Pular para o conteúdo principal

O Dia Internacional da Mulher


No dia 8 de março, é comemorado o “Dia Internacional da Mulher”. Com o passar do tempo, essa data tornou-se um símbolo de festividades, com muitas flores e caixas de chocolate. Mas, apesar do quão agradável seja ganhar presentes, é importante que cada uma de nós, mulheres, saiba a origem desse dia para comemorar de forma muito consciente.

Como tudo começou...
EVA ALTERMAN BLAY descreve que:

No século XIX e no início do XX, nos países que se industrializavam, o trabalho fabril era realizado por homens, mulheres e crianças, em jornadas de 12 a 14 horas, em semanas de seis dias inteiros e frequentemente incluindo as manhãs de domingo. Os salários eram de fome, havia terríveis condições nos locais da produção e os proprietários tratavam as reivindicações dos trabalhadores como uma afronta, operárias e operários eram considerados as “classes perigosas”.

A autora explica que, nessa época, homens e mulheres reivindicavam juntos melhores condições de trabalho (diminuição da jornada e proibição do trabalho infantil) num mesmo movimento sindical e político, porém, conforme a mentalidade da época, o salário da mulher apenas complementava o do homem, portanto não precisava haver condições de igualdade salarial para homens e mulheres. Dessa forma, não houve nenhum movimento específico a favor da igualdade salarial entre homens e mulheres até 1960. Nesse período de desigualdades gritantes quanto à remuneração de homens e mulheres, a mulher chegou a receber um terço do salário que um homem recebia na mesma função. Absurdo total!
Na metade do século XIX, tanto na Europa quanto nos EUA, o movimento dos trabalhadores estava a todo vapor. E foi nesse contexto, em 1903, que foi estruturada a Women's Trade Union League, objetivando organizar as trabalhadoras assalariadas. Com as crises industriais de 1907 e 1909, a oferta de mão de obra cresceu muito por conta da chegada de imigrantes europeus, assim os salários dos trabalhadores foram ainda mais reduzidos.

Em fevereiro de 1908, mulheres socialistas se reuniram para se manifestar e exigir o direito ao voto e melhores remunerações. Esse encontro foi chamado, extraoficialmente, de Dia da Mulher.



Em 25 de março de 1911, ocorreu outro fato marcante, um grande incêndio na Triangle Shirtwaist Company, uma fábrica de vestuário que ocupava os três últimos andares do Edifício Asch. Na hora do incidente, algumas portas da fábrica estavam fechadas, como parte de um processo repressivo de trabalho – além de portas trancadas, os relógios também eram cobertos, entre outras injustiças. Nesse incêndio, morreram 146 pessoas, dentre elas 125 mulheres – pois a maioria dos trabalhadores que a indústria empregava eram mulheres. Foi uma situação muito, muito triste, que acabou por fortalecer o reconhecimento dos sindicatos na luta por melhores condições de trabalho. Atualmente, no lugar onde ocorreu o incêndio, está instalada a Universidade de Nova York, e há uma placa descrevendo o fato e suas consequências.

No século XX, as mulheres trabalhadoras continuaram a lutar, fazer greves e reivindicar melhores condições e igualdade salarial. Em 1915, a conferência de Clara Zetkin sobre a mulher se torna um marco importante na história.

Muitas outras lutas foram travadas e manifestações foram feitas por mulheres, em 8 de março, na continuidade dessa história que fez deste o dia comemorativo da mulher. Mas foi apenas na década de 70 que a data foi consagrada. Ao contrário do que possa parecer, é um dia para lembrar dessa origem, da luta de tantas mulheres que viveram numa época de total falta de direitos mínimos, de fortes reivindicações trabalhistas e muitas perseguições que, inclusive, acabaram em tragédias e mortes.

Para mim, essa data simboliza uma luta que continua, pois ainda há mulheres recebendo salários inferiores aos dos homens, exercendo a mesma função; muitas mulheres que lutam por reconhecimento são tidas como objeto de subserviência, não são respeitadas, muito menos valorizadas, pela própria família, pois é comum, após uma jornada árdua de trabalho, enfrentarem sozinhas as tarefas do lar, perfazendo assim um terceiro turno de trabalho. É preciso lutarmos, nos posicionarmos contra a subordinação e a inferiorização da mulher, na busca e conquista plena de igualdade social. E a educação é um desses caminhos!

Deixo como reflexão o poema musicado “Não é de hoje”, da Banda Cardióides, e desejo novas e muitas conquistas às mulheres!

ELA ACORDA CEDO ANTES DO DIA AMANHECER

VER QUANTO DURO A VIDA PODE SER

ELA ESCONDE AS MARCAS DE UMA LUTA DESIGUAL

MAS ACREDITA VENCER NO FINAL

VER TANTA COISA ERRADA
ÀS VEZES PENSA EM DESISTIR

MAS SABE SEU DESTINO É SEGUIR


NÃO É DE HOJE QUE ELA PROCURA SOLUÇÃO

É HOJE, NÃO


ELA CHEGOU TÃO TARDE QUE PERDEU O PÔR DO SOL

HÁ MUITO TEMPO QUE ISSO É NORMAL

ELA INSPIRA FUNDO AO VER O CORAÇÃO SANGRAR

MAS SABE QUE UM DIA VAI PASSAR

NÃO É DE HOJE QUE ELA PROCURA SOLUÇÃO...


*Texto completo de EVA ALTERMAN BLAY, acesse AQUI.



Comentários

  1. Nilze Mary - Amei o seu texto! Parabéns, amiga Andréa Schoch!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, minha querida Nilze Mary. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Andréa Schoch

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…