Pular para o conteúdo principal

O desafio de educar no século XXI



"Nem tanto ao mar nem tanto ao céu. Equilíbrio é necessário."


“Os alunos de hoje não são mais os mesmos”. Ouvi essa frase inúmeras vezes, e também inúmeras vezes fiquei me perguntando: com tantas mudanças ocorrendo nos últimos anos, como os alunos poderão ser os mesmos? Nem eu nem vocês, pais e professores, somos os mesmos. Esse é o primeiro paradigma que precisa ser desconstruído quando o assunto em pauta é o desafio de educar no Terceiro Milênio. Mas, afinal, quem é o aluno, quem é o filho do século XXI?

Segundo Michel Serres, filósofo e professor da Universidade de Stanford, na Califórnia, esses alunos são “a geração do pequeno polegar”. Você lembrou do Pequeno Polegar, o famoso pequenino das histórias infantis, do tamanho de um dedo polegar? Na verdade, não foi a esse polegar que Serres se referiu, mas sim à nova geração, que interage com a mídia e com as novas tecnologias como a própria extensão do corpo. Dia desses, estava eu no hall de uma escola aguardando uma amiga professora e observei alguns alunos, de uns 11 ou 12 anos aproximadamente, que digitavam mensagens usando apenas os polegares, tanto o da direita quanto o da esquerda, com velocidade e destreza invejáveis. Eu estava ao lado da geração POLEGARZINHA.

Essa é uma geração que se comunica, aprende e pensa de forma diferente das anteriores. Querem um exemplo ilustrativo? Era muito comum que os pais da geração passada orientassem os filhos a não falarem à mesa, pois isso era considerado sinal de má educação. Num belo dia, a família de Ana (nome fictício de uma menina de 9 anos) receberia para o jantar um casal de amigos. Os pais a orientaram a não fazer nenhum comentário durante a refeição. A noite caiu, as visitas chegaram e o jantar foi servido. Ana sentou-se à mesa em frente ao pai. Tudo ia muito bem, até que Ana fez menção de falar com o pai, mas ele a olhou de forma tão sisuda e reprovativa que ela pensou em desistir do propósito. Porém, não conformada, Ana tentou novamente se comunicar com o pai, e dessa vez o olhar foi ainda mais fulminante que o anterior. Resignada, ela desistiu de vez e terminou a refeição em silêncio. Quando as visitas foram embora, o pai de Ana veio conversar com ela: “Filha, agora você já pode falar”. Ana o olhou com tristeza e disse: “Agora não adianta mais, pai, você já comeu a lesma que estava na folha de alface...”. É muito provável que, se Ana fosse uma representante da geração Polegarzinha, não teria se calado, muito menos ficaria intimidada com os olhares reprovativos do pai.

Esse é apenas um exemplo para ilustrar que aquilo que funcionava para nossos pais e avós não cabe para essa nova geração, pois esses jovens e adolescentes têm outra forma de estar na vida, de trabalhar com o cérebro. Lá no passado dos nossos avós, por exemplo, tudo de novo que era aprendido era primeiro revisado e só então comunicado. Hoje, com a entrada das novas tecnologias, redes e mídias sociais, a nova geração aprende pela própria comunicação, e faz isso em velocidade considerável. Por isso a comunicação assume outro formato nesta era, e por vezes as atitudes dessa geração é confundida com falta de educação ou mesmo indisciplina, quando, na verdade, o que mudou foi a forma de pensar e a maneira de se expressar.

Cabe aqui uma importante ressalva. Essa observação sobre como nossos pais e avós nos educaram não é de forma alguma uma crítica aos valores sólidos que nos foram ensinados e que são ATEMPORAIS, tais como honestidade, verdade, respeito, dentre tantos outros. Trato aqui de FORMA, a forma como falo, como olho, como processo o pensar. É preciso refletir sobre a rigidez desnecessária aplicada a algumas situações da vida, que, em vez de FORMAR, DEFORMAM o caráter. É preciso que a nossa geração, a de pais e avós, esteja de mente e coração abertos para aprender, compreender essa nova geração e, com sabedoria e inteligência, ajudá-la a construir o próprio porvir.

Não se trata de passar a mão na cabeça, de dizer senta e espera que tudo virá a sua mão, ou até mesmo ser tolerante com aquilo que vai contra valores atemporais, e sim rever nossa forma de ser e agir, usando a flexibilidade, quebrando velhos paradigmas sem sentido, e assim estimular a nova geração, orientando-a e incentivando-a sempre: “Vai que você consegue, você pode!”.

Até a próxima, com mais sobre a nova geração. Aguardem!


Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…