Pular para o conteúdo principal

O sertanejo repaginado na arte de Luiz Gonzaga

Selo comemorativo do centenário do Rei do Baião (2012), por Jô Oliveira.

Para a maioria dos brasileiros a música de Luiz Gonzaga é a mais pura expressão da cultura popular do Nordeste. Melodias de sonoridade triste, que sugerem a penúria das condições de vida dos sertanejos dessa região do Brasil, vitimados pela seca e pelo abandono, se intercalam com levadas furiosas do fole da sanfona, símbolo máximo da alegria, expressando uma gente que, a despeito de todas as condições de vida, confirma a qualidade de força e resistência que um dia Euclides da Cunha utilizara para se referir às gentes dos sertões que ele conhecera de perto.

Mas quem viaja na regionalidade da música do Gonzagão dificilmente vislumbra as condições a partir das quais nasceria esse ícone da vida do Nordeste. O berço de sua arte paradoxalmente não foi seu Pernambuco natal nem as paisagens únicas do semiárido, mas o Rio de Janeiro capital do Brasil onde vai viver a partir de 1939. É ali, embalado pelas ondas da Rádio Nacional, onde a música acontece no país, que Luiz Gonzaga vai compor na medida perfeita o tipo que o consagraria: uma versão do homem do sertão adaptada à realidade urbana de um Nordeste que se reorganiza nas grandes cidades do Sudeste, para onde levas intermináveis de filhos da seca migram em busca de melhores condições de existência.

Para compor o seu personagem, Gonzaga contaria com a ajuda de outro nordestino radicado no Rio de Janeiro, o cearense Humberto Teixeira, advogado e poeta com quem acabaria sendo responsável por vários clássicos da canção popular brasileira. Mas, mais que uma parceria, Luiz Gonzaga expusera ao novo amigo suas ideias a respeito de criar algo que funcionasse como um movimento de recriação da música do Nordeste. As linhas mestras dessa concepção já estavam fixas na cabeça do músico, que a essa altura já havia trilhado um percurso considerável como instrumentista, gravando discos e participando dos famosos programas de rádio.

A sanfona, um símbolo da cultura nordestina, seria um dos primeiros alvos dessa espécie de releitura proposta por Luiz Gonzaga. No leiaute típico com que passaria a se apresentar aparecia sempre com a sanfona de 120 baixos, que era como a última geração do instrumento na comparação com os tradicionais foles, de apenas oito baixos, com que músicos nordestinos se apresentavam. Um símbolo de modernidade e contemporaneidade, portanto, com que Gonzaga começava a sugerir uma nova forma de compreender a cultura de sua região de origem.

O próprio figurino por ele utilizado seria uma importante inovação. Diferente da forma com que costumava se apresentar nos shows e programas de rádio, com camisa, terno e gravata, Luiz Gonzaga agora assomava os palcos com a vestimenta típica do vaqueiro do sertão, o gibão que protege dos mandacarus e o inconfundível chapéu de couro, que Gonzaga enfeita com figuras geométricas e imagens sacras, sugerindo de carona a presença de outro grande ícone da cultura nordestina, que foi Lampião. Vale lembrar que o Rei do Cangaço tinha morrido em 1938, apenas alguns anos antes das primeiras aparições de Gonzaga, de modo que o conjunto de lendas, contos populares, cordéis e até mesmo as reportagens um tanto quanto ficcionais envolvendo seus feitos, configurando-o como um símbolo de bravura e resistência para os nordestinos, é algo ainda bem fresco na percepção popular.

Mas a grande cartada de Luiz Gonzaga seria mesmo em sua estética musical. O termo “baião” só era usado até então no círculo restrito dos violeiros do Nordeste e pouco tinha a ver com o ritmo desenvolvida pelo artista. O formato tradicional de execução do baião, com o trio formado por sanfona, zabumba e triângulo, também não era o mais comum, apesar de já existir. Foi Gonzagão que o fixou e aprimorou. Há quem afirme que o triângulo não era propriamente um instrumento, mas um objeto que os vendedores de biscoito tradicionais em várias cidades do sertão empregavam para chamar a atenção para sua chegada.

As letras seriam outra grande sacada. De um modo geral não existiam nos bailes tradicionais do sertão nordestino, onde as pessoas se reuniam principalmente para dançar ao som incendiário da sanfona. Humberto Teixeira as teria introduzido a partir de letras de canções folclóricas e cantos religiosos, mas carregando-as de temáticas que falavam diretamente ao coração de uma gente saudosa de sua terra natal, da qual tiveram de se separar pela impossibilidade de viver num sertão castigado pela seca. Nordestinos fora do seu hábitat, portanto, que traziam ainda viva na memória a lembrança de suas origens. Sertanejos já aculturados no ambiente urbano do eixo Rio-São Paulo que se conectavam a suas raízes principalmente pela memória, como aliás era o caso de Luiz e Humberto. Dessa forte presença da mensagem social e cultural nas letras cantadas por Luiz Gonzaga surgiriam verdadeiros hinos da vida nordestina, como a eterna “Asa Branca”, de dezenas de interpretações por artistas brasileiros mesmo de outras vertentes musicais, que se incorporaria definitivamente ao cancioneiro do Brasil.

A ascensão do “Rei do Baião” também se revestiria de outro importante significado para a gente do Nordeste, o do filho da terra capaz de vencer na cidade grande e poder influenciar todo o país com a força e a beleza da cultura de sua região. De fato, a chegada avassaladora da música nordestina pela via da obra de Luiz Gonzaga representou a abertura de uma nova referência estética que haveria de influenciar várias gerações de artistas. Não apenas contemporâneos do surgimento do baião, lotados na cultura fonográfica das rádios e dos discos, como também nomes que representariam novas tendências culturais e musicais no Brasil. Dos tropicalistas Gil e Caetano até a levada de bandas contemporâneas como os mineiros do Skank, passando pela geração de artistas de classe média de formação universitária, como Elba Ramalho e Alceu Valença, e de movimentos que igualmente apostariam na fusão entre a tradição e a modernidade tecnológica, como o Mangue Beat, de Chico Science. Tudo fruto de uma genial conjugação da força cultural e musical de uma região que até então pouco conhecida dos brasileiros com a contemporaneidade dos filhos da terra cada vez mais adaptados a um Brasil que se torna cada vez mais urbano. Fruto da pujança cultural da gente do sertão, que Luiz Gonzaga soube traduzir para o cosmopolitismo da capital do país, a partir daí ganhando o mundo.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …