Pular para o conteúdo principal

Visões sobre a natureza de Jesus


Quem se depara hoje com os quatro evangelhos canônicos, que servem de base para as doutrinas da maioria das religiões cristãs, muitas vezes não tem noção da movimentação de ideias e possibilidades que se estabeleceram nos primeiros quatro séculos de cristianismo, quando finalmente a Igreja de Roma, amparada na força do Império Romano, chegaria a definir os escritos de Lucas, Marcos, Mateus e João como principais em detrimento de outros documentos cristãos. As muitas reflexões e hipóteses levantadas pelos seguidores ditos primitivos de Jesus acabariam por formar um rico acervo teológico que pode ser tranquilamente estudado por interessados no assunto em acréscimo aos textos considerados oficiais.
Uma dessas ideias começaria a ganhar destaque já no século II da Era Cristã, com os docetas, seguidores de uma visão que entendia que, sendo Jesus de natureza divina, não podia ter a mesma constituição das pessoas normais. Logo, o seu nascimento, o corpo e as sensações que sentia não eram reais, isto é, não passavam de uma aparência de realidade. O docetismo parte das ideias de Marcião, um filósofo e pensador cristão, profundo estudioso dos escritos de Paulo de Tarso. Ele se notabiliza por defender a ideia de que o deus hebraico, ao se mostrar vingativo e por vezes cruel, não poderia ser o mesmo que conceberia Jesus e o ofereceria à humanidade.
Sendo assim de origem totalmente divina, o Cristo seria uma criatura diferenciada de todos os demais seres, os atos de sua vida apenas se revestindo de uma aparência de acontecimento real para entendimento dos mortais. As ideias de Marcião acabariam por despertar muitos seguidores a tal ponto que se tornou bastante influente em Roma, onde conseguiu divulgar sua visão através de uma vasta obra escrita. Bispos influentes da Igreja da época, como Irineu de Lião e Ignácio de Antioquia, se dedicaram também a uma relevante produção teológica para refutar os textos de Marcião, preservando o consenso até então formado pela maioria das igrejas cristãs.
Uma outra ideia teológica levantada pelos cristãos primitivos é o arianismo, que nada tem a ver com as doutrinas de superioridade racial que se espalharam pela Europa a partir do século XIX. O nome vem de seu principal formulador e defensor, Ário, um presbítero de Alexandria do século IV, que negava a existência da consubstancialidade entre Jesus e Deus, ou seja, para ele, embora uma criatura especial, preexistente à própria criação do mundo, o Cristo não se confundia com o criador e não era constituído da mesma natureza divina. Para Ário, Jesus seria algo situado entre Deus e os homens, uma espécie de semideus, que não se enquadraria em nenhuma das duas naturezas, nem a divina, nem a humana. Como dado interessante, em boa medida o pensamento de Ário seria divulgado através de canções populares, o que acabaria por estender seu pensamento para além do campo dos estudiosos eclesiásticos e aproximá-lo dos cristãos comuns.
Por isso (e por outros fatores) a doutrina ariana seria causadora de grandes debates entre os bispos e religiosos da igreja, não raro redundando em conflitos que extrapolavam a esfera religiosa e se tornavam sérias questões diplomáticas envolvendo líderes e governantes a favor ou contra suas ideias. O fato é que o arianismo ganharia força e de alguma forma abalaria a unanimidade das igrejas cristãs, o que culminaria na convocação de um dos mais importantes concílios da história da igreja, o de Niceia, no ano 325, que se reuniu para deliberar sobre a validade das teses de Ário. Apesar de derrotadas no debate eclesiástico, suas ideias continuaram a dividir os cristãos, influenciando muitas igrejas e seitas, até ser considerada uma heresia. Só no século V, quando o cristianismo se torna a religião oficial do Império Romano, é que a visão arianista é definitivamente extinta entre os cristãos, isso após muitas perseguições.
Num sentido diferente das ideias propostas no arianismo começa a se destacar no século V o monofisismo, que pregava que, após a chegada de Jesus ao mundo terreno (a encarnação), as duas naturezas, a humana e a divina, teriam se fundido numa coisa só, com predomínio da última. O Cristo, dessa forma, apesar de ser constituído originalmente de duas naturezas, tornara-se divino ao assumir sua tarefa redentora. Um contraponto dessa ideia, o diofisismo, pregava que Jesus teria preservado as duas naturezas de forma distinta ao ingressar no mundo. Essas ideias, como outras que se apresentavam como variantes desse pensamento, deixariam profundas marcas na Igreja da época, suscitando muito debates e ajudando a formar muitos sismas. O monofisismo seria condenado no concílio de Calcedônia realizado no ano 451, que confirmaria o diofisismo como crença predominante.
Vinte anos antes, num concílio convocado em Éfeso, uma outra variante dessas ideias sobre a natureza de Jesus já havia sido negada e classificada como heresia. Tratava-se do nestorianismo, filosofia que declarava a desunião entre essas duas naturezas na pessoa do Cristo, ou seja, humanidade e divindade entrosavam-se, na natureza de Jesus, de forma distinta, apesar de afeiçoadas uma a outra, sendo empregadas pelo Cristo em sua missão salvadora. Mesmo derrotada, essa visão cristológica desenvolvida por Nestório, patriarca da igreja de Constantinopla, se fortificaria em várias comunidades cristãs, que acabariam se separando da base principal do cristianismo. Suas teses ganhariam importante relevância em núcleos cristãos espalhados pela Ásia, que mais tarde se firmariam como instituições independentes do catolicismo de Roma.
Por fim, vale a pena citar também a crença adocionista, defendida por Paulo de Samósata, bispo de Antioquia. Segundo essa ideia, Jesus não passava de um homem comum, mas se teria mostrado tão virtuoso e identificado com Deus, que este lhe teria delegado a missão redentora junto aos homens. O Cristo então teria iniciado um caminho de altíssima iluminação e progressivo aperfeiçoamento até atingir a situação análoga a de filho de Deus, tal sua capacidade extraordinária de transcender a realidade humana e aproximar-se da essência do criador, condição que tem seu momento de confirmação quando do batismo de Jesus por João Batista.
O adocionismo seria também considerado uma crença herética no século II, mas não desapareceria por completo. Uma nova onda dessa visão cristológica ressurgiria no século VIII, sendo combatida e finalmente condenada no segundo concílio de Niceia, em 787.
Visões da natureza de Jesus como essas abordadas aqui e várias outras que propuseram interpretações variadas da presença do Cristo constituem um importante acervo da cultura cristã. O estudo dessas escolas de pensamento revela toda uma gama de tentativas de compreender a fundo esse acontecimento que continua marcante, principalmente na história do Ocidente, mas de alguma forma influindo em toda a cultura humana, apesar de todas as vozes, adeptas ou não, que se levantaram ao longo do tempo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …