Pular para o conteúdo principal

Alunos alfabetizados com 7 anos de idade



É a principal mudança no Novo projeto da Base Nacional Comum Curricular

Os estudantes da Educação Infantil em todo o país terão de ser alfabetizados mais cedo. A mudança faz parte da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e foi anunciada pelo ministro da Educação, Mendonça Filho. Até o 2º ano do ensino fundamental, geralmente aos 7 anos, os alunos deverão ser capazes de ler e escrever bilhetes e cartas em meios impresso e digital. Além disso, aprenderão conteúdos de estatística e probabilidade. O texto foi entregue ao Conselho Nacional de Educação (CNE) para avaliação, antes da sua homologação pelo Ministério da Educação (MEC).

Mendonça defendeu a antecipação das séries nas quais deve ser realizada a alfabetização como uma ferramenta de igualdade social, referindo que as crianças do Brasil, as mais pobres, têm o direito de ser alfabetizadas ao mesmo tempo que aquelas das escolas privadas, que são utilizadas pelas pessoas mais abastadas da sociedade. Assim, haverá mais equidade e oportunidade ao ser assegurado esse direito aos alunos do ciclo infantil público. O ministro da Educação ainda afirmou que o governo dará apoio para que estados e municípios adaptem os currículos escolares. Só a partir da homologação (prevista para o segundo semestre de 2017) as instituições poderão redefinir seus currículos, respeitando um prazo de 2 anos para que todas as redes de educação estejam nesses moldes.

A psicopedagoga Cynthia Wood Passianotto, especializada em psicoterapia da criança e do adolescente e em neuropsicologia, explica que é possível alfabetizar algumas crianças até os sete anos de idade, mas nem todas se encaixam nessa situação. De acordo com ela, a opção das escolas particulares em usar os dois primeiros anos do novo ensino fundamental para a alfabetização provoca um “descompasso” e não é o cenário ideal, já que as crianças só estão “neuropsicologicamente” formadas para a alfabetização aos sete anos. “Aos seis anos elas ainda precisam da educação infantil para desenvolver a coordenação motora e as habilidades sociais. Sendo assim, elas não conseguem se alfabetizar, justamente por não terem condições de aprender a ler e a escrever”, respalda.

A Presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp), Luciana Barros de Almeida, sinaliza que, embora a fase de alfabetização infantil seja um ciclo que começa aos seis anos e termina aos oito, seu “ápice” ocorre entre os seis e sete anos de idade. Porém, ela diz que as condições motoras e emocionais têm um desenvolvimento gradual, e as crianças podem apresentar diferenças neste processo, o que exige o acompanhamento bem de perto da equipe escolar e dos pais. “Apesar da proposição de que a alfabetização ocorra até o 2º ano do ensino fundamental (7 anos), se uma criança não consegue inicialmente, isso não é um problema apenas dela. Pelo contrário, requer mais a dedicação dos adultos envolvidos (família, professor, demais profissionais). Todo desenvolvimento requer envolvimento de todos”, corrobora Luciana.

Em contrapartida, a secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, justificou a decisão citando que isso já acontece nas escolas particulares, afirmando se tratar de uma questão de equidade e de uma tendência mundial. “Não faz sentido esperarmos até o terceiro ano, quando a criança conclui com oito, às vezes com nove anos de idade, para que ela esteja plenamente alfabetizada. Se nas instituições privadas isso já é uma realidade, nós precisamos fazer com que isso aconteça em todas as escolas”, afirmou ela.

Ao final do processo, a mudança deve atingir 7,5 milhões de alunos de 4 a 8 anos, entre pré-escola e ensino infantil, além de exigir mudanças em pelo menos 146 mil escolas públicas.

E você, professor, qual a sua opinião sobre a diminuição de idade para o início da alfabetização? Deixe seu comentário abaixo.

Fonte: Ministério da Educação | Globo Educação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…