Pular para o conteúdo principal

O mito dos bandeirantes

Os aventureiros” (1936), do pintor Antonio Parreiras.

Até o primeiro quartel do século XIX aquela que é hoje a maior metrópole brasileira não passava de uma cidade bucólica e com fortes laços com o passado colonial. As grandes mudanças que transformariam o Brasil após a Independência haveriam de repercutir no desenvolvimento de São Paulo, que dentro de um tempo relativamente curto se tornaria a mais urbanizada e industrializada cidade do país. Mas, ao contrário de outras cidades ou províncias brasileiras que em vários momentos desempenharam função de liderança na vida nacional, como Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais, os paulistas não dispunham de um cabedal histórico que refletisse a sua grandeza como povo.

Isso se devia principalmente à natureza da principal contribuição da província para a história e cultura do país, a atividade bandeirante. São Paulo foi uma espécie de quartel-general das muitas tropas de aventureiros que se deslocaram para vários pontos do que viria a ser o território do país em busca de riquezas. Graças ao ímpeto empreendedor e destemido desses brasileiros dos primeiros séculos de colonização, o Brasil descumpriria as normas do Tratado de Tordesilhas firmado entre Portugal e Espanha em 1494 e avançaria rumo às terras que constituem partes dos atuais Centro-Oeste, Norte e Sul do país.

Se esse tipo de atividade por um lado ajudou a aumentar a quantidade de terras que viriam a figurar nos domínios do Brasil, levando à descoberta de riquezas tanto materiais quanto culturais e ambientais, por outro, pouco colaborou para desenvolver a região de onde as muitas tropas de entradas e bandeiras partiam. Isso se dava em função do fato de que frequentemente os exploradores buscavam se apoderar e fixar nas próprias terras que encontravam, quando nelas se achavam possibilidades de enriquecimento.

Mesmo quando rincões férteis ou ricos não eram achados, os bandeirantes voltavam ao Sudeste trazendo os resultados de suas aquisições, que então eram comercializados para a Europa ou nos poucos pontos do país onde havia algum nicho de transação mercantil. Essas riquezas constituíam-se basicamente do extrativismo de produtos da terra, como animais de caça ou as chamadas drogas do sertão, e principalmente daquilo que foi considerado a grande riqueza dos primeiros séculos de colonização: o comércio escravista a partir do apresamento de nativos ou “negros da terra”, como eram chamados. O resultado desse processo é que, enquanto outras regiões do país se desenvolviam beneficiadas pela atividade bandeirante, como foi o caso dos engenhos do Nordeste, que tinham em parte sanada a sua carência de mão de obra, São Paulo pouco progredia em termos materiais.

À medida que a província avança como potência geradora de riquezas para o país, as classes dominantes começam a seguir um caminho que já vinha sendo traçado pela nação como um todo e pelos estados em particular: a tentativa de estabelecer uma narrativa da história que permitisse definir um lugar na vida e cultura nacionais. No entanto, eram poucos os vestígios materiais a atestarem a importância de São Paulo para o país, já que ali não estavam presentes elementos relevantes nesse processo, como grandes prédios históricos ou construções que refletissem o desenvolvimento, como se podia encontrar em regiões há muito mais tempo urbanizadas, como Salvador, Rio de Janeiro ou as cidades históricas de Minas Gerais. Diante disso, as elites paulistas elegem os antigos conterrâneos da atividade bandeirante como tipo cujas virtudes (e apenas elas) haveriam de representar os brasileiros daquela região.

É da tentativa de escrever uma história dos feitos dos primeiros paulistas que aparecem as representações clássicas de personagens como Anhanguera, Raposo Tavares e Fernão Dias, que são representados em pinturas e narrativas como brancos, de porte altivo e trajando roupas à moda de europeus dos séculos XVI e XVII. Imagens que escondem a situação absolutamente precária em que esses aventureiros tinham de encarar o ambiente extremamente inóspito da selva tropical, muitas vezes descalços, maltrapilhos e passando grandes privações em meio a espaços naturais. Poucos desses tropeiros aliás traziam na aparência os vestígios biológicos de sua ascendência europeia. Eram predominantemente mamelucos e na maioria das vezes poderiam ser confundidos com os próprios indígenas que viviam a perseguir não fosse pelas muitas roupas a cobrir o corpo.

A bravura e coragem do bandeirante foi outro traço bastante explorado na construção desse personagem do Brasil colônia. A tal ponto que muitas atrocidades e práticas violentas foram frequentemente vezes deixadas em segundo plano, dificultando a identificação dos muitos elementos destrutivos da atividade tropeira ao lado evidentemente dos benefícios que ela proporcionou. Os indígenas foram o segmento mais prejudicado pelos métodos violentos adotados nas ações bandeirantes. Narrativas dão conta da extrema agressividade sofrida pelos nativos nas ações de captura, que nada devem aos relatos de maus-tratos ocorridos nos navios negreiros e nos postos de venda de escravos africanos. Dessa forma, a maioria dos integrantes das bandeiras era na verdade hostil aos seus próprios antepassados, configurando a condição de total ausência de referência identitária, que Darcy Ribeiro designou com o termo “ninguendade”.

Pela grande produção escrita, de cartas e relatórios de missionários jesuítas, pudemos saber muito do que sofreram os aldeamentos. Era comum a estratégia de cercar as aldeias e exigir a saída dos nativos diretamente para o aguilhoamento. Há relatos de missões inteiras queimadas por bandeirantes, quando houve resistência, e de verdadeiras chacinas que não poupavam velhos, crianças e sequer os religiosos, que muitas vezes expressaram seu espanto diante da crueldade de tropas comandadas por europeus ou seus descendentes diretos, indivíduos que haviam recebido valores cristãos e frequentemente partiam para suas ações ornados de objetos de culto, como crucifixos ou imagens de santos de devoção.

Os bandeirantes foram assim pintados nas modernas narrativas como baluartes do progresso, simbolizando a superioridade do europeu e seu ímpeto de trazer “civilização” a uma terra totalmente agreste. Um perfil que certamente cabia muito bem no contexto de um estado que caminhava para uma trajetória de veloz industrialização e que precisava colocar foco sobre a capacidade de ações realizadoras. Apesar de terem de fato desempenhado uma tarefa importante, que culminaria em benefícios para o país, como a ampliação do território, a incorporação de recursos naturais e até a riqueza cultural e populacional brasileira, não se deve perder de vista o caráter altamente destrutivo e intolerante de suas ações, a ambição desmedida que os conduzia – e que ainda hoje é um padrão seguido por muitos agentes econômicos – e principalmente o quanto colaboraram para o inegável genocídio que a presença europeia na América representou para os primeiros filhos do continente.

Se você gostou desse texto, deixe seu comentário, compartilhe com seus amigos e curta a página: facebook.com/arteseletras2016



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …