Pular para o conteúdo principal

Tsundoku: Japonês cria expressão única para síndrome consumista de comprar livros que nunca são lidos


Assim como se criou toda uma mitologia em que a palavra saudade só existe na língua portuguesa, há um outro vocábulo que também surge agora como único na linguagem mundial. Tsundoku: o nome que os japoneses dão ao fato de se comprar livros e não lê-los. Trata-se do enredo oposto ao do best-seller “A menina que roubava livros”, do australiano Markus Zusak.

Mas o que leva a esse comportamento? Compulsão? 
Sentida em várias partes do mundo, mas por que só os japoneses definiram?

E vou além: a definição original só se aplica a livros físicos e suas empoeiradas pilhas, que vão se amontoando à espera de leitura, ou às estantes abarrotadas pelas obras aguardando por atenção. Tiro por mim, o Tsundoku já pode ser perfeitamente usado no mundo virtual. Tenho no tablet uma série de downloads nunca explorados ou sites e conteúdos salvos que provavelmente não serão lidos.

Há uma série de fatores que podem justificar esse fenômeno: a escassez de tempo cada vez mais sentida. Não podemos desprezar a concorrência desleal com as comunicações urgentes em nosso cotidiano, como: whatsapp, e-mails e mídias sociais. Difícil disputar com os conteúdos imediatistas como: a venda do Neymar, o novo clip do Justin Bieber ou a pegadinha do momento… Isso sem menosprezar o velho aliado do consumismo, a publicidade, que cria em nós uma necessidade de comprar maior do que a capacidade de consumir. Hoje isso ainda vem potencializado pelo filho mais velho, o marketing, e o caçula marketing digital (Sei que muitos colegas vão querer me matar por esse resumo simplista… mas o assunto agora é outro. rsrs).

Para a urgência do capitalismo editorial pouco importa o destino que terão as obras nas mãos de seus consumidores, daí a ausência ou pouca divulgação de pesquisas qualitativas sobre a assimilação deste conteúdo editorial. Nada contra a quantidade de vendas, geram divisas, empregos para toda uma cadeia editorial. Maravilha!


Reforço dos propósitos dos Papeis do autor e dos professores no mercado literário

Porém, isso não impede de pensarmos na relevância que pode ganhar outro significado para os comprometimentos ideológicos dos autores e para os professores, a categoria profissional mais influenciadora neste mercado. Este tema gera uma boa reflexão neste momento em que fazemos o balanço das dificuldades encontradas para a realização da Feira Literária de Paraty – Flip, a desistência da francesa Fnac em atuar no Brasil com sua venda para a Livraria Cultura e as expectativas em torno dos preparativos finais para a XVIII Bienal Internacional do Livro no Rio de Janeiro.


Crescimento das vendas em contraponto a Crise Econômica:

Se por um lado não faltam notícias pessimistas, surpreendentemente este mercado fechou o primeiro semestre de 2017 com dados positivos, segundo a pesquisa Painel das Vendas de Livros no Brasil. Em termos comparativos, cresceram 5,62% e o faturamento aumentou em 6,81%. O estudo encomendado ao Instituto de Aferição Nielsen, pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), mostra que este foi o melhor resultado dos últimos 2 anos! Mas voltamos ao questionamento anterior. Crescimento de vendas ou de leitura?

Esses números alvissareiros não chegam a acalmar os ânimos diante da crise econômica/política e social do país e com seus agravamentos regionais no estado fluminense. Tanto que essa edição bienal da maior feira literária do país já apresenta números um pouco mais modestos do que o crescimento que vinha sendo superado paulatinamente nas realizações anteriores.

Ou seja, essa conjuntura sepultou o fantasma anterior sobre a perda de leitores para as mídias sociais, ressaltando que, quanto a isso, o pensador Marshall McLuhan já tranquilizava os incautos na década de 70. Ou seja, muito antes da chegada da TV a cabo, do celular e da Internet, ele já sinalizava que uma nova mídia não aniquila as preexistentes. Neste caso, existe apenas uma redefinição desse espaço para poder abrigar também a nova entrante.

Youtubers: novas estrelas do Mercado Editorial

Ou seja, quanto a isso, parece que já está tudo definido, e inclusive o mercado mostra que já aprendeu a usar esse quadro de forma oportunista. Levaram ao pé da letra o ditado: “Se não pode com o inimigo, junte-se a ele”. Tanto que os organizadores, com seus eventos oficiais, assim como as editoras, com suas programações paralelas, estão investindo suas fichas na migração dos prestigiados Youtubers para as páginas impressas, assim como “celebridades” de destaque na mídia.

Esse artifício já foi considerado por muitos como a “tábua de salvação” que fez da edição anterior a recordista em visitantes: 650 mil, 50 mil acima das mais otimistas expectativas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fotografia e o poder da imagem no mundo moderno

Da pintura como única forma de reproduzir o que os olhos presenciavam até as modernas maneiras de registrar a realidade, a fotografia descreveu uma trajetória cercada de muitas discussões a respeito do lugar que essa atividade deveria desempenhar no cotidiano das pessoas e no engrandecimento da cultura. O inventor francês Louis Daguerre foi o primeiro a criar algo que sugerisse a substituição dos artistas como forma de reproduzir visualmente a realidade. Em 1839 é anunciado o daguerreótipo, o primeiro ancestral das máquinas fotográficas. Na verdade muitos pesquisadores autônomos já haviam trabalhado e obtido alguns êxitos em desenvolver maneiras de reproduzir a imagem.
O mérito de Daguerre foi desenvolver uma máquina que dava início ao que iria se transformar numa das características que mais colaborariam para a popularização do ato de retratar: a possibilidade de cada pessoa poder utilizar sua própria câmera e produzir suas imagens, em substituição à habilidade individual de artistas …

Prestigiar o professor é o grande barato desta bienal

Conheça o trabalho de professores como você, participando das nossas tardes de autógrafo. Serão mais de 30 autores de diversos gêneros, como o colunista do blog da Appai e revisor da Revista Appai Educar, Sandro Gomes.

As três edições do Altos Papos já estão com inscrições abertas na página da Educação Continuada no Portal do Associado. Leia atentamente as condições de horário e transporte antes de confirmar sua presença.
Aproveite a visita e “seja capa” da Revista Appai Educar. Marque suas fotos com #SouAppai e apareça em nosso Facebook.
E ainda divirta-se em nosso espaço interativo e conheça um pouco mais sobre a appai.
PROGRAMAÇÃO COMPLETA


Setembro em ritmo de novidade!

Agora você pode conhecer os ritmos mais badalados do momento através das Oficinas de Dança! E melhor, não precisa estar matriculado para participar! É muito fácil!
Quem já está inscrito num espaço de dança é só conferir as datas e horários disponíveis no seu espaço. Para quem ainda não conhece, é o momento de experimentar, sem compromisso, a novidade do Benefício Dança, os diversos ritmos oferecidos, como: West Coasting Swing - Dança Cigana - Zumba - Charme.

A duração de cada oficina é de a 1 hora. Confira a programação abaixo:
------------------------------------- Ritmo: West Coasting Swing
Classic Festas
Estrada do Mendanha, 1531 Próximo ao Clube dos Aliados Campo Grande 04/09/17 20h Clube dos Oficiais da Marinha
Av. Passos, 122/2º andarCentro 11/09/17 19h Dançando com Arte
R. Gov. Portela, 1084 – Centro, Nova Iguaçu/RJNova Iguaçu 15/09/17 17h30 AC. Bio Fitness
Av. Cesário de Melo, 4799 salas 201 a 204Campo

3 verbos para a educação do século XXI

É fato, as gerações atuais pensam e vivem de forma bem diferente das pertencentes às décadas anteriores. A conexão digital traz respostas imediatas às dúvidas, os conteúdos são apresentados de forma qualitativa e diversificada, e, por isso mesmo, a dinâmica da educação se transforma e se renova. Esse novo contexto traz consigo a demanda por novas ações, e são os grandes especialistas em educação que apontam os pilares/tendências próprios para o século XXI. Para tornar o tema mais aplicável, vamos apresentar essas tendências por meio de três verbos:
CURAR CONECTAR PERSONALIZAR
CURAR O verbo “curar” (cuidar, zelar) carrega consigo algumas preciosas ideias que muito se afinam com o educar. Embora tenha se originado no contexto das artes, o conceito apresenta uma forte e intensa aplicação ao contexto pedagógico. O curador em educação é um guia competente, alguém que tem toda a condição de cuidar, mas não apenas isso. O curador da educação tem um olhar atento e crítico para as necessidades dos…

Rádio e TV Appai ganham programação especial para a Bienal Livro Rio

A TV Appai vai transmitir ao vivo os encontros “Altos Papos” direto de nosso estande na Bienal. Durante os dias de evento reportagens especiais também vão ser apresentadas.  E ainda, quem for ao nosso estande vai poder acompanhar uma mostra de nossos principais programas através de um telão de LED instalado de forma estratégica. São atrações como “Professor Curioso”, “Talentos A+” e vídeos de corridas.
Por sua vez, a Rádio Appai está com uma programação de serviço para ajudar quem for visitar a maior feira literária do país. Trazemos diariamente dicas de transporte de como chegar e sair dos Pavilhões do Riocentro. Também estamos com um espaço para serviço em que informamos os horários dos eventos e toda a agenda.
Juntas a Rádio e a TV Appai contam em suas programações a história da Bienal. Ao mesmo tempo em que é a maior e mais famosa do mundo, a Feira de Livros de Frankfurt, na Alemanha, também é a mais antiga. Ela começou a ser promovida logo após a imprensa ter sido inventada, não à …