Pular para o conteúdo principal

Sobre o que hoje entendemos como amor


É ao longo do século XII que o casamento deixa de ser uma instituição meramente civil, utilizada principalmente pelas classes altas para acomodar questões financeiras e familiares, para tornar-se um campo de ação efetiva da Igreja, que pouco a pouco se insinua não só no ritual conjugal, mas também determina a forma com que os casados deveriam agir no seio da união esponsalícia.

O motivo principal para essa gradual inserção da igreja no casamento foi a tentativa de disciplinar a prática sexual, refreando o que entendia como a “pulsão da carne”. Naquele momento da cristandade está em alta uma visão ascética. As pessoas deveriam viver unicamente voltadas para a atitude contemplativa que as conduziria à salvação. Tudo o que não concorre para a concretização desse objetivo deve ser combatido e relacionado ao mal. O sexo, por sua vez, encabeça a lista das atividades humanas capazes de desviar dessa que seria a meta primordial da vida, a busca pelo encontro com Deus.

E dentro desse campo a mulher vai ser concebida como a grande ameaça à realização do mundo idealizado pelos monges. É dela que viria a perdição que desvia os homens de suas obrigações com o criador. Assim, a Igreja inicia um acentuado processo de aproximação com o cotidiano familiar, com a finalidade de emplacar uma série de regras dirigidas para disciplinar a sexualidade, uma vez que a necessidade de procriar tornava inviável a completa eliminação do conúbio carnal.

Um primeiro passo para alcançar esse controle da prática sexual no interior do casamento foi a formulação de um discurso teológico sólido. Tal raciocínio seria buscado na obra de São Paulo, principalmente na ideia de que a relação conjugal entre os cristãos deveria ser compreendida a partir da metáfora da relação de Cristo com a sua noiva, a igreja. Assim, a atitude entre casais deveria pautar-se pela busca incessante de uma pureza que se assemelhasse à fraternidade cristã, e onde, naturalmente, a prática sexual aparecia como um fator de pecado a conspurcar uma instituição fadada a ser um cenário de integração com Deus.

Isso implicava também estabelecer papéis definidos a cada um, o que representou importantes mudanças em relação à forma com que o casamento era encarado até aquele momento. Uma dessas determinações passava pelo direito que doravante a igreja concedia à mulher de manter-se casta, isto é, contrariamente ao costume, ela podia manifestar o desejo de conservar a sua castidade, estando assim dispensada da obrigação de ceder à satisfação sexual do marido.

Naturalmente isso não seria estabelecido assim tão rápido, o que provavelmente ocasionaria um aumento da prática sexual fora do casamento, e consequentemente a perda do controle sobre essa atividade, exatamente o que a igreja buscava evitar. Assim, os homens também seriam estimulados a compreender o casamento sob o olhar da pureza cristã e da rejeição ao mal, de modo que não era rara a ocorrência de maridos que abriam mão de seu “direito” de posse sobre o corpo da esposa, muitas vezes eles próprios adotando a abstinência sexual, formando situações de casais totalmente celibatários.

Mas casos como esses não seriam, de maneira nenhuma, os predominantes. Em boa parte das uniões esses propósitos ascéticos perseguidos pelos monges redundariam em situações conflitantes, como a flagrante desvantagem da mulher, quando o esposo – que por um lado se via constrangido pela própria igreja a não se relacionar com outras mulheres que não a esposa – não aceitava a opção da parceira pela abstinência e buscava pressioná-la a ceder, tocando fundo nos escrúpulos de pureza que ela resolvera adotar para si, justamente por influência do sacerdote como conselheiro ou confessor. A saída para essa situação dramática era o discurso da fragmentação da mulher.

Como seríamos formados de corpo e alma, afirmavam os padres, a mulher estaria em sintonia com as pretensões divinas se abandonasse o primeiro, entregando-o ao desfrute do esposo, e cuidasse principalmente da segunda, se dedicando a toda sorte de preces, penitências e sacramentos para garantir a sua salvação.
Mas essa redução do casamento a uma empresa de finalidades salvíficas também deixaria um legado importante. É que, como consequência dessa tensão entre sexualidade e salvação, as relações conjugais nessa altura da Idade Média resultariam no desenvolvimento do chamado amor cortês. Uma cultura que buscava de alguma forma assumir o caráter fraterno proposto pela igreja no interior do casamento.

Ao considerar a mulher uma expressão da santidade e do sublime, os homens entravam numa espécie de jogo de sedução, no qual a meta era garantir a respeitabilidade da mulher como criatura beatificada, em que a alma predomina sobre o espírito. Mesmo sendo algo que se concretiza mais no campo de um gênero literário e apesar de ser uma relação que ocorre fora do âmbito do casamento, o amor cortês em parte se mantém fiel a uma ideia do amor como requisito de aproximação com o sagrado.

A dama sublime e altiva, alvo da cortesia, representa um certo tom moralizador e educativo, na medida em que por ela só se pode expressar um amor como uma ideia superior, como uma experiência do sublime, pois a conquista do amor da dama é sempre algo impossível. Assim, a cortesia é em parte uma louvação do amor ideal, um sentimento que em nada se identifica com um conceito de amor como prazer carnal ou satisfação da sexualidade. Portanto, é de alguma forma um amor semelhante ao proposto pela igreja, ainda que estivesse preocupada com o mundo conjugal. Já o amor cortês é uma prática entre solteiros, entre jovens celibatários, que dessa forma expressam sua ânsia pelo amor.


O conceito de amor conjugal cristão “inventado” pela Igreja extrapolou a intimidade do lar medieval e ganhou sua expressão na literatura. Muitos séculos depois o romantismo retomaria certas noções a respeito do amor tomando como base a literatura cortesã. As senhoras feudais reaparecem nas figuras das dignas damas da literatura do século XIX, e os amores de satisfação impossível se firmam como temas recorrentes dos escritores românticos. Além de influenciar a forma como ainda hoje vemos o casamento, essas ideias ainda estão presentes na dramaturgia de massa, nas novelas e filmes. Muitos traços das visões concebidas nas meditações filosóficas e religiosas nos mosteiros chegaram até nossos dias e ainda nos dão a medida do que entendemos como amor.

Comentários

  1. Já sabia da manipulação que igreja exerce sobre o homem até hoje.Deixando-o cego por isso tantos cometem absurdos para agradar a DEUS.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, muitos absurdos são cometidos em nome de coisas sagradas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960) Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…