Pular para o conteúdo principal

O segredo das aprendizagens duradouras



Na área da educação, é comum e já se tornou um jargão a denominação “processo ensino-aprendizagem”. Quem já não falou ou ouviu isso? Muito comum entre nós professores, psicopedagogos e pedagogos, a expressão se tornou tão corriqueira que por vezes não paramos para pensar em cada um dos termos de forma distinta, separada.

Hoje vamos fazer esse exercício, dissociar e diferenciar os termos “ensino” e “aprendizagem”, para então abordar o conceito ilustrativo de aprendizagem significativa, que é bem diferente da aprendizagem mecânica. A ideia é desenrolar… Vamos lá?

  1. A diferença entre “ensinar” e “aprender”

ENSINAR significa transmitir um conhecimento, é uma ação externa. Um pai ou mesmo um professor de educação física podem ensinar a uma criança o que é necessário para que ela consiga andar de bicicleta. Pode-se informar que é preciso equilíbrio, que deve olhar para a frente, controlar o freio e pedalar. Mas, para que haja aprendizagem, será fundamental que o aprendiz viva a experiência.

APRENDER traz o sentido do pegar, de “levar para junto de si”, e no caso da aprendizagem significa “levar para junto da memória”, um processo interno. Assim, o aprender modifica o comportamento da pessoa em função da experiência. Como exemplo disso, podemos imaginar a criança que foi ensinada a andar de bicicleta. Ela se apropriou do que foi ensinado, mas só aprendeu efetivamente quando passou pela experiência de conjugar, na prática, tudo aquilo que era necessário para que pudesse andar de bicicleta.
Portanto, é fundamental que AQUELE QUE ENSINA PARTA DA PERCEPÇÃO DAS NECESSIDADES DE QUEM APRENDE, estabelecendo prioridades ao ensinar. Que evite a aprendizagem mecânica e dê lugar àquela de alto valor qualitativo, a aprendizagem significativa.



  1. Aprendizagem significativa, definindo e exemplificando…

Como a palavra ensina, mas o exemplo arrasta, vamos a uma comparação para que você entenda como a aprendizagem significativa ocorre.

Imagine que você é o CONHECIMENTO NOVO que chega a uma casa, que nesse caso representa A SUA MEMÓRIA. Você entra na sala da casa e é recebido por uma pessoa conhecida (simbolizando os CONHECIMENTOS PRÉVIOS, que estão na sua estrutura cognitiva), que lhe mostra muitas outras pessoas que você também conhece, e vocês se integram completamente. Você se sente bem em casa e não tem vontade de ir embora. Pronto, ocorreu a APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA.

Então, um conhecimento novo entra pela sua memória de trabalho e encontra lá conhecimentos prévios, que são conhecimentos relacionados com aquele novo conhecimento. Há uma interação entre esses dois conhecimentos (os novos e os prévios) e, como houve essa interação, o novo conhecimento vai se ancorar na memória de longo prazo, permanecendo ali para todo o sempre, segundo os especialistas. Ocorreu a tão sonhada Aprendizagem Significativa.

O contrário também é verdadeiro, uma INFORMAÇÃO NOVA chega até a MEMÓRIA e lá NÃO ENCONTRA CONHECIMENTOS PRÉVIOS PARA SE LIGAR OU INTERAGIR. Logo, aquela NOVA INFORMAÇÃO É VARRIDA DA NOSSA MEMÓRIA e não é apreendida.

Fica claro então que, para que a aprendizagem significativa ocorra, é preciso saber COMO ATIVAR OS CONHECIMENTOS PRÉVIOS DE NOSSOS ALUNOS.

  1. O que podemos fazer para gerar as aprendizagens significativas?
    O método é o caminho que se escolhe para se alcançar um fim. Muitos professores usam o diálogo, as situações-problema (problematizar) para conduzir os alunos à reflexão. Eles estimulam as perguntas, as discussões, abrindo interações para que cada aluno participe com a sua opinião. Emitir opiniões ativa as experiências prévias (aquelas que já existem na memória do aluno), abrindo ao professor uma oportunidade de estabelecer “ganchos” para relacionar as informações, e assim fazer os conhecimentos interagirem de forma significativa.

E, para fechar a nossa conversa de hoje, e inspirá-lo a gerar aprendizagens significativas, apresento a pirâmide de aprendizagem de Willian Glasser, que foi um psiquiatra norte-americano, criador da Teoria da Escolha. A pirâmide formulada por ele apresenta como e quanto aprendemos (em percentuais), com foco de maior aprendizado para as metodologias ativas (de 70% ou mais), que são aquelas que colocam o aluno como agente principal do processo de aprendizagem.


Combinando atividades próprias das metodologias ativas com a escuta, o diálogo e a abertura para perguntas, o professor conseguirá orientar o aluno por rotas de muitas e significativas aprendizagens. Esse é o segredo!



Comentários

  1. Maravilhoso. Gostei muito. Já serviu para uma avaliação do meu trabalho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960) Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…