Pular para o conteúdo principal

Como migrar da Educação 2.0 para a Educação 3.0


A resposta vem direto do campo de estudo das inovações. O termo “inovar” vem do latim *innovo, are” e significa “mudar para melhor; introduzir novidades em; inventar”. Esse campo é bastante estudado por diferentes autores, porém há certa unanimidade quanto aos tipos de inovação. Doutor Nepomuceno, que tem sido o autor base dos textos sobre Educação 3.0, destaca o que dizem os estudiosos da inovação para que possamos ter respostas e algumas pistas de como resolver nosso problema de migração da Educação 2.0 para a 3.0. Vamos conhecê-las.

Existem três tipos de graus da inovação: incremental, radical e disruptivo. Vamos entender cada um deles para ver em qual estaria a nossa resposta e que caminhos (metodologia) seguir.

A INOVAÇÃO INCREMENTAL é aquela que trabalha aperfeiçoando, acrescentando pequenas mudanças ou mesmo simplificando e melhorando de forma geral o que já existe, sem que sejam alteradas as funções básicas do serviço ou produto. Um exemplo claro de inovação incremental são as versões do Windows que vão surgindo ao longo do tempo. Por exemplo, se você (assim como eu) já tem mais de duas dezenas de anos de vida então certamente já usou os Windows 95, 98, 2000, XP... e por aí a fora. Esse sistema operacional foi passando por incrementações, mas continuou sendo um software com as mesmas funções básicas que vão sendo atualizadas para gerar as novas versões.

Já quando a INOVAÇÃO é RADICAL, ocorre a inserção de novos atributos ao processo ou ao produto, acrescentando novidades ou funções antes inexistentes. Nesse caso, são mudanças mais consistentes do que as da inovação incremental. O professor Nepomuceno cita o exemplo da entrega de pizza sendo feita por drones, e não mais pelos motoboys, como um exemplo claro de inovação radical.

E, por fim, o tipo que muito nos interessa, a INOVAÇÃO DISRUPTIVA, que surpreende com a mudança total e cria um produto ou serviço completamente novo, que chega a causar espanto. Nesse caso não há inovação de continuidade, e sim uma verdadeira revolução, por isso essa também é chamada de inovação revolucionária. Em geral são introduções altamente criativas que, além de práticas, são também economicamente muito atrativas.

Um exemplo desse tipo de inovação foi realizado pela Apple. Quando entrou no mercado de telefonia, a empresa tinha duas fortes concorrentes: BlackBerry (telefonia corporativa) e Nokia (telefonia para uso pessoal), mas essas duas gigantes nem se preocuparam, pois estavam bem estabelecidas. Poucos anos depois, porém, com a mudança disruptiva dos aparelhos da Apple, com a junção telefonia e multimídia, touch screen (tela sensível ao toque) etc., a empresa dominou o mercado, e as concorrentes se tornaram praticamente irrelevantes, a ponto de a Apple alcançar 90% do lucro desse mercado em pouquíssimo tempo.

Todo esse cenário foi apresentado para que pudéssemos compreender que uma inovação disruptiva é a que conseguirá dar conta da migração da Educação 2.0 para a 3.0.

E como isso se dará? Que metodologia pode ser aplicada?


O estudioso do tema, doutor Nepomuceno, aponta como PASSO 1 a criação de laboratórios fora do ambiente comum escolar, que não poderiam mesmo ser desenvolvidos dentro do atual modelo, pois nesse caso a disruptura não aconteceria. O que poderia haver seria uma mudança incremental ou radical, mas esse tipo de transformação não dá conta do nosso problema demográfico. Por isso mesmo, o primeiro passo se dá com a criação de espaços fora do lugar-comum para se experimentar uma cultura nova e completamente diferente.

Nepô alerta que esses laboratórios não devem ser massivos, e sim pequenos inicialmente, e então ir crescendo paulatinamente. Após solidificado esse modelo, poderá crescer em número de participantes, para ser possível chegar ao atendimento de milhões e bilhões no mundo, afinal é essa a nossa realidade demográfica.

O PASSO 2 se refere a quem vai viver a experiência no laboratório da Educação 3.0. Os participantes desse processo precisam passar por capacitações que lhes proporcionem interiorizar que estão numa nova civilização, vivendo um modelo de educação completamente novo, e que o atual não faz mais parte, é preciso deixá-lo completamente, desapegar. Não tem como repetir o modelo antigo nesse novo.


Como PASSO 3, temos a criação de uma plataforma digital para a aprendizagem participativa que permita a interatividade e troca entre participantes. Quer dizer que as pessoas que interagem aprendem com as experiências umas das outras. A ênfase é dada à resolução de problemas e é via plataforma, é clicando, usando todas as ferramentas que o virtual e o digital nos permitem para que a aprendizagem aconteça da forma mais rápida possível, para um grande número de pessoas e com a máxima qualidade em recursos para possíveis soluções. É preciso lembrar que a plataforma digital bem utilizada consegue resolver o problema de escala que temos hoje. É preciso oferecer oportunidades de qualidade para a quantidade, conforme bem pontua Ronaldo Mota, pós-doutor que se dedica ao estudo da Gestão da Inovação e Aprendizagem Independente.

E, para fecharmos o texto, destaco a fala do doutor Carlos Nepomuceno, que traz um recado aos educadores: “A Educação 2.0 está em fase terminal, não porque não tenha sido fundamental para a sociedade. Ela foi importantíssima para a humanidade até este momento. Mas temos hoje dois problemas que nos levaram a pensar a Educação 3.0. O primeiro deles é o aumento demográfico, que pede um novo modelo de educação que dê conta desse crescimento populacional com qualidade. No outro, nós não tínhamos ferramentas, mas hoje dispomos das plataformas digitais para realizar esse processo de oportunizar escola de qualidade para quantidades”.

Todas essas mudanças que a revolução civilizacional está trazendo não são fáceis, por isso mesmo você, professor, assim como eu, temos o direito de achar que essas ideias são muito complexas, porque de fato são, porém a realidade está posta, e você pode buscar saber mais sobre o tema lendo cada um dos textos que publicamos nesta série, pois são complementares e o ajudarão a compreender o todo.

Vamos juntos experimentar essa Educação 3.0, pois se há alguém que entende e gosta de boas rotas de aprendizado esse alguém é você, professor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960) Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…