Pular para o conteúdo principal

O desafio de educar no século XXI



"Nem tanto ao mar nem tanto ao céu. Equilíbrio é necessário."


“Os alunos de hoje não são mais os mesmos”. Ouvi essa frase inúmeras vezes, e também inúmeras vezes fiquei me perguntando: com tantas mudanças ocorrendo nos últimos anos, como os alunos poderão ser os mesmos? Nem eu nem vocês, pais e professores, somos os mesmos. Esse é o primeiro paradigma que precisa ser desconstruído quando o assunto em pauta é o desafio de educar no Terceiro Milênio. Mas, afinal, quem é o aluno, quem é o filho do século XXI?

Segundo Michel Serres, filósofo e professor da Universidade de Stanford, na Califórnia, esses alunos são “a geração do pequeno polegar”. Você lembrou do Pequeno Polegar, o famoso pequenino das histórias infantis, do tamanho de um dedo polegar? Na verdade, não foi a esse polegar que Serres se referiu, mas sim à nova geração, que interage com a mídia e com as novas tecnologias como a própria extensão do corpo. Dia desses, estava eu no hall de uma escola aguardando uma amiga professora e observei alguns alunos, de uns 11 ou 12 anos aproximadamente, que digitavam mensagens usando apenas os polegares, tanto o da direita quanto o da esquerda, com velocidade e destreza invejáveis. Eu estava ao lado da geração POLEGARZINHA.

Essa é uma geração que se comunica, aprende e pensa de forma diferente das anteriores. Querem um exemplo ilustrativo? Era muito comum que os pais da geração passada orientassem os filhos a não falarem à mesa, pois isso era considerado sinal de má educação. Num belo dia, a família de Ana (nome fictício de uma menina de 9 anos) receberia para o jantar um casal de amigos. Os pais a orientaram a não fazer nenhum comentário durante a refeição. A noite caiu, as visitas chegaram e o jantar foi servido. Ana sentou-se à mesa em frente ao pai. Tudo ia muito bem, até que Ana fez menção de falar com o pai, mas ele a olhou de forma tão sisuda e reprovativa que ela pensou em desistir do propósito. Porém, não conformada, Ana tentou novamente se comunicar com o pai, e dessa vez o olhar foi ainda mais fulminante que o anterior. Resignada, ela desistiu de vez e terminou a refeição em silêncio. Quando as visitas foram embora, o pai de Ana veio conversar com ela: “Filha, agora você já pode falar”. Ana o olhou com tristeza e disse: “Agora não adianta mais, pai, você já comeu a lesma que estava na folha de alface...”. É muito provável que, se Ana fosse uma representante da geração Polegarzinha, não teria se calado, muito menos ficaria intimidada com os olhares reprovativos do pai.

Esse é apenas um exemplo para ilustrar que aquilo que funcionava para nossos pais e avós não cabe para essa nova geração, pois esses jovens e adolescentes têm outra forma de estar na vida, de trabalhar com o cérebro. Lá no passado dos nossos avós, por exemplo, tudo de novo que era aprendido era primeiro revisado e só então comunicado. Hoje, com a entrada das novas tecnologias, redes e mídias sociais, a nova geração aprende pela própria comunicação, e faz isso em velocidade considerável. Por isso a comunicação assume outro formato nesta era, e por vezes as atitudes dessa geração é confundida com falta de educação ou mesmo indisciplina, quando, na verdade, o que mudou foi a forma de pensar e a maneira de se expressar.

Cabe aqui uma importante ressalva. Essa observação sobre como nossos pais e avós nos educaram não é de forma alguma uma crítica aos valores sólidos que nos foram ensinados e que são ATEMPORAIS, tais como honestidade, verdade, respeito, dentre tantos outros. Trato aqui de FORMA, a forma como falo, como olho, como processo o pensar. É preciso refletir sobre a rigidez desnecessária aplicada a algumas situações da vida, que, em vez de FORMAR, DEFORMAM o caráter. É preciso que a nossa geração, a de pais e avós, esteja de mente e coração abertos para aprender, compreender essa nova geração e, com sabedoria e inteligência, ajudá-la a construir o próprio porvir.

Não se trata de passar a mão na cabeça, de dizer senta e espera que tudo virá a sua mão, ou até mesmo ser tolerante com aquilo que vai contra valores atemporais, e sim rever nossa forma de ser e agir, usando a flexibilidade, quebrando velhos paradigmas sem sentido, e assim estimular a nova geração, orientando-a e incentivando-a sempre: “Vai que você consegue, você pode!”.

Até a próxima, com mais sobre a nova geração. Aguardem!


Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …