Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre a natureza do trabalho


Marx é conhecido pelas doutrinas sociais e econômicas oriundas de seu sistema de pensamento, genericamente denominadas socialistas ou comunistas. Um número muito menor de vezes, porém, a sua filosofia é pensada a partir daquilo que talvez seja a sua maior contribuição para o pensamento ocidental: o trabalho. Para entender bem como se configura a filosofia de Marx nesse aspecto, uma boa maneira é entendê-la a partir do pensamento de W. Hegel, um outro filósofo alemão, do qual em parte é um herdeiro intelectual. Hegel dá fôlego a uma filosofia historicista em detrimento de uma abordagem naturalista. Isso significa que o homem é visto principalmente pela sua característica de ser histórico, isto é, que se transforma e aperfeiçoa perfazendo o chamado “devir”, e menos por sua condição estática de ser pertencente a uma ordem natural.

Para Hegel, a historicidade do homem se cumpre à medida que idealmente ele amadurece, o que dá, segundo o filósofo, origem aos avanços sociais e materiais. Aí aparece um primeiro grande rompimento de Marx em relação a seu antecedente intelectual. Para ele ocorre exatamente o contrário, na medida em que é a experiência humana no mundo concreto, histórico, que ocasiona o avanço “espiritual” do homem. E o principal elemento motivador do homem em direção a esse caminhar, que na verdade faz com que ele se configure como um ser diferenciado na natureza, é justamente o trabalho.

Mas Marx afirma que o homem é um ser natural, no sentido de que não só está inserido na natureza, como também é totalmente dependente dela. O filósofo reflete que a naturalidade do homem se expressa entre outras coisas pelo fato de que aquilo que ele precisa para “completar” o seu corpo existe de forma esparsa pela natureza. Assim, quando busca os elementos necessários à manutenção da sua vida, ele se insere numa totalidade da qual não pode se evadir e ao fazê-lo passa a desfrutar dos elementos diferenciais conferidos pelo trabalho. Assim, ao contrário do que é pensado por Hegel, a experiência da sobrevivência a partir da atividade do trabalho é que vai moldando o homem enquanto ser intelectual, ético, estético etc.

Esse papel do trabalho como fonte de progresso humano pode também ser entrevisto quando a antropologia propõe uma interessante reflexão a respeito de alguns sentidos derivados da palavra latina “cultus”. “Cultivo” é um deles, fazendo referência ao ato de manipular a terra e dela retirar os meios de subsistência, realizando a noção desenvolvida por Marx, segundo a qual através do trabalho o homem complementa aquilo de que seu corpo tem carência e necessidade. Levando em conta que as práticas agrícolas são apontadas pelos historiadores da natureza da espécie humana como um notável traço de desenvolvimento da sua experiência, pode-se concluir que cultivar é uma atividade estreitamente relacionada à afirmação e avanço humanos.

“Cultus” também dá origem a “culto”, que expressa uma atividade relacionada com os princípios éticos ou religiosos da espécie, na medida em que suas primeiras celebrações devem ter sido voltadas para cultuar os antepassados que, ao morrerem, eram depositados na terra, prosseguindo, ainda que em outra condição, a sua ligação com a comunidade, pois passavam a habitar a mesma estância de onde os que ficam retiram os seus víveres. Dessas duas noções, a de “cultivar” e a de “cultuar”, emergem os princípios daquilo que entendemos como “cultura”. Três termos diferentes, mas de origem comum e apontando para uma mesma realidade da espécie humana. É dessa forma que o trabalho de “cultivar”, que passa a ser uma atividade regular da espécie a partir de certo ponto de seu desenvolvimento, dá origem a expressões mais elaboradas e sofisticadas para o ser humano, como o sentimento religioso e o acervo cultural.

A cultura cristã é outro ponto marcante na história das visões sobre o trabalho. O pano de fundo em que Jesus apresenta seu discurso moralizador e propositor de novos valores são as profundas desigualdades sociais que se formam na Palestina do século I. Premidos pela cadeia de intensa cobrança de impostos desencadeada pela presença romana na região, os camponeses donos de pequenas propriedades e que constituíam a grande maioria da população entre os judeus (situação vivenciada por Jesus) sofrem intensamente com a pobreza que crescentemente se instala. O resultado daquela situação foi a eclosão de fenômenos como o banditismo social e o aparecimento dos chamados “profetas apocalípticos”.

O discurso religioso de Jesus emerge no bojo da busca de uma recomposição das formas de viver, que tem como inspiração uma visão erudita da própria tradição judaica em que a Palestina se insere. “A terra é de Javé”, dizem as escrituras, o que esvazia na visão dos pobres o sistema de valores sociais daquele período. É dentro dessa perspectiva que Jesus propõe procedimentos que ficariam fortemente relacionados a uma ética religiosa, como o desapego ao dinheiro (a César o que é de César) ou uma organização social propensa a desprezar valores “do mundo” e apostar em conceitos como solidariedade e fraternidade, dentro dos quais o trabalho passa a se desenvolver e ser considerado um bem sagrado.

Uma outra visão do trabalho que ganharia força, sobretudo no ocidente, a partir da Revolução Industrial foi a formulada pelo Liberalismo, que tem na figura de Adam Smith seu maior expoente. O pensador escocês destaca-se da maior parte de seus antecessores ao afirmar que é o trabalho, e não a terra, a parte mais importante do processo de produção de riquezas. Debruçado principalmente sobre a atividade industrial nascente no início do século XIX, Smith concebe o trabalhador como um elemento incluído num sistema orgânico de produção. Indo num sentido oposto ao da atividade artesanal, onde quem trabalha investe seus dotes pessoais, propõe o trabalhador como uma peça de engrenagem, funcionando em relação a outras partes da máquina e dedicando-se a um nível cada vez mais intenso de especialização, que, segundo ele, permitiria a maior eficiência na produção e consequentemente a maior geração de riquezas. O ponto mais importante dessa visão para a história do trabalho é que, anulado de sua função como agente direto na criação dos bens, o trabalhador teve de ser direcionado para uma nova escala de valores. É quando os sentidos de trabalho como satisfação da natureza ou como base de uma existência solidária dão lugar às noções hoje tão predominantes do trabalho como meio de aquisição de bens, viabilizador do consumo e propiciador de ascensão na escala social.

Modernamente têm surgido conceitos como o de “trabalho-lixo”, que seriam aquelas funções classificadas pelos próprios trabalhadores que o exercem como inúteis. Constituindo um número considerável dos postos de trabalho atualmente no mundo, algumas dessas funções poderiam ser tranquilamente extintas através das possibilidades cada vez maiores oferecidas pela tecnologia. Outras atividades, ao contrário, fundamentais para o bem-estar e o equilíbrio social – como o cuidado com os idosos e doentes, por exemplo – são desempenhadas como trabalho filantrópico ou voluntário, sem nenhum tipo de remuneração.

Num mundo do trabalho mais perfeito, que talvez se desenhe no futuro, amparado em propostas como renda básica de cidadania e uma jornada de trabalho muito inferior às atuais (acredite, essas propostas já existem!), por exemplo, é possível que sejam eliminados esses indesejáveis trabalhos, que são tratados como sinônimo de sofrimento e contrariedade. Em lugar deles talvez se estabeleça a situação em que todos poderiam se dedicar a atividades laborativas que sejam, antes de qualquer coisa, prazerosa para quem as realize. Atingido esse ponto, ao que parece, estaríamos mais próximos de uma visão do trabalho como complemento de uma natureza e consequentemente como fator de integridade interior do homem em lugar da fraturada humanidade imersa em lutas de poder e guerras fratricidas que vemos hoje.

Comentários

  1. O TRABALHO
    Vejo que poucas pessoas conseguem criar uma noção própria sobre as coisas que encontrou após tomar ciência da organização social. Segundo fulano, segundo ciclano e assim vai. Por que o homem de hoje não pode fazer avaliações assumindo suas próprias teorias? A maioria vão para faculdades sempre encabrestadas por uma liderança do passado. "Nada se cria, nada se copia, mas apenas se transforma". Como vemos nossa realidade é puro efeito inexistente de causas e por isso o homem nada faz do que organizar os efeitos. O animal não trabalha? A sensação de fome não é o que obriga o animal a sair em busca de alimento? Isso é uma Lei. Já o homem como tem um pouquinho a mais de ligação com o Cosmo, conseguiu buscar seu alimento como os irracionais, porém esse pouquinho a mais, levou nosso herói a pensar, após muitos anos, maneiras de guardar, conservar e administrar. Para isso o grupo étnico iam se especializando nessas três ações, onde superando outros que não praticavam essa forma inteligente de procedimento. Esse exemplo mostra a forma de trabalho, antes de existir a escrita, que mais tarde deu origem ao escambo. A ação do trabalho não é uma criação humana e não se deve a nenhum filósofo de obras prontas escolher as palavras adequadas para algo que é Natural. As formigas trabalham e será que existe sábios que defina as condições psicológicas delas? Entre elas não há dinheiro, mas uma captação do Cosmo que a faz compreender que sem o trabalho não se sobrevive e essa captação Cósmica é que faz o homem trabalhar para seu próximo como faz as formigas, sem saber e nem imaginar, o homem vai produzindo para seu semelhante, uns produzem calça, outros sapatos, etc, mesmo sobre o poder do dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia do artigo é mostrar como pensadores conhecidos pensaram o trabalho. Melhor ainda será, se as pessoas usarem esse conhecimento para pensarem por si próprias. Creio que a diferença está em que os animais trabalham impelidos pela fome, mas isso em nada altera a forma como a espécie se coloca na natureza. Com o homem, a necessidade do trabalho dá origem a novos elementos, que formam o que a gente entende por cultura. Com o trabalho ele se torna um ser diferenciado na natureza. Um grande abraço e obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Sou professor de arte e estou, junto com outros colegas, pensando sobre a representação do trabalho na arte brasileira. Vou levar o seu texto pra lá. Ótimas reflexões, muito didático. Obrigado Sandro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo A. Leitão! Fico feliz em saber que o texto pode motivar reflexões de outros estudiosos. Me interessa bastante esse assunto que você está estudando. Fique à vontade para compartilhar os resultados do trabalho (sandrorevisor@hotmail.com) e qualquer coisa estou à disposição. Um grande abraço.

      Excluir
    2. Obrigado, amigo A. Leitão! Fico feliz em saber que o texto pode motivar reflexões de outros estudiosos. Me interessa bastante esse assunto que você está estudando. Fique à vontade para compartilhar os resultados do trabalho (sandrorevisor@hotmail.com) e qualquer coisa estou à disposição. Um grande abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A verdade sobre a "Loura do Banheiro"

Sem dúvida nenhuma: é a lenda urbana mais forte no Brasil, que de tempos em tempos ressurge como uma fênix, com uma nova roupagem, mas a essência continua a mesma. A “Mulher Loura”, como é conhecida no Rio, uma redundância em gênero que deixa os professores de português de cabelo em pé. Porém, na verdade ela assusta mesmo é gerações de estudantes. Certamente muitos professores que hoje tentam, em vão, acalmar seus alunos e desmistificar já foram aterrorizados por ela, um dia, quando frequentavam as carteiras escolares. A histeria coletiva chegou ao ponto de casos de escolas que suspenderam as aulas até que os alunos se acalmassem.

Evitar o banheiro a todo custo Para os professores um trabalho a mais. Muitos não iam ao banheiro sem que a professora fosse junto. Outros formavam grupos para seguirem coletivamente. Não era raro alguns prenderem suas necessidades esperando voltar para casa. Isso, quando não acontecia o pior, ao não resistirem a todo esse tempo de abstinência. Nunca vou me es…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

3 novos destinos do Benefício Boa Viagem para você descansar

Chegou a hora de programar sua viagem. Com o Benefício Boa Viagem, duas diárias em hotel ou pousada já estão garantidas para você e um acompanhante. Agora só falta você escolher o seu destino e arrumar as malas. A nossa dica é: Região Serrana do Rio de Janeiro. Conheça as opções e agende agora mesmo sua próxima diversão!

Penedo Conhecida como destino romântico, a cidade é ideal para quem procura tirar uns dias de tranquilidade. Com arquitetura finlandesa, o local tem um polo gastronômico riquíssimo especializado na culinária europeia e ainda conta, nesta época natalina, com uma atração sensacional chamada de “A Casa do Papai-Noel”, situada no Complexo Comercial Pequena Finlândia, um ponto turístico que não pode deixar de ser visitado por quem escolhe este destino.

Cachoeiras de Macacu Se você é fã de água doce, este é o destino ideal para os seus tão sonhados dias de descanso. Este paraíso ecológico fluminense oferece diversas cachoeiras que formam duchas, tobogãs e piscinas naturais, tud…