Pular para o conteúdo principal

O Renascimento e as revoluções científicas

Tela de Giuseppe Bertini (1825 – 1898), em que Galileu demonstra o uso do telescópio.

Se por um lado o Renascentismo trabalhou com o estigma do novo e da reformulação de certas visões, por outro é necessário ter em mente que as fontes nas quais ele se inspira são o mundo da Antiguidade, isto é, anterior ao próprio universo medieval do qual procuram se destacar. Assim, as novas concepções propostas pelos grandes expoentes da Renascença não se originaram diretamente da realidade cultural que viviam, mas foram buscadas na cultura clássica, na referência que acabaria mais imediatamente reconhecida como base da visão de mundo da Europa e do Ocidente: o universo greco-romano.

As origens do que entendemos por Renascentismo podem ser procuradas nos chamados humanistas italianos, que começaram a garimpar em textos e obras do mundo clássico novas maneiras de responder as demandas que se colocavam num mundo cada vez próximo das referências da modernidade e mais distante das visões que se consolidaram nos séculos medievais. Esses pensadores da Itália do século XV levaram para o cenário europeu textos há muito tempo esquecidos, que viriam a ser revitalizados em instituições de prestígio, como a universidade de Florença, onde se estabeleceu também uma cadeira de estudos do grego clássico, a partir da qual era possível estudar e interpretar o pensamento dos antigos.

Essas obras da Antiguidade foram preservadas no império bizantino de onde foram trazidas para a Europa através dos próprios humanistas que viajaram ao Oriente. Também ficaram disponíveis em função de grandes enciclopédias que eruditos romanos produziram sintetizando as obras e criações de autores gregos, sobretudo os que tratavam de assuntos científicos e técnicos como a engenharia e a arquitetura. Esses livros circularam pela Europa medieval e começaram a despertar muito interesse nos humanistas.

Mas talvez as fontes mais importantes do conhecimento da Antiguidade que viria a inspirar o Renascentismo foram aquelas produzidas por estudiosos árabes, que a partir do século VII passaram a dominar importantes áreas do mundo europeu. Portadores das visões de mundo próprias do ambiente islâmico, que buscaram expandir nos locais onde se estabeleceram, esses intelectuais seriam responsáveis por uma contribuição fundamental, principalmente porque, ao contrário dos romanos, que se limitaram a compilar obras gregas, os árabes se aplicaram a estudar criticamente o conteúdo dos textos que encontraram nas bibliotecas bizantinas e da própria Europa. Os comentários de obras filosóficas que produziram se tornariam um material extremamente rico, que ficaria guardado em instituições voltadas para a difusão cultural ao longo das possessões árabes, como a biblioteca de Córdoba, por exemplo, um verdadeiro templo de cultura e conhecimento, com seus mais de seiscentos mil manuscritos.

As cruzadas, a partir do século XI, tratariam de aproximar o mundo cristão desse valor inestimável produzido pelos árabes muitos séculos antes. Nas regiões recuperadas do domínio de povos islâmicos, monges dedicados a reinstalar o cristianismo tomaram contato com muitas obras copiadas e comentadas pelos eruditos árabes e não tardaram a traduzi-las para o idioma oficial da igreja, o latim, o que depois de um tempo permitia que fossem estudadas por filósofos e pensadores cristãos que desenvolviam suas atividades junto aos mosteiros e instituições de estudo da cultura escolástica. No século XII grande parte desses conhecimentos já estava espalhada pela Europa, permitindo a eclosão de novas explorações filosóficas e tentativas de reformulação intelectual que não tardariam a se debruçar sobre o próprio pensamento cristão.

Um dos mais importantes reflexos dessas novas referências culturais que passaram a ventilar o pensamento cristão foi a descoberta da obra de Aristóteles, principalmente a partir de comentários de autores árabes como Avicena e Averróis. A presença das obras do estagirita entre os estudiosos cristãos estaria relacionada a uma das mais significativas renovações do seio do pensamento católico, quando a referência de Platão, capitaneada desde o século V pelas ideias de Santo Agostinho, começa a dar lugar aos novos conceitos oriundos das contribuições de Aristóteles.

Foi São Tomás de Aquino, uma das mais importantes mentes da Era Medieval, quem trataria de reler a teologia da Igreja à luz do pensamento aristotélico, através de uma vigorosa e vasta obra filosófica. Um dos pontos fundamentais presentes na visão tomista haveriam de ser preponderantes para a postura intelectual que alguns séculos mais tarde seria adotada pelos pensadores e artistas do Renascimento: a não oposição entre fé e razão, na medida em que ambas seriam obras divinas, tal como assinalado tanto na Bíblia quanto no “livro da natureza”, este último um conceito que ganharia força no seio da cristandade a partir da disseminação do pensamento de Francisco de Assis, naquele mesmo século XII.

O caminho aberto pelas contribuições do pensamento do mundo antigo resultaria na grande valorização da filosofia e da ciência como base da criação e das concepções de figuras até hoje reconhecidas como gênios da humanidade. Um eloquente exemplo é Leonardo da Vinci, cuja criação artística estaria sempre apoiada no impulso de conhecer cientificamente os fenômenos envolvidos, utilizando para isso de todos os recursos de pesquisa, cálculo e experimentação, que por sua vez traziam para o horizonte da arte a perspectiva das variadas disciplinas da ciência. Um dos resultados mais importantes dessa mudança de paradigma seria a invenção da imprensa, que permitiria potencializar a difusão do conhecimento, na medida em que era capaz de aproximar os produtores de cultura, facilitando o intercâmbio de ideias e as construções coletivas.

Essa ordem de coisas estaria na base do que hoje chamamos de Revolução Científica, quando o “cosmos harmônico” de Aristóteles, entendido como sistema fechado e fundo dos fenômenos da natureza e da vida, dá lugar a um universo que transcende o limite da terra e se volta para um cosmos muito mais vasto e infinito, que pode ser explicado e concebido por meio da observação e do cálculo. Daí a eclosão de astrônomos modernos, como Kepler e Titcho, e seus esforços para conceber instrumentos e técnicas de observar o céu, processo que tem seu ponto mais significativo no século XVII com as descobertas de Galilei, que lhe renderiam problemas com a Igreja, mas abririam uma nova fase do conhecimento humano na direção do vertiginoso papel que a ciência desempenharia pelos séculos seguintes.

Se você gostou desse texto, deixe sua opinião, compartilhe com seus amigos e curta nossa página: facebook.com/arteseletras2016.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …