pessoas ou “feras”, animais irracionais. Os invasores não só escravizaram os índios como os consideraram seres inferiores, e de lá para cá muitos foram dizimados.

Em 500 anos, o número de índios baixou muito. Atualmente, conforme dados do IBGE, há no Brasil aproximadamente 896 mil indígenas, com mais de 300 tipos de povos, que falam de 150 a 270 línguas diferentes. Essa diversidade já existia quando ocorreu a invasão. Eles se relacionavam, havia guerras, alianças, eles circulavam pelo território, deixando marcas que perduram até hoje, conforme relata a antropóloga Tatiane Klein, especialista no tema, e cita como exemplo a palavra “Araraquara”, que denomina uma cidade de São Paulo, mas é também um termo da língua Tupi, marcando o nome de um rio da Amazônia. Portanto, temos aí uma representação clara de que os povos ocupavam o território brasileiro, mas infelizmente esse direito de ocupação lhes foi tirado de forma hostil e injusta, pois os indígenas são cidadãos brasileiros, estavam aqui antes de nós, que nos denominamos brasileiros.

Tatiane Klein conta que, no ano 2000, o Instituto Socioambiental encomendou uma pesquisa ao IBOPE para averiguar o que pensa o brasileiro (não indígena) sobre os índios. Os resultados apontaram que “essa ideia do bom selvagem ainda viceja, principalmente nos centros urbanos”. Porém, apesar de parecer positiva, a realidade apresentada nas regiões em que vivem povos indígenas é negativa por conta dos conflitos fundiários e da demarcação de terras.
Conforme salienta Tatiane Klein, a avaliação política demonstra que, há muito tempo, e ainda atualmente, esses povos estão sendo massacrados, injustiçados, discriminados e mortos. Mas quem faz isso, diretamente? Pessoas interessadas em posses e terras, em geral. Temos visto nos noticiários uma série de episódios de ataques aos povos indígenas e ao seu território, para extração de madeira, por exemplo, ou atividades como garimpo, entre outras, tirando deles o direito à terra, previsto na Constituição Brasileira.

Além do direito à terra, os povos indígenas têm direito à alfabetização, a aprender a sua língua nativa, porém somente em 1988 é que isso lhes foi garantido na Constituição, o que nos faz pensar no débito do Brasil para com esses povos.

Mas, além dos que atacam e violentam os direitos dos índios, há aqueles que desconhecem que, assim como as pessoas com maior incidência de melanina na pele, olhos e cabelos (chamados de negros), os indígenas também sofrem por serem considerados inferiores, de raça inferior, a raça dos vermelhos (assim são chamados).

A história é longa e repleta de detalhes nos quais você pode e deve se aprofundar. Nossa missão aqui é lançar a curiosidade sobre um tema tão importante e deixar uma recomendação de como pais e professores podem fazer para combater o preconceito contra o índio.
Revise os seus conceitos sobre o povo indígena. Você os considera inferiores? Se sim, é preciso buscar mais conhecimento sobre o tema. Lembre-se de que a criança por si só não é preconceituosa e discriminadora, isso ocorre com frequência porque ela convive com adultos, ouve e vê, cresce construindo ou não o preconceito seguido da discriminação.

Por vezes, afirmamos não ter preconceito, mas, se víssemos duas crianças juntas, uma branca de olhos claros e a outra indígena, diríamos logo, sem nos darmos conta, que a bela e boa é a branquinha. A criança que está sob nossa responsabilidade cresce observando até mesmo o que sai de nós, não necessariamente verbal, como olhares, gestos e expressões (linguagem não verbal), então imita, toma como verdadeiro. Como diz o ditado, a palavra ensina, mas o exemplo arrasta.

Pense nisso...

Até a próxima.

Para mostrar às crianças curiosidades sobre a cultura indígena, acesse: https://mirim.org/.


Comentários

  1. Fernanda Calisario Metzger - Mais uma matéria fantástica sobre preconceito...
    Parabéns Andréa Schoch compartilhando seu chamado e talento que Deus te deu através da escrita...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, que honra receber seu comentário. Muito grata. Bjs

      Excluir
  2. Luthier Gustaff Schildt Muito bom. Apesar de eu ter descendência alemã e italiana, também tenho origem caiçara em meus bisavos. Sua origem tem claro vínculo indigena em seus pais e avos. Tenho uma ponta de orgulho dessa herança e fiz uma singela homenagem ao meu bisavô e a cultura das festividades religiosas das quais participava tocando rabeca, instrumento típico dos caiçaras. Creio que respeitar o povo da terra é uma forma de respeitar a nossa origem enquanto brasileiros. Eles, os indígenas tem grande sabedoria, pois tanto se fala em meio ambiente, preservação, sustentabilidade mas é deles o maior exemplo de como conviver e sobreviver dos recursos naturais sem destrui-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luthier Gustaff Schildt, que bacana saber da sua origem, vc sabe dizer qual é a tribo? Valeu, amigo querido! Obrigada por contribuir sempre, admiro a sua capacidade de análise.

      Excluir
  3. Meri Dos Santos - Muito bom! E verdadeiro, muitas vezes nós mesmos temos essas raízes e não nos damos conta de valorizar e mostrar isso as crianças, amei. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Meri Dos Santos, sua participação muito me honra. Compartilha com a juventude, pais, líderes em geral. Bjks

      Excluir
  4. Márcia Serra Magaldi - Muito bom Andréa Schoch. Tb tenho descendência indígena, a vó (Dija) sempre me contou histórias sobre minha tataravó que vivia em aldeia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Márcia Serra Magaldi, lembro bem dela e de toda a sua sabedoria. Que sds..

      Excluir
  5. Euler Peron ótimo texto como sempre !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, que honra receber seu comentário. Muito grata. Bj

      Excluir
  6. Humberto Massareto - Sensacional o artigo, Dea, querida.
    Eu, sempre antes de encaminhar a pessoa para um destino que ela já conhece bastante bem, recomendo fazer o AIT (Teste de Associação Implícita) de Harvard, que identifica até 7 diferentes tipos de preconceito, o que surpreende muita gente que acreditava que só haveriam dois ou 3.
    https://implicit.harvard.edu/implicit/brazil/
    Homepage Implícito
    Sabemos que as pessoas nem sempre 'dizem o que realmente pensam' e, provavelmente, nem sempre 'sabem o que passa nas suas cabeças'. Compreender estas divergências é uma das metas da psicologia científica.
    IMPLICIT.HARVARD.EDU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conhecia, Humberto Massareto, mas vou ver já.. Obrigada por participar, muito me honra. Valeu, amigo querido! Bjs

      Excluir
  7. Raphael Santana Me deliciei com a leitura. Meu avô era índio, fugiu da tribo para casar com a minha avó materna. Adorei saber e refletir um pouco sobre esse outro lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raphael Santana, que história linda do seu avô...Temos tanto pra aprender com eles... Obrigada por abrilhantar a nossa discussão. Bjs

      Excluir
  8. André Heisler - Belíssimo texto Andréa!!
    O preconceito as vezes é traiçoeiro e tenta passar despercebido. A palavra preconceito hoje carrega um peso "pejorativo". Na maioria das vezes ( para não dizer sempre), as pessoas não assumem que tem preconceito, pois não é socialmente elegante ser uma pessoa preconceituosa. Ao mesmo tempo não se esforçam para não reproduzir o sentido da palavra preconceito, por isso tentam substituir a condição de ( pessoa preconceituosa) por qualquer outro artificio numa tentativa de justificar o preconceito por elas exercido.

    É muito bom ler textos como esse, que nos puxam a reflexões e nos ensinam a ver as coisas sobre uma ótica mais humana.
    Acredito que o " bem estar da humanidade" pode ser atingido em um contexto em que nós "humanos" nos reconhecemos como seres humanos, onde as diferenças apenas contribuirão para uma humanidade mais forte e unida.
    Por isso considero de uma incrível preciosidade o conteúdo desse texto, mostra-nos não só o preconceito a nossa volta. Mas incentiva-nos a nos policiarmos no nosso dia a dia no combate ao preconceito.

    Obs: Ótimo aquele link para as crianças ����

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André, me sinto muito honrada com a sua participação tão sábia e pertinente. Verdade, nós ás vezes nem percebemos como o preconceito está arraigado. A cada dia tenho procurado esses resquícios para avançar, porque é sutil mesmo. Por vezes as pessoas dizem que não tem, mas nas entrelinhas , nas expressões, ele aparece ali, mesmo que contra gosto. Preconceito e discriminação criados e incutidos por meio dos olhares, das expressões verbais e por aí vai... Precisamos de muito chão ainda para nos tornarmos mais humanos, você tem toda razão. Obrigada por participar. Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custo Para os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…