Pular para o conteúdo principal

3 palavras e um segredo


A menina Anne Carol, de 3 anos de idade, acordou bem-humorada no apartamento para o qual a família tinha se mudado havia pouco mais de uma semana. Em trajes de praia, ela veio caminhando pela cozinha em direção à área de serviços e disse: “Mãe, vou estender a minha toalha aqui (referindo-se ao chão da área de serviços, onde batia muito sol) e vou me ‘MORENIZAR’”. A mãe sorriu e compreendeu o sentido da palavra, entendendo que a filha tinha a intenção de dizer que pretendia se BRONZEAR. Então explicou para ela que a palavra usada quando queremos dizer que vamos ficar mais “cor de bronze”, depois de um tempo de exposição ao sol, é, na verdade, “bronzear”.



Em outro episódio, uma criança pequena se deparou com a imagem de uma lagartixa e chamou-a de “Jacaré piquininho”. É óbvio que a lagartixa e o jacaré têm semelhanças, como o fato de serem répteis, mas há também muitas diferenças entre eles. O jacaré, por exemplo, tem em torno de oitenta dentes afiados para despedaçar suas presas, que no geral são grandes, além de uma cobertura de corpo dura e cascuda. A lagartixa é inofensiva, não oferece nenhum perigo ao ser humano. O alimento e as quantidades que cada um deles ingere também os diferem completamente.

Por meio desses exemplos, é possível compreender que, ao chamar a lagartixa de “jacaré piquininho”, a criança estava relacionando o conceito de jacaré ao de lagartixa, que inicialmente parecia ter o mesmo SENTIDO para ela. É muito comum algo assim acontecer na comunicação das crianças, em casa ou na escola. As crianças em crescimento e desenvolvimento vão fazendo correlações e estabelecendo sentidos com o que veem, cheiram, tocam e sentem.

Mas é preciso avançar do SENTIDO (do que se sabe a partir do seu próprio repertório, com interpretação individual) para o SIGNIFICADO (o que está cientificamente embasado). O sentido tem origem nas percepções primeiras, na passagem por nossos filtros internos, por meio daquilo que já conhecemos sem muita cientificidade, muitas vezes decorrente até de algum achismo. O sentido é interno, inicialmente desprovido de comprovação, vem da interpretação de cada um e, por isso mesmo, é subjetivo. Cada um tem o próprio sentido sobre algo. Já o SIGNIFICADO é bem fundamentado, cientificamente aprovado, aceito por uma sociedade inteira como padrão, é objetivo e externo a nós.

Referir-se a uma lagartixa como “jacaré piquininho” é próprio do sentido (da percepção particular) de quem está em processo adaptativo, de quem ainda precisa aprender as diferenças, compreender o significado de cada um dos termos para chegar ao SIGNIFICADO.


Pais e professores são em potencial os grandes mediadores da vida de uma criança. É no diálogo com o filho ou com o aluno que os MEDIADORES percebem o SENTIDO que esses têm sobre o que estão aprendendo. Compreender o sentido dado pelo aluno a determinado conteúdo proporcionará ao professor trabalhar ajudando esse aluno a caminhar em busca da apropriação do SIGNIFICADO, abandonando aos poucos o saber sem fundamentação, sem cientificidade. Portanto, é de fundamental importância o trabalho realizado, principalmente pelo professor que orienta a aprendizagem, que retoma conceitos, se necessário for, e se coloca como um mediador, aquele que ouve, compreende os sentidos dados, retoma a rota, indica caminhos para a apropriação de conhecimentos fundados no SIGNIFICADO.

Nesse processo de aprendizagem, o SENTIDO tem papel importante e deve ser muito valorizado como ponte para o conhecimento calcado no SIGNIFICADO. Em tese, o que o sujeito tem na memória, na estrutura cognitiva, é o SENTIDO, e é partindo desse conhecimento prévio que avançamos para um conhecimento científico. Por isso, atente para as ideias que o aluno forma a partir dos conteúdos propostos para a aprendizagem, a partir da interpretação pessoal. Nesses momentos será possível perceber algum equívoco ou mesmo alguma generalização errônea para posteriormente retomá-la.

Para exemplificar, vou contar-lhes uma história que vivi quando trabalhei com Educação de Adultos. Um de meus alunos, o senhor José, de 70 anos, cursava a 2ª série do Ensino Fundamental. Durante a aula de geografia, a partir de uma explicação dada, ele comentou surpreso que achava que vivíamos no centro da Terra. Quando expliquei que vivíamos na superfície, e que o centro da terra era muito, muito quente, sem possibilidade de sobrevivência humana devido às altas temperaturas, ele ficou perplexo e ainda perguntou: “E como é que a gente não cai dessa superfície?”. Portanto, assim como no nosso exemplo, os SENTIDOS estão aí, aparecem por meio das oportunidades que as pessoas tiverem de se colocar, de ser ouvidas, de externar as dúvidas. E, para que os sentidos não se perpetuem, entra em cena a interferência do professor, dos pais, via MEDIAÇÃO, que é uma ação intencional para a construção de SIGNIFICADOS, que são conceitos cientificamente embasados, universalmente aceitos e que trazem crescimento e desenvolvimento pessoal.

No caso do senhor José, depois que aprendeu que não vivíamos no centro da Terra e sim na superfície, até comprou um mapa-múndi em forma de globo terrestre e aprendeu tanto que, da última vez que nos encontramos, ele me explicou o que era um tsunami e a dinâmica das placas tectônicas nesse processo, por que não caímos da superfície terrestre, e tantos outros conteúdos interessantes, uma verdadeira apropriação de SIGNIFICADOS. Que privilégio poder ver o crescimento e desenvolvimento humano ao vivo e a cores!

E, para concluir o assunto de hoje, voltemos ao título deste texto: 3 PALAVRAS E UM SEGREDO. As 3 palavras são: MEDIAÇÃO, SENTIDO E SIGNIFICADO, agora o segredo chama-se APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA.

Para quem desejar aprofundar os conhecimentos sobre este tema, sugiro as leituras baseadas em Vygotsky e Bakhtin, consagrados geradores de SIGNIFICADOS para a educação e o desenvolvimento humano.

Até a próxima semana!


Comentários

  1. Muito apropriado.
    Passei piu uma experiência semelhante numa das escolas que leciinei.
    Solicitei, numa prova, que o aluno desse uma aplicacao para o isolante termico.
    Ele prontamente resoondeu:" É que quando uma pessoa morre atropelado os bombeiros colocam um papel aluminio sobre ele pra proteger do frio."
    Chamei o aluno e pedi que me explicasse o racicinio dele. Aí observei que ele tinha entendido a matéria. Ele não queria dizer que a pessoa estava morta e sim que a pessoa tinha sido atropela e os socorristas colocaram uma manta térmica aluminizada oara manter a temperatura do corpo do acidentado oara evitar hipotermia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por participar. Que experiência rica a que você viveu. Parabéns pela observação pertinente. Abs

      Excluir
  2. Interessantíssima postagem Andréa!

    Isso me lembra uma ferramenta (ressignificação) que usamos com clientes de Coaching, como se os SENTIDOS fossem as experiência e impressões negativas sobre algo, a MEDIAÇÃO como uma conversa durante uma sessão e o SIGNIFICADO fosse a nova maneira de enxergar e dar novo significado aos sentidos, de modo a superar traumas do passado e seguir em frente.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente essa aplicação. Você é show, amigo e, vai longe!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …