Pular para o conteúdo principal

A Abolição que quase ninguém conhece


As salas de aula brasileiras nos habituaram a entender os acontecimentos que culminariam na Abolição da Escravatura pela ótica das ações que se estabeleceram nos grandes centros, nas proximidades do poder imperial e com a participação de instituições de prestígio social, como a imprensa e as tribunas políticas. Nesse contexto, a marcha da Abolição no Brasil teria se dado a partir da atuação de grandes figuras que passariam para a história como protagonistas desse episódio da vida nacional. Assim, personagens como Joaquim Nabuco, com suas ideias lúcidas e visionárias; José do Patrocínio, que ficaria marcado pela sua atuação na imprensa da capital federal; André Rebouças, pela sua fina habilidade ao tecer diálogos políticos; e Luiz Gama, que se notabilizaria pela capacidade de empregar as brechas da lei para viabilizar juridicamente a queda da escravidão, entraram para a história como grandes motores do movimento Abolicionista.

Pesquisas e produções acadêmicas mais recentes, porém, têm mostrado que a participação nas ações abolicionistas fora do âmbito dos grandes centros foi muito mais eficaz do que se pensa, e de certo modo a essa modalidade de luta contra a escravidão se deve ser atribuído o protagonismo do movimento. Essas ações, que ficariam conhecidas como Movimento Abolicionista Popular, contaram com a mobilização não só de pessoas seduzidas pelo ideal de dar fim ao funesto instituto da escravidão, como também dos próprios cativos, que, ao contrário do que normalmente se propaga, atuaram de forma incisiva e determinante para que o movimento mais tarde se transformasse numa questão nacional.

Essas ações práticas e até certo ponto radicais ganharam destaque a partir da década de 1880 e começaram a chamar a atenção das elites principalmente por ameaçar a soberania da propriedade dos barões da terra e por provocar episódios de evidente risco para a ordem pública. Dentre os muitos grupos que se entregaram a esse tipo de atividade pode-se citar os Caifazes, liderados pelo advogado e promotor, egresso das elites imperiais, Antônio Bento de Souza e Castro. Utilizando-se de suas funções em órgãos ligados à justiça, encaminhava situações como por exemplo a de indicar prepostos abolicionistas para determinar preços em cartas de alforria. Fixadas em valores que o cativo poderia mais facilmente adquirir, muitos “passaportes” para a liberdade chegariam às mãos de escravos, processo com o qual foi possível alforriar um número muito grande de pessoas.

Muitos dos que alcançavam a liberdade ingressavam no movimento, que assim ia ganhando as ruas e principalmente chegando às senzalas. Não demoraram a ocorrer as temidas fugas em massa e a organização de grandes comunidades que se formavam para acolher os cativos que ganhavam liberdade nessas ações, como foi o caso do quilombo de Jabaquara, que chegou a acomodar 10 mil pessoas. Por conta da adesão de pequenos fazendeiros e comerciantes às ações abolicionistas, muitos ex-cativos acabavam conseguindo emprego e se firmando como trabalhadores livres. Nessas ações concentradas nas senzalas, se destacaria a figura de Antonio Paciência, cujo apelido era devido a sua habilidade de esperar o momento propício, em que a segurança se afrouxava, para empreender a ação de fuga de escravos.

Os chamados “cometas” eram outro tipo de colaboradores das ações abolicionistas populares. Constituído principalmente de caixeiros-viajantes que tinham amplo acesso a fazendas e latifúndios, esse grupo atuava secretamente como informantes que facilitavam a execução das ações de fuga em massa. Frequentemente a rede de solidariedade abolicionista se completava com o engajamento de funcionários das companhias ferroviárias simpáticos ao movimento, que clandestinamente embarcavam os cativos em trens que os levavam a cidades do litoral, onde eram absorvidos como mão de obra nos portos. Não eram raras também ações que libertavam escravos enquanto eram transportados pela força policial, quando tumultos provocados aleatoriamente davam oportunidades de arrancá-los à força, muitas vezes os deixando abrigados em residências de cidadãos comuns, que simpatizavam com a causa abolicionista.

À medida que atividades dessa natureza prosperavam e esboçava-se o perigo de que o país fosse tomado por rebeliões de escravos, o movimento Abolicionista se organizava nas principais cidades do país, com destaque para a capital Rio de Janeiro. Por isso, muitos historiadores classificam a chegada dos anseios abolicionistas aos meios intelectuais e políticos como uma espécie de reação, que garantisse aos grupos mais privilegiados socialmente a condução do processo em detrimento daqueles que vinham se organizando de forma autônoma, através do consórcio entre pessoas das classes menos abastadas, libertos, cativos e estudantes. A chegada das ações abolicionistas aos espaços institucionalizados, transferindo o protagonismo para jornalistas, intelectuais e políticos, se por um lado serviu para viabilizar a queda da escravidão em âmbito legislativo e encampado pela força do estado, por outro permitiu que participasse do movimento representantes de setores favoráveis à Abolição, mas divergentes em vários outros pontos, o que acabaria criando muitos condicionantes que no final das contas dificultariam a integração dos libertos depois da assinatura da Lei Áurea.

O longo processo político que culminaria na promulgação final pela Princesa Isabel em 13 de maio de 1888 se encarregaria de acomodar o interesse das várias partes envolvidas, motivo pelo qual o acontecimento entra para a história brasileira com todo o simbolismo do velho atavismo brasileiro das soluções “pacíficas”, representado pelo clima de quase consenso que se verificaria na votação da lei no congresso nacional, com apenas quinze parlamentares se declarando contrários à Abolição no Brasil. A modalidade do movimento que passou a ser a narrativa oficial do fim da escravidão trazia, no final das contas, a garantia de que, sem uma Abolição como resultado da luta direta nas frentes populares, a integração dos libertos se daria de modo bem mais confortável aos interesses das classes que exerciam sua influência no país naquele quase final de império.

*A ilustração para esse texto foi extraída do livro “Da colônia ao império, um Brasil para inglês ver”, de Miguel Paiva e Lília M. Schwarcz.

Leia também: “Por que nem sempre foi a lei da chibata o que predominou durante a escravidão no Brasil”, em http://migre.me/wBq3g


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…