Pular para o conteúdo principal

4 passos para uma aula significativa na era digital


É fato que vivemos cercados de mudanças, porém nas últimas décadas ocorreram algumas muito significativas que impactaram a educação, demandando uma reflexão sobre elas. A era industrial, centrada no trabalho mecânico que privilegiava o ensino, a transmissão pura, vai aos poucos sendo substituída por um novo conceito, próprio da sociedade da informação ou do conhecimento, cujo foco está na aprendizagem.

Nessa sociedade a aprendizagem também é suportada pelas tecnologias da informação e comunicação, e o professor passa a ser um orientador da aprendizagem, o que torna seu papel ainda mais importante, pois ele precisa proporcionar a quem aprende uma aula significativa, num processo que delega ao aluno um papel ativo dentro de um contexto marcado pelo digital.

E para saber QUAIS SÃO OS PASSOS PARA UMA AULA SIGNIFICATIVA NA ERA DIGITAL, aqui vão algumas pistas:
  1. DIÁLOGO, OBJETIVO CLARO E CONTEXTUALIZAÇÃO – Ainda é por meio do bom e antigo DIÁLOGO com o aluno que os mediadores (professores orientadores) percebem o sentido (conceitos que mobilizam os alunos a partir do seu referencial, dos seus filtros, de seu próprio repertório) do que está sendo aprendido. Se você, por exemplo, lança uma discussão sobre “a qualidade nutricional e funcional dos alimentos que consumimos no café da manhã” e CONTEXTUALIZA, incentivando os alunos a falarem sobre a própria alimentação, forma assim uma base de diálogo. Compreender o sentido dado por esse aluno ao assunto proposto proporcionará a você, professor, ajudar esse estudante a caminhar em busca da apropriação do significado, abandonando aos poucos o saber sem fundamentação, sem cientificidade.

Existem n formas de encaminhamentos para esse tipo de atividade de contextualização, mas o professor precisa, antes de tudo, ter claro o OBJETIVO de aprendizagem pretendido. Para elencar esse tipo de objetivo, que não é de ensino, e sim de aprendizagem, o professor deve responder à seguinte pergunta: Do que o aluno será capaz ao término daquela aula? No caso de nosso exemplo, o OBJETIVO DE APRENDIZAGEM poderia ser: no fim da aula, o aluno vai ser capaz de identificar alimentos adequados para o café da manhã, que tenham qualidade nutricional e funcional.

Você pode propor um bate-papo com a turma em um espaço virtual de aprendizagem, no caso de alunos maiores, perguntando-lhes sobre o cardápio de café da manhã deles. Se forem menores, uma sugestão é organizar um café da manhã, solicitando que cada um traga o que consome em casa pela manhã, para conduzir uma conversa sobre a escolha desses alimentos x qualidade nutricional/funcional. Essa atividade ou parte dela pode ser filmada como registro e histórico auxiliar para utilização posterior (como parâmetro inicial), na fase da avaliação da aprendizagem.


  1. PROBLEMATIZAÇÃO – O método é o caminho que se escolhe para alcançar determinado fim. Muitos professores usam, além do diálogo, as situações-problema (problematizar) para conduzir os alunos à reflexão. Eles estimulam as perguntas, as discussões, abrindo interações para que cada aluno participe com a sua opinião, o que é espetacular. No exemplo aqui proposto, após a realização do café da manhã em sala de aula, o professor poderia fazer perguntas quanto aos alimentos que foram consumidos e incentivar os alunos a falarem sobre o porquê das escolhas das frutas, do pão ou de qualquer outro alimento mencionado; depois, conversar a respeito de quais alimentos o nosso corpo precisa para ficar bem nutrido, para funcionar bem... e por aí a fora. E para responder a essa problematização, os alunos são convidados a participar ativamente, num ambiente construtivo e colaborativo.

A ideia não é apresentar um conceito estanque, ou o conceito pelo conceito, como uma definição teórica, mas sim permitir que cada aluno se expresse e, aos poucos, vá conduzindo a “apropriação do conteúdo” a partir das vivências e da participação ativa dos e com os alunos. Madalena Freire, educadora e pesquisadora da área, corrobora essa ideia quando afirma que: “Vivências dão significado à aprendizagem”.

Emitir opiniões ativa experiências prévias (aquelas que já existem na memória do aluno), abrindo ao professor uma oportunidade de estabelecer “ganchos” para relacionar as informações, e assim fazer os conhecimentos interagirem, gerando a tão sonhada aprendizagem significativa. Portanto, NÃO ENTREGUE O CONCEITO PRONTO, permita a apropriação dele por meio de diferentes estratégias de contextualização e problematização. Para a nossa mente, para o cognitivo, é fundamental que haja essa “construção” em que as perguntas são feitas, para que assim as diversificadas respostas dadas por diferentes alunos (durante o processo), bem como uma observação do professor ou de outro especialista, possam ir tecendo a verdadeira aprendizagem dos significados.



3) APLICAÇÃO PRÁTICA – Sugerimos para esse momento da aula significativa que o professor lance mão de desafios práticos. Dentro do exemplo da alimentação nutritiva, o professor pode orientar uma atividade que consista na elaboração de um cardápio individual de café da manhã, com opções de alimentos mais ricos e mais nutritivos que possam substituir os de menor valor nutricional ou até mesmo alternativas de alimentos mais viáveis economicamente, porém de igual ou maior valor nutricional e funcional.

Pode-se desafiar os alunos a buscar informações adicionais num ambiente que os motive à exploração, que tenderá a ser o digital, com suas inúmeras ferramentas de busca e pesquisa, cases, exemplos, infográficos e tantos outros recursos audiovisuais. Pode-se explorar as pesquisas de diferentes alimentos, de posicionamentos de diferentes nutricionistas, pirâmide da alimentação, gravar depoimentos de quem teve a sua vida transformada depois de ter optado por uma boa alimentação… enfim, tudo aquilo que o conhecimento em rede pode proporcionar.


4) AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM – Muito embora seja apresentada aqui como última pista, na verdade a avaliação permeia todo o processo, desde as primeiras escutas e diálogos dentro da contextualização. É importante que a avaliação seja contínua (aconteça em todas as etapas da aula significativa) e processual (deve acompanhar todo o crescimento e desenvolvimento do aluno, respeitando a construção do conhecimento). O professor pode e deve fazer registros das mais diferentes formas (gravações em vídeo, anotações, entre outros), e no fim do processo poderá aquilatar (juntamente com os alunos) em que medida o objetivo de aprendizagem foi atingido, que é a verificação da aprendizagem propriamente dita.


Voltemos ao nosso exemplo de objetivo de aprendizagem, analisando se durante o processo que culminou com a fase da aplicação prática (elaboração do cardápio) o aluno conseguiu: IDENTIFICAR ALIMENTOS ADEQUADOS PARA O CAFÉ DA MANHÃ, COM QUALIDADE NUTRICIONAL E FUNCIONAL. Em caso afirmativo, ok. Em caso negativo, o professor, mesmo antes da fase da aplicação, já pode receber feedbacks do aluno e retomar o trabalho, orientando-o nessa apropriação. A avaliação é uma rua de mão dupla, portanto é preciso que haja empenho e dedicação tanto do orientador da aprendizagem quanto do aluno, são 50% de um, 50% do outro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedro II abre concurso federal para professor

Segue até o próximo dia 17 as inscrições para o concurso para preenchimento de vagas para novos professores no tradicional Colégio Pedro II. São 14 cargos efetivos nos ensinos Básico, Técnico e Tecnológico. Além disso os organizadores aproveitam para criar um banco de reservas para cada disciplina oferecida.
As inscrições são somente virtuais pelo site www.cp2.g12.br. Após preencher a ficha é necessário imprimir a GRU - Guia de Recolhimento da União - e efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 160,00. O concurso terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogado por igual período.
Pertencente ao Governo Federal, o Pedro II é o terceiro colégio mais antigo do país ainda em atividade, depois do Ginásio Pernambucano e do Atheneu Norte-Riograndense. O Pedro II tem 13 mil alunos que estudam em 14 campi, sendo 12 no município do Rio de Janeiro, um em Niterói e um em Duque de Caxias, além de uma unidade de educação infantil.
Salário pode dobrar com titulação profissional O salário básico é de R$ 4…

Passo a passo para utilizar o Benefício Boa Viagem

Olá, associado! Ainda tem dúvidas em relação ao Benefício Boa Viagem? No post de hoje vamos esclarecer essas questões e ainda mostrar o passo a passo de como utilizar este benefício.
1 – Leia o Regulamento O primeiro passo é ler o regulamento e ficar atento às regras, cláusulas e condições do benefício. O regulamento está disponível em: http://www.appai.org.br/beneficio-boa-viagem.aspx
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Regulamento

2 – Pousadas Conveniadas O associado e beneficiário, regulares na Appai, deverão verificar os hotéis e pousadas no Guia do Associado ou em nosso site e fazer a sua escolha. São diversas opções de roteiros, que vão desde a calmaria da região serrana até as mais belas praias do Estado do Rio de Janeiro.
Site da Appai → Benefício Boa Viagem → Destinos e Pousadas

3 – Reservas Depois de escolher o destino e a pousada de sua preferência, o associado e/ou beneficiário deverão entrar em contato diretamente com o estabelecimento conveniado para fazer a reserva de estad…

A construção da imagem de Tiradentes

Uma abordagem básica possivelmente revelará que Tiradentes é o herói preferido dos brasileiros, ficando à frente de nomes de grande apelo popular, como o líder Zumbi dos Palmares ou o arrojado D. Pedro I. Apesar de a história popularmente divulgada do Mártir da Inconfidência estar repleta de elementos de valor universal, como os ideais de liberdade e justiça, o fato é que a boa imagem do inconfidente é fruto da tentativa de acomodar esse momento da história aos objetivos de quem esteve nas proximidades do poder.
Foi na República que a imagem de Tiradentes começa a ser trabalhada de forma consciente e intencional. O movimento militar, de base positivista, que derrubou a Monarquia tinha em mente o objetivo bem explícito de atuar no imaginário da população, reduzindo a influência que o sistema colonial imprimira ao longo de mais de três séculos. Tiradentes era alferes, lutava pela instalação de um regime republicano e único condenado à morte na conspiração. Elementos, portanto, bastante i…

Para além do “terra à vista”

A “certidão de nascimento do Brasil”. É como um certo senso comum habituou-se a classificar a carta escrita pelo escrivão da expedição comandada por Pedro Álvares Cabral, que contém os primeiros e mais significativos relatos sobre a terra e seus moradores. A fama e a importância historiográfica que acabou sendo atribuída a esse documento acabariam por ocultar o fato de que uma série de outros registros igualmente importantes e informativos foi produzida nos anos próximos a 1500, data em que se deu o “achamento” das terras. Alguns desses textos revelam pontos relevantes, que têm ajudado a compor o quadro tanto quanto possível real do singular encontro entre contextos tão diferentes.
Há inclusive registro de um documento anterior à própria partida das naus cabralinas, um relatório redigido por Vasco da Gama, que deixa clara uma anterior experiência do pioneiro navegante pelas águas que seriam singradas pelas frotas de Cabral. Um detalhe importante vem à tona nesse escrito. Em meio a inst…

Quem é o NATIVO DIGITAL que o PROFESSOR vai encontrar na escola?

.Os professores que atuam, hoje, conhecem bem as características dos alunos com quem vão topar nas escolas?
Para que você possa compreender e mergulhar nesse texto conosco, descubra antes a qual geração você pertence, analisando os dados abaixo:
Geração dos Baby Boomers (nascidos no período do pós-guerra, entre 1946 e 1960) Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) Geração Z (nascidos depois de 1995)
Agora que você já se localizou, vamos avançar compreendendo quais gerações fazem parte do grupo chamado “NATIVO DIGITAL”.
Da geração “Y” para frente é que a tecnologia digital foi se tornando presente por meio de videogames, Internet, telefone, celular, MP3, iPod. Portanto, é a partir dessa geração que a classificação “Nativo Digital” passou a existir.
Conheça o conceito de Nativo Digital (ND), formulado pelo próprio autor da expressão, Mark Prensky (2001), especialista em Tecnologia e Educação, pela Harvard School:
“Nativos digitais são aqueles que crescer…